sol.sapo.ptMaria Eugénia Leitão - 17 abr 12:26

«1080 likes uma mão cheia de nada!»

«1080 likes uma mão cheia de nada!»

Em mais uma frase nos muros de Lisboa, o Velho do Restelo, fazendo jus ao nome, critica o novo e o moderno, afirmando: “1080 likes uma mão cheia de nada!”.

Conseguir 1080 likes num post no Facebook não é, para uma pessoa comum, tarefa fácil. Para os “famosos” (artistas, celebridades, personalidades conhecidas), este número até é pouco. Mas, para todos, é bem verdade o que diz a frase – esses likes são “uma mão cheia de nada” e, como acrescentava Irene Lisboa, “outra de coisa nenhuma”. São puro vazio. Mas um vazio que afaga o ego, que nos dá a sensação de não estarmos sós, que cria a ilusão de que há outros à nossa volta que se preocupam connosco, com o que escrevemos, com o que partilhamos, com a imagem que transmitimos de nós. Ao vermos o número de likes aumentar, sentimos que faz algum sentido aquilo que colocámos online.

Muitas pessoas usam o Facebook para partilhar a sua opinião sobre o estado do País, sobre acontecimentos políticos atuais e trocar impressões, sobre esses temas, com as pessoas que conhecem, como se estivessem numa tertúlia. Outras pessoas usam o Facebook para divulgar fotografias das viagens que fazem, partilham com quem não vai algumas imagens daquilo que veem e consideram ser importante dar a conhecer. Pessoas há, igualmente, que aproveitam para, no Facebook, retomar contacto com parentes distantes ou para saber como estão ou o que fazem as pessoas de quem gostam. Há, também, quem recorra ao Facebook para publicar textos que, muitas vezes, poderiam figurar como crónicas num jornal; textos demasiado sucintos para serem publicados em papel; poemas; capítulos de uma prosa que um dia se torna livro. Há, ainda, quem veja o Facebook como um meio para anunciar datas de lançamentos de livros, conferências, exposições, concertos… Há quem faça tudo isto em diferentes momentos. E, depois, há aqueles que utilizam o Facebook de forma abusiva, para empolar situações, criar quezílias, armar uma batalha em torno de um assunto de que discordam ou sentem que devem defender quase com a própria vida.

Em qualquer dos casos, importa que os utilizadores desta chamada «rede social» saibam e tenham consciência de que a vida vive-se lá fora, fora do ecrã, fora das paredes onde consulta o computador ou o telemóvel e, muitas vezes, fora de si. Um abraço transmite calor e cheiro, um beijo indica proximidade, um sorriso transporta empatia. E, como avisa poeticamente Tolentino Mendonça: «Mesmo que faça frio / não aproximes do fogo / um coração de neve.»

Não há nada como a vida, aquela a que passou a chamar-se «vida real», a única que efetivamente existe e da qual cada um de nós é o protagonista, e que, em época de Páscoa, assume promessa de renovação e de esperança.

Tendo consciência disto, somos capazes de relativizar o que é dito no Facebook ou em qualquer outra aplicação e articulá-lo com a vida quotidiana, em que, se pudéssemos, por vezes, não colocaríamos like, mesmo sabendo que os aspetos negativos também fazem parte da vida e nos ajudam a equacionar devidamente e equilibrar o que nos acontece. Como diz Tolentino Mendonça: «Nem sempre a sombra é o contrário da luz, como a árdua fadiga de viver não é o contrário da felicidade. São etapas do mesmo rio que corre». Importa, pois, ter consciência desta verdade, em todos os momentos da vida, no meio de tanta revolução, da nossa liberdade e dos beijos que trocamos.

3
1