observador.ptobservador.pt - 13 fev 17:32

Apple vai investigar app da Arábia Saudita usada por homens para controlar mulheres

Apple vai investigar app da Arábia Saudita usada por homens para controlar mulheres

O software Absher, desenvolvido pelo governo saudita, permite aos homens vigiar as movimentações das mulheres. A Apple vai verificar a legalidade da aplicação, que está disponível para Android e iOS.

A Apple vai investigar a aplicação criada pelo governo da Arábia Saudita e que permite aos homens controlarem as mulheres da família digitalmente, avançou o presidente da empresa, Tim Cook, à NPR. “Ainda não tinha ouvido falar disto [da Absher] mas obviamente vamos olhar para o caso”, garantiu. A Google ainda não comentou.

A Absher é uma aplicação que traz as leis discriminatórias do país para o mundo virtual. Uma investigação do Insider chamou a atenção para o serviço, que estava disponível para dispositivos iOS e Android há vários anos. Através da Absher, os homens podem controlar as viagens das mulheres da família, receber alertas quando tentam usar o passaporte próprio e restringir as autorizações das esposas (limitando os aeroportos para que podem viajar, por exemplo).

Cada líder de família tem a capacidade de se registar como “guardião” e controlar várias mulheres como “dependentes”. Segundo o governo saudita, a Absher é utilizada por 11 milhões de pessoas — um terço da população do país.

A Amnistia Internacional considerou a aplicação uma reflexo das “práticas sistemáticas de descriminação” da Arábia Saudita, num comentário publicado pelo Washington Post. O Observatorio dos Direitos Humanos pediu diretamente à Apple e à Google que removessem o programa das suas lojas de aplicações.

As leis da Arábia Saudita restringem fortemente os direitos das mulheres, impedindo-as, por exemplo, de casar sem autorização do pai, sair do país sem um acompanhante ou aceitar um emprego sem a aprovação explícita do guardião da família. Só em 2018 as mulheres tiveram permissão para conduzir.

Abusos na Igreja

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
8
1