www.sabado.ptleitores@sabado.cofina.pt (Sábado) - 8 nov 10:54

Os truques da EMEL

Os truques da EMEL

Tem um dístico de residente da EMEL e aguarda tranquilamente que lhe enviem uma carta com os códigos de pagamento por multibanco da respectiva revalidação? Acautele-se porque a carta provavelmente não irá chegar e o prazo vai expirar sem que dê por isso. O que lhe vai bater à porta, fatal como o destino, é o reboque para lhe levar o carro. Se está sossegado porque acha que existe uma relação de boa-fé da empresa para consigo ou que esta se modernizou no serviço prestado aos cidadãos, desengane-se porque a EMEL continua a ser o velho depositário de arcaísmos administrativos. - Opinião , Sábado.

Nos últimos tempos, por razões que a EMEL não consegue explicar nem ao telefone nem nos seus próprios serviços, em algumas zonas de Lisboa as cartas não estão a ser enviadas para quem há muito tem o dístico de residente. O que está a ser enviado é o reboque de bloqueamento de carros e o que está a ser aplicado são multas cegas. A EMEL não só não facilita a vida dos automobilistas, enviando as cartas de pagamento e revalidação, como também não justifica a razão por que não o faz. A EMEL pura e simplesmente inverte o ónus da regularização do problema, remetendo-o para o cidadão, que se vê obrigado a efectuar uma novo processo de obtenção do título e a perder tempo em deslocações e filas de espera.

A EMEL, através do contacto telefónico, explica que, deixado passar o prazo, não resta outra opção senão a validação presencial, obrigando a obter mais papelada e a ir aos serviços que possui no Campo Grande e na Loja do Cidadão nas Laranjeiras. A operadora ou operador que atendem as chamadas não têm nenhuma informação sobre o porquê da opção de não enviar as cartas, remetendo para os serviços de atendimento nos dois referidos postos, onde também ninguém sabe dizer porque não foram as cartas enviadas. A única coisa que sabem é que, sim senhor, têm aparecido muitas reclamações por falta de carta. Mais: se foi multado ninguém reconhece o erro e basicamente o cidadão é remetido para a burocrática reclamação, de resultado incerto, que há-de ir parar às mãos de um jurista zeloso e pronto a espremer a lei para evitar o ressarcimento do automobilista.

Sem esclarecimento, colocando o cidadão perante o facto consumado, esta empresa municipal de péssima gestão e, basicamente, transformada numa pequena clique de gestores públicos que andam sempre na babugem dos partidos que há anos governam ou influenciam a governação da câmara de Lisboa, tornou-se mais do que uma caixinha de surpresas. A EMEL é um verdadeiro labirinto de truques e esquemas apenas mitigados pelo profissionalismo e eficácia de alguns dos seus funcionários no atendimento directo aos cidadãos, como é o caso dos serviços do Campo Grande. Não se pode exterminá-la?

10
1