observador.ptobservador.pt - 14 jan 15:34

Elevados níveis de poluição fazem soar alarmes na Ásia

Elevados níveis de poluição fazem soar alarmes na Ásia

Devido ao aumento dos níveis de poluição na Ásia, o departamento de controlo da poluição tailandês anunciou que estão a ser distribuídas cerca de 10 mil máscaras e a pulverizadas águas.

Os elevados níveis de poluição atmosférica estão a aumentar o alarme na Ásia, levando Banguecoque a distribuir máscaras e preparar chuvas artificiais para limpar o ar poluído. Seul está a a reduzir a circulação automóvel e a produção industrial.

Eu admito que estas são soluções temporárias, mas nós temos de fazer isto. Outras medidas de longo prazo também serão implementadas”, referiu esta segunda-feira o general da polícia de Banguecoque, Aswin Kwanmuang, numa reunião do exército, polícia do departamento de controlo da poluição.

Uma nuvem de ‘smog’, uma combinação de poeira de construção, poluição automóvel e outros poluentes, permanece nos últimos dias sobre Banguecoque devido aos padrões climáticos predominantes, levando a qualidade do ar a níveis prejudiciais.

O departamento tailandês de controlo da poluição indicou que estão a ser distribuídas cerca de 10 mil máscaras, que as autoridades estão a pulverizar água para ajudar a assentar a poeira e a reforçar o controlo sobre os horários em que os camiões podem andar nas ruas da cidade.

Os elevados níveis de PM 2,5, partículas minúsculas que podem obstruir os pulmões, devem-se às emissões de gasóleo, explicou aquele departamento. Dois aviões estão a ser preparados para criar chuvas artificiais entre terça e sexta-feira, se as condições forem adequadas.

O problema da poluição do ar na Tailândia tende a aumentar e a diminuir em parte dependendo da época do ano.

Pralong Dumrongthai, chefe do departamento tailandês de controlo da poluição, disse que as soluções de longo prazo incluiriam a mudança para o uso de veículos elétricos e gasolina de melhor qualidade, acrescentando que os padrões climáticos indicam que Banguecoque pode permanecer com má qualidade do ar até três meses.

Também em Seul, capital da Coreia do Sul, registou-se um nível recorde de poluição atmosférica. O índice PM 2.5 atingiu os 188 microgramas por metro cúbico, segundo dados recolhidos por estações de medição na capital sul-coreana.

Este volume é o mais alto registado na cidade desde que as medições começaram em 2015, excedendo o recorde anterior (99 microgramas registados em 25 de março do ano passado) e mais do que sete vezes o nível de 25 microgramas recomendados pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Segundo a agência de notícias Yonhap, a poluição forçou o governo metropolitano a ativar o protocolo por níveis prejudiciais, o que obrigou metade dos carros registados em Seul a não circularem, enquanto o Ministério do Meio Ambiente instruiu as fábricas termoelétricas localizadas perto de Seul a reduzir sua produção para 80%.

O governo central da Índia anunciou no domingo um programa de cinco anos para reduzir a poluição do ar em até 30% em relação aos níveis de 2017 nas 102 cidades mais afetadas do país.

Os principais objetivos incluem a redução da queima de resíduos agrícolas, lenha e carvão, a limpeza da energia térmica e emissões de automóveis e a produção de tijolos, altamente poluente, e controlo da poeira da construção.

2
1