observador.ptJosé Manuel Fernandes - 6 dez 07:01

O polvo está vivo, de boa saúde e a rir-se de nós

O polvo está vivo, de boa saúde e a rir-se de nós

A lista é um "quem é quem" do país que somos, e estão todos com alguém nada recomendável: Tomás Correia, o eterno homem do Montepio. Porquê? Porque Portugal continua doente. E o polvo vivinho da costa

A lista é longa, não desistam à primeira: Adriano Moreira; Manuela Ramalho Eanes, Maria do Céu Guerra, José Eduardo Martins; Jorge Coelho; Rui Azinhais Nabeiro; Camané; Carlos Lopes; Francisco Moita Flores; Filipe La Féria; João Soares; Mariza; Vasco Lourenço; Jorge Palma; Dulce Rocha; Fábia Rebordão; António Manuel Ribeiro; Cuca Roseta; Carlos Zorrinho; Diogo Lacerda Machado; Jessica Augusto; Fernando Seara; Edmundo Martinho; Manuela Silva; Maria de Belém Roseira; José de Matos Correia; João Pedro Pais; Maria de Dores Meira; Sousa Cintra; Luís Patrão.

A lista é longa, mas não exaustiva. Todos os nomes que alinhei nestas linhas constam de alguma forma da candidatura de Tomás Correia a um novo mandato como presidente da Associação Mutualista Montepio Geral (AMMG). Como figuras secundárias nos órgãos sociais, como membros da comissão de honra, como rostos do site que promove a candidatura, como gente que fez questão de aparecer em eventos de celebração das virtudes do candidato. E a eleição é esta sexta-feira. 7 de Dezembro.

Diríamos que tal mistura é uma salada russa a que nenhuma maionese daria um mínimo de consistência – ou, para ser mais preciso, um elementar toque de coerência. Porventura só encontraremos algo semelhante numa “união nacional” daquelas que se junta sempre que se celebra um herói desportivo ou um prémio literário. Mas não. Toda esta infindável galeria de notáveis alinhou-se para apoiar alguém que, perdoem-me a franqueza, devia ser tido por infrequentável. Para dizer o mínimo.

Sim, é mesmo de Tomás Correia que estou a falar. Sim é mesmo ele que estou a ter por infrequentável e que há muito me interrogo sobre como pode continuar a estar onde está, isto é, a ser dirigir a AMMG. Até porque é tudo menos alguém recomendável para continuar à frente de uma associação que tem quase 4.000 milhões de euros de activos, para mais uma corporação a que centenas de milhares de portugueses confiaram as suas poupanças (80% das quais estão garantidas por dívida e pelo banco que usa o mesmo nome da associação). Não é coisa pequena, nem responsabilidade menor, sobretudo se pensarmos que todos os anos essa mesma associação ainda recebe, como recebeu em 2017, 711 milhões de euros de quotizações dos seus associados.

Há 12 anos que Tomás Correia está à frente da AMMG e foram 12 anos que se traduziram num imenso rol se suspeitas, investigações, mesmo acusações formais e processos nos tribunais. São sobretudo 12 anos de muito más práticas – do tipo de más práticas que foram a ruína da banca portuguesa. Mais, e pior: se havia um polvo que tudo condicionava no nosso sistema financeiro – e político –, Tomás Correia era parte dele. Tão parte dele que está hoje implicado em vários dos processos judiciais em que se procura deslindar as teias que atavam o país ainda não há muitos anos, a tal teia que unia o “dono disto tudo” ao “amigo a quem tudo emprestam”.

Duvidam? Bem, tomem de novo fôlego, pois os casos que envolvem Tomás Correia são numerosos, pelo que recorro à ajuda do levantamento realizado por Paulo Ferreira e também aos trabalhos de investigação de Cristina Ferreira:

Esta é uma verdadeira história de terror que deveria levar os amigos de Tomás Correia a recomendar-lhe que se retirasse e, se nada tem a recear do que possa resultar de todas estas investigações, que ficasse a aguardar em sossego que estas terminem. Não o fazendo, deviam dizer-lhe os seus amigos sinceros, então só está a prejudicar a instituição que lidera.

E não nos esqueçamos que já a prejudicou muito, pois foi durante os seus anos como presidente Caixa Económica Montepio Geral (CEMG) – ou seja, da instituição financeira, não apenas da associação mutualista – que esta se meteu em aventuras que puseram em causa a sua sustentabilidade ao ponto de se ter longamente equacionado a necessidade de a Santa Casa da Misericórdia ir em seu socorro, uma solução que, felizmente, só simbolicamente ocorreu.

Foi ele, entre outros enormes desvarios e megalomanias (e estou a ser piedoso), o responsável pela duvidosíssima OPA sobre o Finibanco, comprado por 340 milhões quando antes tinha sido avaliado por apenas 240 milhões e que logo registaria prejuízos de mais de mil milhões. Foi ele que o Banco de Portugal obrigou a sair da gestão da Caixa Económica por falta de idoneidade. É ele que, provavelmente, também nem sequer terá condições de idoneidade para exercer a presidência de uma associação que agora passa a estar sob a supervisão da Autoridade de Seguros e Fundos de Pensões, que se espera seja menos passiva que o totalmente inoperante Ministério da Solidariedade Social, que não tinha a tutela financeira.

Sendo que Tomás Correia pode cair por um caso que nem é nenhum dos referidos acima, antes um ainda mais antigo, vindo de 2006, o Invesfundo II, um caso da altura em que só era administrador do Montepio mas que, coincidência das coincidências, volta a envolver o grupo Espírito Santo e o empresário da Amadora José Guilherme. E, claro, empréstimos que ficaram por pagar, uma conta na Suíça e uma offshore no Panamá criada por Ricardo Salgado. Sempre os mesmos, não é?

Tudo, mas mesmo tudo o que referi nos parágrafos anteriores veio nos jornais uma e outra vez. Não é segredo de Estado. Nem segredo de Justiça. Muito menos segredo dos Deuses. Até porque também passou nas televisões. O que significa que todos vimos, ouvimos e lemos. Mas muitos, demasiados, preferiram ignorar. Todos os que citei e muitos que não citei mas que também podemos encontrar no site na candidatura.

Porquê?

Porque isto é Portugal e porque em Portugal não aprendemos nada, nunca aprendemos nada.

Não vou apontar o dedo a ninguém — até porque tenho respeito e mesmo consideração pessoal por muitas das figuras que referi no primeiro parágrafo deste texto –, mas sei como tudo isto funciona.

Anos a fio o Montepio foi mecenas de artistas e de obras sociais. Perdão: a palavra mecenas está a mais. A formulação certa é: “anos a fio o Montepio financiou artistas e obras sociais e o seu presidente transformou isso num património pessoal”. Assim criou uma rede de dependências a quem agora pediu apoio. Favor com favor se paga. Num país pequeno e pobre onde não se sabe dizer que não, caíram lá os que caíram. Num país onde não há uma cultura das instituições, antes uma dependência das pessoas e do alcance dos seus “empenhos”, o “mecenato” do Montepio transformou-se na folha de excel de Tomás Correia com dívidas de gratidão a cobrar em lugares na comissão de honra. Repito: favor com favor se paga.

É triste? Sim, é triste, mas é assim.

É sobretudo assim se pensarmos que muitos portugueses continuam a pensar que a crise foi mesmo uma maldade da troika ou uma teimosia ideológica de Passos Coelho. Que continuam sem perceber o concubinato que existiu entre alguns banqueiros, alguns governantes e alguns promotores para manterem um crescimento artificial que criou as imparidades que ainda pesam sobre o sistema financeiro.

É por isso que tenho vindo a perder as ilusões: se Tomás Correia ainda está onde está e consegue mobilizar quem consegue mobilizar, isso é sinal de que Portugal continua doente. E o polvo vivinho da costa.

9
1