observador.ptobservador.pt - 13 fev 18:56

Brexit: Ford pressiona May para evitar saída sem acordo

Brexit: Ford pressiona May para evitar saída sem acordo

A empresa americana manifesta a Theresa May que irá reagir no caso da saída acontecer sem o acordo, contudo, ainda é cedo para dizer quais são as medidas que vão ser tomadas.

O construtor automóvel Ford, que emprega 13.000 pessoas no Reino Unido, está a pressionar a primeira-ministra britânica para evitar um ‘Brexit’ sem acordo com a União Europeia (UE), disse esta quarta-feira à AFP fonte próxima do dossiê.

A empresa norte-americana apresentou recentemente a Theresa May medidas que pondera tomar caso se concretize uma saída britânica da UE sem acordo, adiantou a fonte, que pediu anonimato.

Todas as opções estão em cima da mesa, incluindo uma transferência da produção do Reino Unido para outro país europeu, mas ainda é cedo para dizer quais as medidas que vão ser tomadas, acrescentou.

“Pedimos desde há muito ao Governo e ao Parlamento britânicos para trabalharem juntos no sentido de evitar que o país deixe a UE sem acordo”, disse uma porta-voz do grupo.

Uma saída sem acordo seria “catastrófica para a indústria automóvel britânica e para as operações de produção da Ford no país”, acrescentou.

“Estamos a tomar todas as medidas necessárias para preservar a competitividade da nossa atividade europeia. Hoje, não temos nada para anunciar”, disse a porta-voz.

No passado dia 24 de janeiro, a Ford indicou que um ‘Brexit’ sem acordo lhe custaria 800 milhões de dólares.

Esse custo inclui o abrandamento económico esperado, a descida da libra e o restabelecimento de direitos aduaneiros entre o Reino Unido e a UE, explicou o construtor.

A Ford, que tem 54.000 empregados na Europa, pode suprimir mais de mil empregos no Reino Unido, onde fabrica principalmente motores.

Abusos na Igreja

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
4
1