observador.ptobservador.pt - 13 fev 18:55

Estes sapatos são racistas? Katy Perry teve que retirá-los do mercado

Estes sapatos são racistas? Katy Perry teve que retirá-los do mercado

Depois da Prada e, mais recentemente, da Gucci, é a vez de uma peça com assinatura da cantora Katy Perry ser retirada do mercado, acusada de evocar uma "cara negra".

Depois da camisola de 785 euros da Gucci que fez notícia a semana passada, eis que o figurino da polémica fica ainda mais composto. Agora o alvo é um par de sapatos lançados pela cantora Katy Perry e entretanto retirados do mercado. Tudo porque os modelos Ora Face Block Heel e Rue Face Slip-On Loafers fariam alusão, a julgar pelas críticas, ao rosto de uma negra.

O design das peças, retiradas da Katy Perry Collections, datam do verão de 2018, tendo a associação a este estereótipo negativo explodido apenas esta semana — graças ao destaque que lhes foi dado pela cantora Masika Kalysha e, muito provavelmente, pelo embalo que a controvérsia Gucci trouxe

A cerimónia dos Grammys foi uma das mais recentes aparições públicas da cantora, cuja escolha aliás motivou uma série de memes

Os loafers e as sandálias, que se destacam pelos olhos salientes, nariz e lápios encarnados queriam ser vistas como um ponto de encontro com “a arte moderna e o surrealismo”, defendeu a marca, mas aparentemente a mensagem inicial conseguiu ser abafada por algumas vozes, sobretudo numa era em que o tópico “blackface” se afigura mais sensível do que nunca. De tal forma que o calçado acabou mesmo por sair de venda de plataformas como a Dillard.

E se a cantora se mostrou “triste” por esta associação, o caso promete dar que falar, já que as opiniões se vão sucedendo.

Abusos na Igreja

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
3
1