observador.ptobservador.pt - 12 fev 12:25

Taxas Euribor mantêm-se a três meses, sobem para novo máximo a 6 e caem a 12 meses

Taxas Euribor mantêm-se a três meses, sobem para novo máximo a 6 e caem a 12 meses

As taxas Euribor mantiveram-se a três meses em valores negativos, a -0,308%. A seis meses, a taxa subiu para -0,231%, um novo máximo desde julho, e a 12 meses recuou para -0,110%.

As taxas Euribor mantiveram-se esta terça-feira a três meses, subiram no prazo de seis meses para um novo máximo desde julho e desceram a 12 meses em relação a segunda-feira.

A Euribor a três meses, em valores negativos desde 21 de abril de 2015, manteve-se esta terça-feira pela sexta sessão consecutiva em -0,308%, contra o atual máximo desde julho registado pela primeira vez em 24 de janeiro (-0,306%) e o atual mínimo de sempre, de -0,332%, verificado pela primeira vez em 10 de abril de 2017.

A taxa Euribor a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação e que entrou em terreno negativo pela primeira vez em 6 de novembro de 2015, subiu esta terça-feira para -0,231%, um novo máximo desde julho, mais 0,001 pontos e contra o atual mínimo de sempre, de -0,279%, registado pela primeira vez em 31 de janeiro de 2018.

No prazo de 12 meses, a taxa Euribor, que desceu para valores abaixo de zero pela primeira vez em 5 de fevereiro de 2015, recuou esta terça-feira para -0,110%, menos 0,001 pontos e contra o atual máximo desde julho verificado pela primeira vez em 6 de fevereiro, de -0,108%, e contra o atual mínimo de sempre, de -0,194%, atingido pela primeira vez em 18 de dezembro de 2017.

As Euribor são fixadas pela média das taxas às quais um conjunto de 57 bancos da zona euro está disposto a emprestar dinheiro entre si no mercado interbancário.

Abusos na Igreja

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
3
1