www.publico.ptpublico.pt - 17 abr 14:52

Recuperação de olaria em Coimbra ganha prémio Vilalva

Recuperação de olaria em Coimbra ganha prémio Vilalva

O júri atribuiu ainda uma menção honrosa à reabilitação da Livraria Lello no Porto e a um projecto que recupera letreiros impressos e luminosos em Lisboa.

A reabilitação do edifício da Cerâmica Antiga de Coimbra, que chegou a estar em risco de demolição em 2003, é o vencedor da última edição do Prémio Maria Tereza e Vasco Vilalva, atribuído pela Fundação Calouste Gulbenkian e que tem o valor monetário de 50 mil euros. O projecto, feito em co-autoria pela arquitecta Luísa Bebiano e pela dupla Carlos Antunes e Desirée Pedro, do Atelier do Corvo, voltou a pôr a trabalhar uma olaria familiar na Baixa de Coimbra.

Como explicou a arquitecta Luísa Bebiano ao PÚBLICO, o projecto reabilitou uma fábrica artesanal da sua família e "baseou-se na conversão de todo o edifício num espaço museológico de arqueologia industrial, mantendo em paralelo a continuidade da laboração da cerâmica artesanal”. Ao mesmo tempo, “criou um serviço de restauração capaz de estabelecer uma relação entre a cidade, o público e a própria fábrica”.

A Cerâmica Antiga de Coimbra, criada em 1824, é considerada a última olaria tradicional de faiança em funcionamento em Portugal. Na zona histórica de Coimbra onde se situa, próximo da Rua dos Oleiros, chegaram a existir 14 olarias de faiança, com a última meia dúzia a funcionar ainda em meados do século XX. Hoje, já só resta a fábrica da família Bebiano, explica a arquitecta, mas o espólio das que fecharam foi transitando para a Cerâmica Antiga de Coimbra, como era tradição, incluindo a bandeira dos oleiros, que identificava o ofício nas procissões e que a arquitecta acredita datar do século XVIII. Foi também a riqueza deste material que emprestou ao projecto uma vertente de musealização. 

Segundo o comunicado da Gulbenkian que anuncia o prémio, o júri destacou “a pertinência de uma intervenção no Terreiro da Erva, uma zona da cidade de Coimbra com sinais de degradação evidente e marcada por uma certa marginalidade”, bem como o carácter “familiar do projecto” e a sua “escala humana”, à margem das grandes empresas. 

“O edifício foi sendo construído de uma forma orgânica pelos artesãos ao longo dos tempos e a nossa missão foi perceber o que era importante manter ou depurar”, afirma a arquitecta. "O grande desafio foi restaurar não fazendo um projecto demasiado interventivo para que pareça às pessoas que visitam o espaço que ele sempre foi assim.” Num edifício feito com paredes exteriores em pedra, cobertas de reboco tradicional, e um interior erguido em madeira, uma das intervenções necessárias, conta a arquitecta, foi separar o espaço da olaria do restaurante, o que é conseguido através de uma parede de madeira que recorre a grandes envidraçados.

O júri da 11.ª edição deste prémio dedicado à preservação e recuperação do património atribuiu ainda uma menção honrosa ao projecto Letreiro Galeria, dedicado à recuperação e estudo dos letreiros impressos e luminosos em Lisboa, e outra à reabilitação e conservação da Livraria Lello, no Porto. O júri é constituído por António Lamas, Raquel Henriques da Silva, Gonçalo Byrne, Santiago Macias, Luís Paulo Ribeiro e Rui Vieira Nery.

5
1