observador.ptTelmo Faria - 13 jan 18:08

A discussão do tempo perdido

A discussão do tempo perdido

Há um ano Rio ganhou o PSD - mas não o País. E o problema no PSD é que sem País não há PSD. Se a percepção de se perder o País existir o PSD não vale nada. Esta associação é de uma obsessão objectiva.

Faz exactamente um ano que Rui Rio ganhou o PSD. Ganhou o PSD mas não o País. E o problema no PSD é que sem País não há PSD. Se a percepção de se perder o País existir o PSD não vale nada. Esta associação é de uma obsessão objectiva, que muitos compreendem e talvez alguns ignorem. O PSD foi sempre um “produto directo” da sociedade portuguesa e um instrumento de transformação dessa sociedade, pois nele entraram os mais empreendedores, os mais inconformados e os mais capazes de fazer a mudança. Sem perceber esta matriz genética, o PSD arrasta-se e o seu líder paga por esta factualidade. Nada me move contra Rui Rio, pelo contrário. Sinto como muitos a admiração de quem conquistou a população do Porto em três eleições, tarefa essa muito difícil. Mas não o apoiei para presidente do PSD exactamente por achar que Rio seria o que é um ano depois. Um líder de um partido que não consegue conquistar os seus militantes por não conseguir conquistar os portugueses. Nada é mais fascinante na política do que termos novos actores capazes de fazer diferente.

Esse “look and feel” de Rio ainda encantou alguns, que nele viram um homem contra corrente, de certo modo ascético e cripto-autoritário face a uma normalidade prevalecente. Foi exactamente aí que Rio quis fixar os portugueses prometendo-lhes não mudanças estruturais mas um “novo regime”. Foi nessa aparente ideia de que tínhamos um grande líder capaz de fazer um novo 25 de Abril e de dar um banho de ética que muitos acreditaram. E foi nesse encanto pelo “estilo autoritário” que milhões de portugueses se fascinaram com um Cavaco Silva, ou de um modo distinto vimos um certo autoritarismo em José Sócrates ou reconhecemos a força do carisma determinado de “um contra todos” de Pedro Passos Coelho. Por outro lado, o estilo mais dialogante ou afectuoso encantou os eleitorados de Mário Soares, António Guterres, Durão Barroso ou Marcelo Rebelo de Sousa, este, o político do espaço não socialista mais popular de sempre. Mas se o estilo de Rio poderia se inscrever na linha de outros líderes era necessário ter e produzir causas e demonstrar uma agenda diferente, alternativa à de António Costa, também ele muito dialogante que contrastaria com Rio, o político que pouco falaria mas muito se ouviria. Num ano não assistimos a nada disto.

A agenda foi escondida em discussões fechadas em conselhos estratégicos sem estratégia e agora o descontentamento interno subiu de tom. As sondagens antecipam resultados humilhantes e a percepção de uma hecatombe eleitoral é assustadora. A ideia de perder o País está instalada. Alguns dirigentes ainda se apressaram nos últimos meses a invocar razões internas para justificarem o que não passa para fora. E não passa para fora como Rio consegue reverter o modelo de crescimento económico; como Portugal desperdiça níveis de crescimento e se contenta com tão pouco (sempre se balizando pela proximidade às metas europeias). E não passa para fora como Rio consegue ter um modelo de riqueza capaz de garantir uma distribuição de modo a que a Saúde, a Educação e as Políticas Sociais tenham sustentabilidade. Sem esta visão social não só Rio não passa como os portugueses não se aproximam de quem não tem narrativa para os seus problemas. Mais do que pensamento é preciso criar uma narrativa que crie uma esperança nos portugueses. Também não passa para fora um modelo alternativo de organização do Estado  ou uma visão para a coesão territorial com uma “marca PSD”. Por isto Rio evidencia que não dará futuro ao PSD, ou não fosse o futuro uma sucessão de presentes. E é esta a grande causa do descontentamento. Podemos agora assistir a uma discussão sobre  o acto de Luis Montenegro mas para mim o mais importante é que ele evidencia um forte inconformismo com o estado actual. Uns criticarão o timing, outros a natureza rebelde do acto que põe em causa um princípio (mais um!) na democracia interna dos partidos que deixava sempre que um líder fosse a votos pelos portugueses. Discuta-se sobretudo o tempo que estamos a perder e vejamos que novas oportunidades para o PSD se abrem a partir daqui. Para todos.

Para Rio é a oportunidade de se superar; para os adversários a de mostrarem porque são diferentes e melhores. Espero que a declaração de Montenegro não reduza Rio a pretextos justificativos dos seus amanhãs menos conseguidos, a uma larga avenida de vitimização cujo capital será adornar o líder com a retórica de que está injustamente a ser impedido de levar a sua “missão” por diante. A ser assim, teremos uma tentativa de “capsulização” do PSD por Rio, incapaz de aceitar a leitura da realidade e o challenge que lhe foi feito, pois Rio tem além da falta de uma boa agenda uma absoluta falta de ligação ao tempo político tal como o entendemos actualmente e é aqui que reside boa parte da compreensão do seu falhanço político como líder da oposição neste ano.

Para Rio não existe a noção de “oportunidade”, de velocidade na reacção, de antecipação, de inovação nas soluções, de criar novas ideias fortes ou lançar caras novas, ou a aceitação do mediatismo como factor de estruturação da vida política. Um bom exemplo foi ver Rio só a visitar propriedades destruídas pelo furacão Leslie três meses depois entre tantos outros episódios onde não há iniciativa ou rasgos originais. Diria hoje, um ano depois, que o seu tempo parece não fazer o “match” com o tempo da realidade política que temos. Só um grande líder poderia neste momento convencer os portugueses que o PSD é a melhor solução para o país. Talvez Rio ponha verdadeiramente Portugal Primeiro (como ele diz) e aproveite este contexto de exigência interna para conquistar quem ainda não conseguiu conquistar. Mas teria que se superar. Se insistir nesta ideia de se fechar e de se refugiar em nome do “seu tempo” será tempo perdido.

Membro do Conselho Nacional do PSD e ex-coordenador da moção de PSL nas directas de 13/1/2018.

6
1