sol.sapo.ptsol.sapo.pt - 12 jan 10:33

Medo de quê?

Medo de quê?

Quem quer silenciar as opiniões incómodas é porque não se sente muito seguro dos seus argumentos

De regresso de um fim de ano passado fora de Lisboa, assisti estupefacto a uma polémica envolvendo o Sindicato dos Jornalistas, o ministro João Cravinho júnior e algumas figuras de esquerda, sobretudo do PS e do Bloco.

Defendia o Sindicato dos Jornalistas - imagine-se! - que a TVI deveria ter censurado a entrevista de um tal Mário Machado, militante de extrema-direita que esteve vários anos preso por crimes de diversa índole e é suspeito de envolvimento no assassínio de um jovem de cor, Alcindo Monteiro.

Mas desde quando os jornalistas advogam a censura?

Não seria mais normal os jornalistas defenderem a TVI pela iniciativa de entrevistar um dos poucos portugueses que se assumem de extrema-direita, para ele explicar as suas ideias? 

O jornalismo não consiste em ‘mostrar’ e não em ‘esconder’? 

A seleção das ideias não deve competir à sociedade e não aos jornalistas travestidos de controleiros?

Parece que o indivíduo em causa defendeu que Portugal precisa de um novo Salazar.

Devo dizer que não é o único - já ouvi outras pessoas dizerem o mesmo.

Perante isto, os contestatários justificaram a censura com o facto de a difusão de ideias fascistas estar proibida pela Constituição.

Ora, não é verdade: o que a Constituição proíbe são os partidos e as organizações fascistas; não proíbe um indivíduo de gostar de Salazar e o dizer. 

Mas de que têm medo os que queriam calar o senhor Machado? 

Que os portugueses se sentissem seduzidos pelo seu discurso?

A democracia é tão frágil que não resiste às invetivas de um qualquer senhor Machado?

O esclarecimento não deverá ser feito pelo combate de argumentos e não pelo seu silenciamento?

Quem advoga a censura é porque não se sente muito segura dos seus argumentos… 

Além dos jornalistas, o ministro João Cravinho Jr. saiu a terreiro a atacar a estação que transmitiu a entrevista.

Foi, obviamente, um perfeito disparate - pois só lhe deu mais visibilidade.

Será que Costa não consegue controlar os ministros que se desdobram em declarações disparatadas?

Foi a ministra da Cultura a atacar os jornais (sendo depois obrigada a explicar-se), foi a ministra da Saúde a insultar os enfermeiros (sendo depois obrigada a pedir-lhes desculpa), é o ministro da Defesa a atacar uma estação de TV…

Mas o mais insólito de tudo foi um post da impagável Isabel Moreira onde dizia: «Em memória de Alcindo Monteiro - contra a normalização do fascismo e de nazis que hoje mesmo está a ser feita em Portugal na TVI». 

Tal como outros opinadores, Isabel Moreira meteu tudo no mesmo saco: o salazarismo, o fascismo e o nazismo. 

Ora, Isabel Moreira é uma das pessoas que não o deveriam fazer, pela simples razão de ter um pai (Adriano Moreira) que foi ministro de Salazar e apontado depois como um dos seus potenciais sucessores.

Acha Isabel Moreira que o facto de seu pai ser ministro de um Governo de Salazar fazia dele um fascista e um nazi?

Eu respondo: não fazia. 

O salazarismo, o fascismo e o nazismo foram regimes essencialmente diferentes.

Simplificando, basta dizer que enquanto o nazismo era um ‘regime totalitário’ - pois o Estado detinha o monopólio da política, da economia e da ideologia, segundo o princípio ‘tudo no Estado, nada fora do Estado’ - e o salazarismo era aquilo a que tecnicamente se chama um ‘regime autoritário’, que admitia a existência de iniciativa privada e a atividade das religiões. 

De resto, como é sabido, a organização verdadeiramente fascista que existiu em Portugal - os Camisas Azuis - foi perseguida por Salazar e o seu chefe (Rolão Preto) foi preso.

O nazismo só é comparável ao comunismo - quer no aspeto totalitário quer na destruição e morte que espalhou.

Sucede que Isabel Moreira - e Cravinho Jr. e muitos socialistas -, que se escandalizaram com o senhor Machado, não se escandalizam com as horas e horas que partidos declaradamente comunistas (o PCP e o BE) ocupam nas televisões sem qualquer contraditório.

Mais: Isabel Moreira e o partido do ministro Cravinho Jr. votam no Parlamento ao lado dos deputados do PCP e do BE. 

O senhor Machado ainda foi ouvido numa entrevista em que foi contraditado pelos entrevistadores.

Mas Catarina Martins e Jerónimo de Sousa são ouvidos a toda a hora sem qualquer contraditório, isto é, exclusivamente para fazerem a sua propaganda.

Finalmente, a TVI não tinha nada que se justificar, como fez, e ao acabar com a rubrica deu um péssimo exemplo de falta de coragem.

A obrigação dos jornalistas é estimularem o debate, é ouvirem opiniões diferentes - pois só assim as pessoas podem escolher.

Esconder as opiniões, atirar as ideias incómodas para debaixo do tapete, só pode contribuir para a sua maior difusão - através das redes sociais.

Como bem recordou João Miguel Tavares, Bolsonaro ganhou as eleições sem ter feito um único debate.

Se tivesse ido à TV, se calhar teria menos votos.

É bom que todas as ideias sejam debatidas abertamente: só assim podem ser vencidas.

Aliás, foi bom o Sindicato dos Jornalistas, João Cravinho Jr. e Isabel Moreira terem vindo a público falar deste caso - pois isso permitiu revelar a sua impreparação histórica e absoluta falta de senso e espírito democrático.

46
1