www.publico.ptpublico.pt - 10 fev 20:00

Centenas marcharam em silêncio para homenagear vítimas de violência doméstica

Centenas marcharam em silêncio para homenagear vítimas de violência doméstica

A marcha, que terminou em frente à Assembleia da República, partiu de uma iniciativa de um grupo de amigos e conhecidos e foi divulgada através das redes sociais. Durante o ano passado foram assassinadas 28 mulheres em Portugal em contexto de violên

Mais de 400 pessoas marcharam neste domingo em silêncio em Lisboa para expressar solidariedade para com "todos os gritos silenciosos" das vítimas de violência doméstica em Portugal, que já perfazem cerca de uma dezena desde o início do ano.

"Hoje estamos aqui todos reunidos como um puro exercício de cidadania. Procuramos mobilizar as pessoas em torno de uma causa comum, que é uma causa a favor das vítimas e contra a violência", disse, em declarações à agência Lusa, Joana Marques, uma das promotoras da iniciativa que, como a própria fez questão de frisar, não esteve ligada "a nenhum partido político, a nenhum sindicato ou nenhum movimento associativo".

A marcha deste domingo partiu da iniciativa de um grupo de amigos e conhecidos e foi divulgada através das redes sociais, explicou Joana Marques, acrescentando: "Um grupo de cidadãos anónimos que se juntou e resolveu sair de casa, dos seus espaços de reflexão para vir para as ruas, juntamente com vítimas, ex-vítimas, no sentido de marcar uma posição."

"Sentimos que hoje faz todo o sentido estarmos juntos em prol das vítimas. Porque elas vivem todos os dias em silêncio e este silêncio em que elas vivem tem um ruído diário e este ruído, como podem ver, entra na consciência de todos nós", disse a representante, afirmando acreditar que a sociedade portuguesa "é uma sociedade atenta" e que este tipo de iniciativas surte efeito.

O ponto de encontro escolhido para a iniciativa foi o Marquês de Pombal, em plena zona central de Lisboa, e passava alguns minutos das 15h quando a marcha solidária começou a percorrer o trajecto até à Assembleia da República, o ponto de chegada. À frente da marcha, uma faixa preta, adornada com folhas onde se podiam ler frases como "A culpa não é da vítima, é de quem agride", "A violência é a arma dos medíocres", "Quem bate em alguém, agride toda a sociedade" ou "A violência não tem desculpa, tem lei".

Na marcha, que juntou pessoas de todas as faixas etárias, incluindo crianças, também eram visíveis balões pretos, como símbolo de luto pelas vítimas mortais de violência doméstica.

PÚBLICO - A marcha silenciosa em Lisboa A marcha silenciosa em Lisboa ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA PÚBLICO - ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA PÚBLICO - ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA Fotogaleria ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Pouco expressiva ao início, mas mais persistente na recta final da acção, na Assembleia da República, a chuva e vários chapéus-de-chuva também acabaram por integrar a marcha silenciosa, que obrigou ao corte total ao trânsito na zona envolvente. Chegados a São Bento, e junto às escadarias do Parlamento, os participantes permaneceram em silêncio, em sinal de respeito e de solidariedade para com todas as vítimas de violência.

Questionada sobre o que falhou e o que está a falhar actualmente na protecção destas vítimas, Joana Marques referiu que esta iniciativa não teve a pretensão de apontar ou de dizer o que falhou. "Não somos especialistas da área, não temos pretensão de dizer ou de apresentar, neste momento, qualquer tipo de acção ou dizer o que falhou. Sabemos que é uma problemática complexa, abrangente e que envolve muitas pessoas, de todos os estratos sociais", afirmou.

"Esta marcha por si só já tem um poder simbólico muito grande, por isso deixamos aos politólogos, aos especialistas, a quem discute a sociedade civil, para reflectir sobre o poder simbólico que esta marcha hoje está a ter", prosseguiu, adiantando que o mesmo grupo de amigos e conhecidos está a pensar realizar uma nova marcha, também de posicionamento contra a violência e a favor das vítimas, mas desta vez no Porto.

De acordo com o Observatório de Mulheres Assassinadas, nove mulheres foram assassinadas em contextos de violência doméstica desde o início deste ano. Em Janeiro do ano passado, o observatório dinamizado pela UMAR (União de Mulheres Alternativa e Resposta) contava cinco casos.

Durante o ano passado, foram assassinadas 28 mulheres e, ainda segundo o levantamento feito pelo observatório, "503 mulheres foram mortas em contexto de violência doméstica ou de género" entre 2004 e o final de 2018.

Na sexta-feira, após um encontro com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, a presidente da UMAR, Maria José Magalhães, acusou o sistema judicial de falhar na resposta à violência doméstica e pediu a responsabilização de quem não cumpre a lei.

Na quinta-feira, o Governo anunciou a criação de gabinetes de apoio às vítimas de violência doméstica nos Departamentos de Investigação e Acção Penal (DIAP) e um reforço da articulação e cooperação entre forças de segurança, magistrados e organizações que trabalham na prevenção e combate.

Esta foi uma das decisões tomadas numa reunião de trabalho sobre questões críticas associadas aos homicídios ocorridos este ano e à problemática da violência doméstica que juntou vários membros do Governo, a Procuradora-Geral da República, o Coordenador da Equipa de Análise Retrospectiva de Homicídio em Violência Doméstica e a Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género.

Serviços telefónicos de apoio a vítimas de violência doméstica

APAV | Associação Portuguesa de Apoio à Vítima
21 358 7900

UMAR - União de Mulheres Alternativa e Resposta
218 873 005​

Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género
800 202 148​

270
1