observador.ptobservador.pt - 14 fev 08:25

Rede 8 de março organiza “protestos ruidosos” contra violência doméstica em cinco cidades

Rede 8 de março organiza “protestos ruidosos” contra violência doméstica em cinco cidades

Associação lembra que "uma parte significativa dos e das jovens não reconhece situações tipificadas como violência". Estão previstas manifestaçõe para o Porto, Braga, Coimbra, Aveiro e Lisboa.

A rede 8 de março, um coletivo de organizações feministas, promove esta quinta-feira, Dia dos Namorados, “protestos ruidosos”, em cinco cidades do país, contra o silenciamento da violência doméstica, pelas vítimas, mas também contra a violência no namoro.

Os protestos estão previstos para o Porto, para Braga, para Coimbra, para Aveiro e para Lisboa. No Porto haverá uma ação de sensibilização e de ‘visibilização’ sobre violência doméstica, “por todas [as mulheres] que tombaram, por todas as que sobreviveram, por todas as que vivem este inferno”, segundo um comunicado da organização.

O coletivo de organizações feministas lembra que esta quinta-feira é o Dia dos Namorados e aponta que há estudos sobre violência no namoro que demonstram que “uma parte significativa dos e das jovens não reconhece situações tipificadas como violência”, alertando que “a violência se encontra ainda perfeitamente naturalizada e legitimada”.

É um sinal de alarme que deve soar bem alto, porque estes dados revelam que os comportamentos abusivos começam desde muito cedo”, destacam, lembrando que neste ano já foram assassinadas 10 mulheres em Portugal.

Defendem que “nenhum país decente pode encolher os ombros perante uma tragédia que a cada dia soma mais vítimas” ou “pode considerar normal que 85% das queixas sejam arquivadas”.

A Plataforma rede 8 de março existe desde 2011 e integra mais de 30 associações e sindicatos que têm como objetivo organizar uma greve feminista nacional no Dia Internacional da Mulher, que se assinala no dia 8 de março, com manifestações por todo o país, à semelhança do que aconteceu no ano passado em Espanha.

Abusos na Igreja

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
5
1