www.dinheirovivo.ptAna Rita Guerra - 12 fev 07:52

Estupidez artificial

Estupidez artificial

A inteligência artificial é criada por humanos. E tal como tudo o resto que nós fazemos, o risco de asneira é tremendo

Durante quase uma hora, um sistema de inteligência artificial debateu esta segunda-feira com Harish Natarajan, diretor de risco económico da .

A própria Google, que tem sido uma das campeãs da IA em Silicon Valley, admitiu pela calada que a inteligência artificial acarreta riscos. “Novos produtos e serviços, incluindo aqueles que incorporam ou utilizam inteligência artificial e aprendizagem de máquina, podem criar ou exacerbar desafios éticos, tecnológicos, legais e outros”, escreveu a Alphabet na adenda de fatores de risco incluída no relatório e contas entregue ao regulador na semana passada. A empresa admitiu que os riscos associados à IA poderão “afetar negativamente” as suas marcas e a procura pelos seus produtos e serviços e ter efeitos adversos nas receitas e resultados operacionais.

A questão ética é das mais importantes, mas não é a única. Existe o risco daquilo a que outros chamaram de “estupidez artificial”, que é o conjunto de erros, preconceitos e falta de ética que os humanos podem imprimir aos sistemas que estão a desenvolver.

Se a IA se vai tornar tão fundamental na vida quotidiana, é preciso garantir que a sua génese cumpre os mais elevados padrões de qualidade. Quem o determina? Pois, esse é o problema.

“Os algoritmos de IA podem ter defeitos. Os conjuntos de dados podem ser insuficientes ou conter informação preconceituosa”, admitiu a Microsoft num documento enviado ao regulador dos mercados no ano passado. “Práticas inapropriadas ou controversas da Microsoft ou outras poderão dificultar a aceitação de soluções IA. Estas deficiências podem minar as decisões, previsões ou análises que as aplicações IA produzem, sujeitando-nos a malefícios competitivos, responsabilidades legais ou problemas na reputação.” Linguagem mais clara era impossível.

As associações que estão a ser formadas aqui e ali para garantir um bom rumo na IA não são vinculativas nem têm poderes para lá dos seus circuitos. Empresas como a IBM, Google, Facebook e Microsoft têm tentado pôr estas questões a descoberto para tentar endereçá-las antes que se tornem ameaças.

São questões que devem ser incorporadas de raiz no pensamento estratégico de qualquer iniciativa de IA, a nível empresarial ou nacional. Portugal tem uma boa oportunidade de se posicionar na linha da frente. Desta vez, o diabo – ou a Skynet – não está apenas nos detalhes.

6
1