observador.ptobservador.pt - 17 abr 06:29

Detidos 4 empresários que retiraram a farda a um trabalhador acidentado para ninguém saber que pertencia à empresa

Detidos 4 empresários que retiraram a farda a um trabalhador acidentado para ninguém saber que pertencia à empresa

O trabalhador sofreu o acidente ao operar uma empilhadora para a qual não tinha formação para utilizar. Colegas terão levado o ferido para o hospital e no caminho retiraram-lhe a farda da empresa.

Quatro empresários foram detidos em Espanha por homicídio negligente de um trabalhador de uma empresa de montagem e instalação de infraestruturas, segundo avança o El País. A vítima de 42 anos ficou ferida com gravidade ao operar uma empilhadora elétrica e os colegas terão tentado ocultar que se tratava de um trabalhador da empresa ao lhe removerem a farda no caminho para o hospital.

O caso passou-se na localidade de Chiclana de la Frontera, em Cádiz, e remonta a 17 de julho de 2018. Segundo a Guarda Civil espanhola, responsável pela investigação, o trabalhador ficou preso no sistema de elevação da máquina. A vítima não dispunha de formação adequada para utilizar o equipamento nem vestuário de segurança. No seguimento dos ferimentos, um administrador e um trabalhador da empresa levaram o colega para um centro médico num carro particular.

Pelo caminho, ambos “despiram-lhe a farda de trabalho, que tinha o logótipo da empresa, para não despertar suspeitas e assim evitar responsabilidades”, esclarece a Guarda Civil espanhola. A vítima acabou por falecer horas depois, no Hospital Universitário de Puerto Real, para onde havia sido transferido dado a gravidade dos ferimentos.

Na altura, os arguidos alegaram que o trabalhador tinha sofrido uma queda fora do horário de trabalho e a família da vítima apenas recebeu uma pensão de morte por contingências comuns.

Numa investigação iniciada em janeiro deste ano, a Guarda Civil espanhola provou que “o falecimento do trabalhador se deveu à falta de formação para operar a maquinaria que estava a utilizar”.

A operação, denominada Fenwich (nome pelo qual é conhecida a empilhadora) procurou reconstruir os eventos e concluiu também que o operador não dispunha de farda adequada para utilizar a máquina. Esta foi apenas uma das várias irregularidades que os agentes responsáveis pela investigação detetaram na empresa, em colaboração com a Inspeção Geral de Trabalho. A vítima não estava inscrita na Segurança Social, assim como os restantes trabalhadores da empresa, e a administração não dispunha de planos de segurança ou evacuação. A Guarda Civil considerou que a empresa revelava “desprezo” pelas normas de segurança vigentes.

Os quatro empresários foram detidos no final do mês de março e libertados pouco depois com julgamento pendente. Estão acusados de homicídio negligente e atentado aos direitos dos trabalhadores. Enfrentam ainda sanções da Inspeção Geral de Trabalho e da Segurança Social pelas irregularidades detetadas e uma multa da Gerência Urbana de Chiclana.

O fim da investigação policial permitiu à esposa e aos filhos da vítima regularizar as pensões de viuvez e orfandade.

4
1