www.sabado.ptleitores@sabado.cofina.pt (Sábado) - 13 jan 01:00

Bastou sair um treinador para deixar de haver os restos de jornalismo que ainda havia

Bastou sair um treinador para deixar de haver os restos de jornalismo que ainda havia

A exclusão social, que nem sempre é económica, alia-se a uma nova forma de exclusão psicológica, acentuada pela crescente solidão tecnológica, e o resultado é o aumento do nível da zanga por baixo da manta da fraca civilidade que já temos - Opinião , Sábado.

Poucas classes profissionais são mais zelosas do carácter de serviço público, e da essencialidade para a democracia do que fazem, do que os jornalistas. E têm toda a razão, só que não praticam e não se dão ao respeito das proclamações que fazem. Bastou sair um treinador para parar todo o "serviço público" e a democracia ir de férias, substituída por horas e horas de especiais de directos, de longas elucubrações sobre quem sai e quem entra para o lugar vazio. Uma hora chegava e nos canais desportivos talvez duas, mas não foram horas, foram dias. E ainda não acabou, aliás nunca acaba. Varre tudo que não seja a bola, num panorama informativo já tão desertificado de tudo o que não faz chorar, rir, enfurecer, culpar.

Assine já a edição digital por 1€  para ler o artigo na íntegra ou encontre-o na edição em banca a 10 de janeiro de 2019.

3
1