www.publico.ptpublico@publico.pt - 14 mar 21:08

“A minha etnia não é uma fantasia de Carnaval”: compreendo a indignação da Cristiana e concordo

“A minha etnia não é uma fantasia de Carnaval”: compreendo a indignação da Cristiana e concordo

A resposta da presidente da Câmara Municipal do Marco de Canaveses, Cristina Vieira, ao texto de Cristiana Xia Wu sobre o desfile de Carnaval em que pessoas estavam aparentemente vestidas de “chineses”.

Li atentamente o texto publicado no P3 e devo dizer que no essencial estou de acordo com Cristiana Xia Wu: “O racismo está tão interiorizado que actos que deviam ser considerados como sendo tal, não são”, diz ela e subscrevo eu, Cristina Vieira, presidente da Câmara Municipal do Marco de Canaveses.

Contextualizando, no seguimento do desfile de Carnaval do agrupamento de escolas de Marco de Canaveses, que percorreu as ruas da cidade a 1 de Março de 2019, foram inadvertidamente publicadas pelo município fotografias de um grupo que desfilou com recurso a uma caracterização específica, generalizadamente associada à cultura chinesa, e considerações, também infelizmente generalizadas, de carácter mais grave, assentes em preconceitos que podem ser tidos como xenófobos e racistas. Este acontecimento levou à manifestação de indignação pública e justa da Cristiana.

Acredito que qualquer preconceito tem por base o desconhecimento, a incompreensão do outro, porventura a desinformação propagada pelas fake news e os instrumentos que as divulgam. Também assim é no preconceito pela cor da pele, da religião, da nacionalidade ou pelas relativas diferenças culturais. Não são portanto justificados estes preconceitos, nem toleráveis. Cabe-nos, enquanto comunidade, caminhar para a não-aceitação destes comportamentos e estar mais atentos à não-interiorização deste preconceito, evidenciado neste episódio como noutros sobre os quais tem caído a discussão sobre racismo e xenofobia. 

Temos do nosso país a imagem de integradores e acolhedores, e é assim que somos vistos internacionalmente, algo extraordinário que deve motivar-nos a aceitar melhor as diferenças. Somos também um país com imensa comunidade emigrante espalhada pelo mundo. Toleraríamos se este tipo de preconceito fosse colocado nos termos em que foi se fosse com a nossa comunidade? Eu não aceitaria.

A procura por melhores condições de vida, por outros contextos sociais, faz parte da nossa condição humana — a aceitação disso deve ser compreendida como natural. A procura de várias centenas de milhares de portugueses por melhores condições de vida é histórica e verificou-se ao longo dos séculos a instalação de portugueses em França, Alemanha, Brasil, EUA, Angola, em quase todos os países do mundo, inclusive a China. Foi também natural para muitos marcuenses, embora resultado de decisões pessoais que reconhecemos como muito difíceis.

“Neste sentido a instituição pública a que presido não pode, obviamente, ser condescendente com o racismo, com a xenofobia, nem com qualquer acto a este associado. Não nos movemos em função da cor da pele, da religião ou da nacionalidade. Pelo contrário, esta autarquia quer contribuir para informar os estudantes nas escolas do nosso concelho sobre a atitude perante outras culturas e as migrações.”

Neste sentido a instituição pública a que presido não pode, obviamente, ser condescendente com o racismo, com a xenofobia, nem com qualquer acto a este associado. Não nos movemos em função da cor da pele, da religião ou da nacionalidade. Os nossos actos não implicam atitudes, opiniões, capacidades ou emoções contrárias à multiculturalidade. Pelo contrário, esta autarquia quer contribuir para informar os estudantes nas escolas do nosso concelho sobre a atitude perante outras culturas e as migrações. Fazemo-lo noutros âmbitos e gostaríamos muito de fazê-lo com a Cristiana. Lendo o seu testemunho, acreditamos que seria o interlocutor ideal para apresentar nas nossas escolas a cultura chinesa, que é a de origem dos seus pais e da sua, influenciada por características culturais chinesas e portuguesas.

Mais populares
  1. A carregar...

Não existem, nem podem ser inventados, factos para uma invasão chinesa inexistente na história de Portugal. Segundo dados de 2017 do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, a comunidade imigrante chinesa no nosso país é apenas a quinta. É igualmente um facto que a sátira carnavalesca não funcionou, e a ser feita deveria incidir no preconceito cultural, e ironizar sobre as suas consequências e autores. 

7
1