www.sabado.ptleitores@sabado.cofina.pt (Sábado) - 14 jan 09:00

Uma lição dura para os professores

Uma lição dura para os professores

É improvável que Costa dê aos professores o que eles reivindicam. Este revés é parte da fatura duradoura da crise, que ainda pesa sobre o Estado. E é, ironicamente para os professores, a contrapartida da força do seu lóbi e da resistência dos seus representantes à mudança na carreira - Opinião , Sábado.

A primeira decisão política para "apagar" o tempo de serviço dos professores e de outras carreiras especiais do Estado foi tomada por um governo do PS no fim de 2010. Ao mesmo tempo que cortava salários, o então ministro Teixeira dos Santos mais do que congelava as progressões – nas carreiras em que estas dependessem dos anos de serviço, o período congelado não seria "contado para efeitos de promoção e progressão".

O governo de Passos Coelho não abriria mão da alínea. Estas decisões políticas duras não obedeciam só à situação de urgência financeira imediata em que o País se encontrava: procuravam controlar, à partida, a detonação de uma bomba de despesa acumulada com progressões por realizar.

Assine já a edição digital por 1€  para ler o artigo na íntegra ou encontre-o na edição em banca a 10 de janeiro de 2019.

3
1