visao.sapo.ptvisao.sapo.pt - 17 mar 07:00

Vinhos Discórdia: Um exemplo, no Alentejo

Vinhos Discórdia: Um exemplo, no Alentejo

As novas colheitas confirmam a aptidão das terras de Mértola para produzirem vinhos de qualidade. A opinião do crítico gastronómico da VISÃO Se7e, Manuel Gonçalves da Silva, sobre os vinhos Discórdia, produzidos na Herdade Vale d’Évora

Há muitos e bons vinhos em todo o território do Alentejo, que é vastíssimo e quase plano, tendo pelo meio raras e modestas elevações geradoras de microclimas especialmente propícios ao cultivo da vinha. O vinho produzido na região tem identidade própria, reconhecível através da designação Vinho Regional Alentejano. A região inclui, ainda, oito sub-regiões com área geográfica correspondente a Denominação de Origem Controlada (DOC) Alentejo: Borba, Évora, Granja-Amareleja, Moura, Portalegre, Redondo, Reguengos e Vidigueira.

Fora deste elenco, Mértola tem passado na produção de vinho, desde tempos muito remotos, mas não teria presente se não fossem três ou quatro projetos a darem-lhe vida, como é o caso da Herdade Vale d’Évora, em pleno Parque Natural do Vale do Guadiana. A paisagem belíssima, embora agreste, com solo xistoso e terra magra e rude, quente e seca, apesar do Guadiana, que ziguezagueia por ali, atraiu o empresário Paulo Alho, por causa da caça, de que é fã. Em 2007, adquiriu a herdade, com 550 hectares; em 2009, plantou 10 hectares de vinha; em 2012, iniciou a produção de vinho, sob controlo do enólogo Filipe Sevinate Pinto, chamando-lhe Discórdia por não ter conseguido autorização para lhe dar um nome com a palavra Évora; em 2016, juntou-se ao projeto, como sócio, Vítor Pereira, engenheiro civil, gestor e também caçador e amigo de longa data. As vinhas têm produtividade relativamente baixa (4 a 5 toneladas por hectare); os vinhos, que se pretendiam “de raça, muito autênticos e com carácter”, no dizer do enólogo, têm o “selo de origem de Mértola”, como ele também preconizava. Vale a pena conhecer.

Discórdia Alentejano Branco 2017
Três das melhores castas brancas portuguesas, Arinto, Verdelho e Antão Vaz, deram as uvas com que foi feito este vinho de aspeto brilhante, cor citrina, aroma intenso com notas de frutos tropicais e de flor de laranjeira, paladar cheio com agradável presença da fruta madura e boa acidez. Gastronómico q.b. €8

Discórdia Alentejano Tinto 2016
Quatro castas (Touriga Nacional, Alicante Bouschet, Touriga Franca e Syrah) para um tinto agradável de cor granada, aroma franco com boa presença de frutos vermelhos frescos, paladar cheio, estruturado e guloso. Um vinho para momentos descontraídos, como os das refeições do dia a dia. €9

Discórdia Reserva Alentejano Tinto 2015
Feito com uvas das castas Touriga Nacional, Alicante Bouschet, Touriga Franca e Syrah, tem cor granada profunda, aroma complexo, intenso e limpo, com notas frutadas, paladar estruturado e envolvente, excelente acidez e final elegante, fresco e longo. €14,70

9
1