www.publico.ptpublico.pt - 12 fev 06:33

Zouri transforma plástico das praias em calçado

Zouri transforma plástico das praias em calçado

Em Portugal nascem duas novas marcas de calçado por mês. Uma delas, a Zouri, recorreu ao crowdfunding para criar produtos com preocupações 'éticas' e ambientais.

Se o calçado português fosse uma família, a marca criada por Adriana Mano seria um dos benjamins. Mas se a tenra idade da Zouri é algo que todos acarinham, em termos comerciais é também um risco. Qualquer produtor de calçado confirmará que lançar uma marca e fazê-la vingar custa dinheiro, exige 100% de dedicação e até alguma sorte. “É das coisas mais difíceis de fazer”, vaticina Daniel Cardoso, um produtor de Guimarães que gere uma fábrica de 44 funcionários e que trabalha apenas no regime private label, isto é, produz calçado para marcas.

Apesar de a criação de marcas ser um dos maiores desafios comerciais, seja qual for o sector, o calçado nacional empenhou-se fortemente nos últimos oito anos. Desde 2010, nasceram 238 marcas portuguesas, uma média de uma insígnia nova a cada duas semanas. E em 2018, o sector ultrapassou as incertezas que dominaram certos mercados, manteve este ritmo e o pé no acelerador, lançando mais 24 novas marcas.

E nem sempre foram as empresas de maior dimensão e com bolsos mais fundos a conduzir este esforço. Sinal dos tempos e da mudança operada neste sector ao longo da última década, também houve empresas pequenas, novas, que já nasceram globais, como a Zouri, e que abraçaram de imediato a criação de uma marca. Para tal, os fundadores foram buscar financiamento ao crowdfunding, mostrando que também esta indústria tem pessoas alinhadas com as novas formas de gerar e alimentar negócios, renovando caminhos num sector em que muitas empresas evoluíram dentro de uma família, passando de pais para filhos, de geração em geração. 

A inovação da Zouri assenta nessa nova forma de fazer vingar um negócio e nos três pilares do produto e da marca: é calçado vegan, porque não usa material de base animal nas sandálias ou sneakers; é ambientalmente sustentável, porque usa materiais certificados (como algodão orgânico) e, sobretudo usa plástico recolhido em praias como matéria-prima; e um terceiro pilar que uma das fundadoras, Adriana Mano, define como “a questão ética”.

“Temos a preocupação ambiental, mas também com o comércio justo. Com uma produção totalmente local, estamos a incentivar a criação ou manutenção de postos de trabalho cá, numa lógica de justiça social, porque sabemos que quem faz o nosso produto não é explorado”, explica Adriana, que fundou a marca em 2017, com um sócio que entretanto se desligou da Zouri.

PÚBLICO - Foto Adriana Mano, fundadora da Zouri, uma empresa "com preocupações de justiça, éticas e ambientais" Nelson Garrido

Adepta do mar e do ambiente, Adriana burilou durante meses a ideia de usar plástico recolhido nas praias para fazer calçado. O projecto foi tomando forma com a ajuda de um sócio que entretanto se afastou, mas pelo caminho foi preciso resolver questões práticas, como por exemplo descobrir uma forma de poder reutilizar o plástico das praias no calçado.

“No início, pensámos que isso seria o mais difícil. Batemos à porta da Universidade do Minho, que não ajudou na questão técnica, mas que impulsionou a nossa proposta comercial quando ganhámos um concurso de ideias”, conta. A solução acabaria por surgir na indústria, após muitos contactos com fornecedores, um dos quais percebeu o conceito e mostrou que era possível fazer essa reutilização.

Em 2018, após a primeira recolha de plástico nas praias de Esposende, a cadeia de abastecimento parecia montada. Mas surgiu outro imprevisto. “Muita gente não sabe distinguir o que é plástico”, concluiu Adriana, que se viu com uma tonelada de entulho para processar, mas antes disso teve de separar outro tipo de lixo tirado das praias e que não era plástico.

Ultrapassado o percalço, a Zouri lançou-se na produção. Em vez de importar gáspeas (como é hábito no sector), escolheu fazer tudo em Portugal, uma opção que encarece em 100% o custo de produção, diz Adriana. Sem canal de distribuição, abriu uma angariação de fundos na plataforma Indiegogo.

Em dois tempos, conseguiu o objectivo, 20 mil euros, para 900 pares de sandálias, cujo preço de venda traduz a produção mais onerosa. “Esta indústria importa matéria-prima ou componentes do calçado, para controlar custos. Nós não fomos por aí e isso reflecte-se no preço. Penso que temos de ser pedagógicos nessa matéria. O cliente tem de compreender que não compra calçado desta natureza por 25 euros”, salienta Adriana.

“O nosso calçado é 100% produzido em Portugal, os materiais são locais, exceptuando aqueles que não existem cá, como o 'pinatex', que é feito a partir da fibra da folha do ananás”. É produto vindo das Filipinas, usado na linha de calçado desportivo entretanto lançada e que faz lembrar umas Sanjo ou umas Converse, e que incluem 30% de plástico tirado das praias.

A empresária anda à procura de alternativas, como o ananás dos Açores, para reduzir a pegada de carbono no transporte. Até lá, vai continuar a investir o tempo livre neste projecto – que mostra, numa escala pequena, como o tecido empresarial se modernizou e enveredou por caminhos que não seriam opção dez anos antes.

1
1