expresso.ptexpresso.pt - 12 jan 09:21

Coletes amarelos. Manifestações já começaram em França. Detenções também

Coletes amarelos. Manifestações já começaram em França. Detenções também

As manifestações do ATO 9, nono sábado consecutivo de mobilização dos coletes amarelos franceses, já começaram em Paris e em outras cidades francesas. Governo reforçou as medidas de segurança e já deteve preventivamente esta manhã diversos “coletes”.

Em Paris, os primeiros manifestantes começaram a concentrar-se em Bercy, junto ao moderno e gigantesco edifício do ministério da Economia e Finanças. Pretendem desfilar nas ruas da cidade e dirigir-se para a zona dos Campos Elísios.

Nos cartazes lêem-se as palavras de ordem habituais contra o Presidente Emmanuel Macron, pelo aumento do poder de compra e pelo RIC (Referendo de Iniciativa Cidadã).

Estão previstas manifestações para diversas outras cidades franceses para este ATO 9, nono sábado consecutivo de mobilização dos coletes amarelos.

O Governo reforçou consideravelmente a segurança em todo o país e o ministério do Interior confirmou que estão a ser efetuados “controlos preventivos”, designadamente em portagens de autoestradas, estações de comboio e de metro e em entradas de algumas cidades.

Alguns homens, suspeitos de pretenderem causar distúrbios, foram detidos de manhã cedo e foram impedidos de se manifestar designadamente nos arredores da cidade de Bourges, no centro geográfico do hexágono francês para onde foi convocada pela primeira vez uma manifestação deste tipo, e igualmente em Paris.

O Governo não quer ver repetidos os níveis de violência de sábado passado (e de outros anteriores) e ameaçou claramente com a repressão tanto pela voz do primeiro-ministro, Édouard Philippe, como do ministro do Interior, Cristophe Castaner. Este disse ontem que mesmo os manifestantes pacíficos podem ser acusados de serem “cúmplices das violências” que se verificarem.

O ministério do Interior disse ter informações de que "casseurs" (vândalos) pretendem infiltrar-se nas manifestações e "atacar as instituições".

Cerca de 80 mil polícias, gendarmes e outros agentes foram destacados para garantir a segurança em toda França.

Comerciantes de diversas cidades, incluindo Bourges e Paris, fecharam e barricaram os seus negócios, seguindo os conselhos das autoridades.

Em Paris, várias estações de metro e diversas zonas centrais da cidade foram fechadas ao trânsito. A zona da avenida dos Campos Elísios (e seus acessos) estava totalmente ocupada pela forças da ordem já às 8h (7h em Lisboa)

8
1