www.sabado.ptleitores@sabado.cofina.pt (Sábado) - 15 abr 09:00

A massagista e Berardo: a mesma luta

A massagista e Berardo: a mesma luta

O assassinato de uma massagista tailandesa, o processo de três bancos contra Joe Berardo, os mais de 900 mil processos a entupirem os tribunais, as vendas-recorde de malparado, tudo isto, o legal e o ilegal, tem uma coisa em comum: a dívida. A batalha na sociedade portuguesa está ao rubro - Opinião , Sábado.

No passado dia 5 de abril um empresário de Sintra foi espancado por um grupo de homens. No mesmo dia, a polícia deteve a alegada assassina de uma mulher, cuja cabeça decapitada tinha aparecido numa praia há um mês em Leça. Estes dois crimes tinham uma coisa em comum: uma dívida. O empresário foi acossado pelo tipo de cobradores à margem da lei que vemos no filme São Jorge, de Marco Martins. E a presumível assassina, massagista, matou a compatriota tailandesa porque esta não parava de lhe exigir o pagamento de uma dívida - um caso mais invulgar, mas não inaudito, de um cobrador que acaba executado.

Quem fizer uma pesquisa breve na Internet percebe que crimes por causa de dívidas não são coisa rara. Os casos variam muito: os funcionários do fisco que venderam ilegalmente dados de contribuintes a cobradores; o empresário de Porto de Mós espancado na rua por um gerente de loja por causa de uma dívida de 130 euros; o advogado torturado com um martelo e assaltado por causa de uma dívida de 3 milhões de euros a um empresário; o empresário morto a tiro em Braga com a família a suspeitar de uma cobrança que correu mal. Estes são alguns casos apenas desde 2015 - e poderia continuar.

Assine já a edição digital por 1€  para ler o artigo na íntegra ou encontre-o na edição em banca a 11 de abril de 2019.

Se já é assinante, leia o artigo diretamente no ePaper da SÁBADO .    

3
1