www.jornaldenegocios.ptjornaldenegocios.pt - 12 fev 12:48

Serviços travaram a fundo no final de 2018

Serviços travaram a fundo no final de 2018

O índice de volume de negócios dos serviços travou a fundo em dezembro, tendo crescido apenas 0,2% face ao mesmo mês de 2017. O alojamento e a restauração cresceram a bom ritmo, mas não foi o suficiente.
A atividade dos serviços está a abrandar. O índice de volume de negócios dos serviços travou a fundo em dezembro, mostram os dados publicados esta terça-feira, 12 de fevereiro, pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). Depois de ter crescido 5,1% em outubro, o ritmo caiu para 2,3% em novembro e para apenas 0,2% em dezembro.

Os dados mostram que os serviços de alojamento e restauração tiveram um crescimento expressivo (9% em termos homólogos), mas este não foi suficiente para segurar o índice agregado. O comércio por grosso e reparação de automóveis foi o tipo de serviço que mais contribuiu negativamente, tendo mesmo apresentado uma contração homóloga do seu volume de negócios de 2%, depois de ter crescido 1,8% em novembro.

Em termos trimestrais, a desaceleração também é visível no final de 2018, com o índice de volume de negócios a crescer apenas 2,5% em termos homólogos, quando no terceiro trimestre tinha avançado 5,6%.

O ano de 2018 também foi todo ele mais fraco do que 2017, embora o crescimento ainda tenha sido relevante: o volume de negócios dos serviços aumentou 5%, depois de já ter crescido 6,7% em 2017.

Emprego cresce menos, mas salários crescem mais

No conjunto de 2018, o emprego nos serviços cresceu menos do que o que tinha sido verificado em 2017. A subida foi de 0,7%, contra os anteriores 1,4% de aumento, em termos ajustados de calendário. 

Ainda assim, as remunerações por pessoa ao serviço e por hora trabalhada aumentaram 3% e 2,9%, respetivamente, no ano passado. Esta subida ficou acima do que se tinha verificado em 2017, quando os aumentos tinham sido de 1,5% e 2,3%.

Já em dezembro a viragem do ciclo económico parece vincada: tanto o emprego como as remunerações baixaram o ritmo de crescimento, tendo apenas subido o número de horas trabalhadas.
3
1