www.publico.ptpublico.pt - 13 mai 20:23

Carlsen triunfou em Abidjan, mas foi superado por Lagrave nas partidas relâmpago

Carlsen triunfou em Abidjan, mas foi superado por Lagrave nas partidas relâmpago

Torneio foi o evento que marcou o início do Grand Chess Tour.

Magnus Carlsen continua imparável desde que renovou o título mundial clássico, em Novembro passado, e nas quatro provas que disputou em 2019 não deu hipóteses aos seus adversários. Contudo, nesta última, em Abidjan, a capital da Costa do Marfim, que abriu a edição deste ano do Grand Chess Tour, o norueguês mostrou que afinal é humano.

Depois de iniciar a prova com nova demonstração de enorme superioridade, dominando a primeira parte do torneio, em ritmo semi-rápido, de forma avassaladora, cedendo apenas três empates nos nove duelos realizados, nas partidas relâmpago foi superado pelo francês Maxime Vachier-Lagrave que, nas 18 partidas realizadas, amealhou 12 pontos, mais meio do que Carlsen. O campeão mundial foi mesmo derrotado nas duas partidas contra o francês, mas a sua liderança nunca esteve seriamente ameaçada, tal era a vantagem amealhada na primeira etapa da prova.

Mesmo assim no ranking oficioso, ao vivo, Carlsen viu a sua posição de número um mundial ser ameaçada, quando Lagrave o ultrapassou, durante duas jornadas.

Questionado pelo motivo da sua exibição menos boa na primeira volta do torneio relâmpago, Carlsen disse: “Hoje era um daqueles dias…as coisas não fluíam como habitualmente e a minha capacidade de análise esteve muito abaixo do que normalmente consigo. Quando assim é os erros acontecem e os resultados negativos surgem.”

Mas, na segunda volta, tudo regressou ao normal, com Carlsen a obter 6,5 pontos, contra os 5 do dia anterior, e garantindo o primeiro lugar a três rondas do fim. Na segunda posição ficou o detentor do troféu, o norte-americano Hikaru Nakamura numa luta renhida com o francês. Ambos terminaram com 23 pontos, mas Nakamura tinha vantagem no desempate.

O outro norte-americano, Wesley So, obteve a quarta posição, com 19,5 pontos, seguido dos dois chineses, Ding Liren, com 18,5 e Wei YI, com 16,5.

Os dois russos, Sergei Karjakin e Ian Nepomniachtchi, ambos com 15,5 pontos, realizaram uma prova muito irregular, muito abaixo do esperado, e apenas o semi-retirado ex-campeão mundial búlgaro, Veselin Topalov, com 11,5 pontos e o estreante egípcio, Bassem Amin, com 10,5, fizeram pior.

2
1