www.publico.ptnsousa@publico.pt - 16 abr 14:26

Bruno Fernandes, personalidade ao quadrado

Bruno Fernandes, personalidade ao quadrado

Até já tinha começado a escrever sobre outro tema quando me detive em frente à televisão, na noite de segunda-feira, para ouvir falar Bruno Fernandes. E bastaram alguns segundos para decidir mudar de rota. Com a &e

Até já tinha começado a escrever sobre outro tema quando me detive em frente à televisão, na noite de segunda-feira, para ouvir falar Bruno Fernandes. E bastaram alguns segundos para decidir mudar de rota. Com a época na fase decisiva, o porta-estandarte do Sporting optou por aceitar o convite da SportTV para uma conversa tão descontraída quanto livre de amarras e tabus. Uma raridade nos dias que correm.

Já conhecíamos o Bruno Fernandes desinibido dos relvados, senhor de um talento ímpar, ao qual ao longo dos anos foi acrescentando espessas camadas de maturidade, entendimento do jogo e lucidez na tomada de decisão. Semana após semana, a personalidade de um médio invulgar, que precisou de convencer primeiro além-fronteiras para despertar atenções intramuros, tem arrebatado o verdadeiro adepto de futebol, aquele que aceita que a verdadeira arte não tem cor. E para esse efeito magnético tem também contribuído o capital de confiança de que goza o jogador nesta fase transcendente da carreira.

Pois bem, essa confiança não se mede somente em remates, dribles, passes milimétricos ou recuperações de bola. Sente-se também no discurso, mesmo quando as coisas não correm de feição. Ou, especialmente, quando as coisas não correm de feição. Porque é nos momentos de aperto que é preciso ter a coragem de assumir o diagnóstico para estimular a cura.

Em diferentes momentos da época, Bruno Fernandes tem tido esse rasgo de frontalidade. Teve-o, por exemplo, quando reconheceu que a equipa precisava de fazer uma introspecção profunda e olhar menos para fora. “A nossa exibição não esteve à altura do que se exigia e é tempo de cada um fazer uma reflexão e pensar naquilo que está a fazer mal”, exortou, depois da derrota com o Benfica para o campeonato. Ou, meses antes, quando abordou da seguinte forma a derrota em Portimão: “Não temos de nos desculpar com o desgaste dos jogos e das viagens. Sabíamos desde o início da temporada que iríamos jogar à quinta-feira e ao fim-de-semana e estávamos preparados para isso.”

Este é o tipo de avaliação que, de tão frontal e incisiva, acaba por causar estranheza aos que apreciam o culto da desresponsabilização e vislumbram fantasmas à espreita em cada esquina. Num país tão acostumado à crítica gratuita e a dedos em riste, mais do que ignorar, muitas vezes despreza-se a lucidez e a análise desinteressada. A habilidade, no fundo, de pensar pela própria cabeça.

Para essa franja de adeptos, talvez tenha sido incómodo ouvir Bruno Fernandes, perante as câmaras de TV, tecer agora elogios a João Félix (e eleger o golo do colega de profissão frente ao V. Setúbal como o melhor da jornada) ou assumir que não deixou o Sporting no final da época passada porque ainda não se sentia preparado para um campeonato com a intensidade da Premier League ou da Liga espanhola. Ou, ainda, fazer uma descrição laudatória dos rivais, enumerando-lhes os pontos fortes ao mesmo tempo que reconhecia que a actual ordem da classificação não pode ser posta em causa.

Num futebol tantas vezes adormecido, no plano do debate, à luz de respostas pré-formatadas e com a substância (leia-se, peso) de uma placa de esferovite (salvo honrosas excepções), o pontapé de Bruno Fernandes no status quo é muito bem-vindo. Especialmente porque tem a assinatura de alguém que se distingue pelo fascínio que sente pelo jogo, e que o leva a estudar os detalhes que fazem a diferença com uma lente ampliadora.

O abanão de um futebolista deste calibre, que usa a mesma clarividência dentro e fora do campo, é algo que devemos acarinhar como precioso. É que, na linha do impulso demolidor que tem dado à equipa do Sporting, Bruno Fernandes pode muito bem contribuir para outra causa: a de resgatar a liberdade de expressão dos jogadores.

4
1