observador.ptobservador.pt - 14 fev 07:09

Donald Trump. Democratas pedem ao FBI que investigue contratação de ‘ilegais’

Donald Trump. Democratas pedem ao FBI que investigue contratação de ‘ilegais’

Os democratas pediram uma investigação aos ex-funcionários da Organização Trump "que mostram possíveis violações das leis civis e criminais", dado que 20 dizem ter trabalho sem documentos.

Congressistas democratas pediram na quarta-feira ao diretor do FBI que investigue a Organização Trump — do Presidente dos Estados Unidos — por ter usado pelo menos uma vintena de trabalhadores latino-americanos sem documentos nos seus campos de golfe.

“Estamos a escrever para pedir uma investigação federal completa sobre as alegações preocupantes de ex-funcionários da Organização Trump que mostram possíveis violações das leis civis e criminais”, afirmaram numa carta o grupo de congressistas, enviada a Christopher Wray.

O documento foi remetido pelo deputado Raul Grijalva e assinado por Yvette D. Clarke, Nydia Velazquez, Joseph Kennedy III, Andre Carson, Darren Soto, Jimmy Gomez, Bonnie Watson Coleman e Tom Malinowski.

Cerca de vinte ex-funcionários dos campos de golfe de Trump em Westchester (Nova Iorque) e Bedminster (Nova Jersey) afirmaram terem trabalhado sem documentos para as empresas do Presidente dos EUA.

De acordo com uma investigação realizada pelo The Washington Post, a direção do clube de Bedminster, que Trump frequenta nos fins de semana de verão, contratava funcionários originários da Costa Rica, El Salvador, México e Guatemala que viviam no bairro de classe operária Bound Brook, em Nova Jersey, e que antes do amanhecer eram colocados em carrinhas para irem trabalhar para o campo de golfe todas as manhãs.

Abusos na Igreja

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
4
1