www.publico.ptpublico.pt - 14 out 07:06

Um ano depois, 650 pessoas nunca recuperaram o emprego

Um ano depois, 650 pessoas nunca recuperaram o emprego

Os incêndios de Outubro afectaram 470 empresas e puseram em perigo 5000 postos de trabalho. As candidaturas ao financiamento da linha de 100 milhões de euros com que o Estado vai comparticipar nos projectos de reconstrução já permitiram salvaguardar

No dia em que fizer um ano em que os 94 empregados da fábrica de calçado OQ-Fábrica do Arda, de Castelo de Paiva, viram as chamas reduzir a escombros os seus postos de trabalho, cerca de duas dezenas de trabalhadores voltam a pisar o chão da fábrica. No mesmo sítio, mas em instalações novas e com um patrão novo: Reinaldo Teixeira, o dono do grupo Carité, de Felgueiras, foi quem respondeu ao repto do presidente da Câmara de Castelo de Paiva e apareceu ao lado do Governo em Novembro a apresentar a linha Repor. Com 100 milhões de euros disponíveis, num financiamento montando com reembolsos do antigo QREN, este era o principal instrumento com o qual o Governo pretendia apoiar a reposição da capacidade produtiva nas cerca de 470 empresas que foram atingidas pelos incêndios de 15 de Outubro.

Um ano depois, nem todas as empresas recorreram a esta linha de financiamento, que pressupunha uma candidatura ao sistema de incentivos e que poderia permitir a atribuição de 85% do investimento previsto. A recuperação da fábrica de Castelo de Paiva foi a primeira a ser anunciada, mas não foi isso que permitiu que o processo fosse mais célere. “Tudo leva o seu tempo. Foi preciso adquirir o terreno, reconstruir a fábrica — e não foi fácil encontrar empresas de construção —, comprar máquinas e dar formação ao pessoal. Mas no dia 15 poderemos simbolicamente começar. Vamos começar com cerca de duas dezenas e meia de pessoas. As outras regressarão mais tarde”, explicou Reinaldo Teixeira. O empresário tenciona manter todos os postos de trabalho, e refere que os funcionários estiveram entretanto a fazer cursos de formação financiados pelo IEFP. 

As empresas que conseguiram arranjar instalações para recomeçar a laborar trataram de o fazer no imediato — porque é continuar a actividade que permite pagar as contas e continuar a assegurar a estrutura de custos que diminuiu pouco. O Governo também isentou os empresários de pagar o contributo para a Segurança Social dos funcionários durante um ano.

Foi o caso da empresa J. Guerra, em Oliveira do Hospital, que tratou de comprar um edifício para começar a trabalhar com os mesmos trabalhadores em um quarto da área que tinha. Apresentou uma candidatura de dez milhões de euros, mas ainda não está aprovada. Ou ainda o caso empresa Leal & Soares, que faz produção de substratos e pellets na zona industrial de Mira e que teve prejuízos de tal forma significativos que é aquela que vai receber o valor mais alto do programa Repor, com 10,4 milhões de euros atribuídos. Sem esse valor, explicou o administrador Carlos Soares ao PÚBLICO, não seria possível a reconstrução. “Tem sido um ano de luta”, afirma, enquanto vai apontando para os vestígios negros do incêndio que ainda se fazem notar em vários pontos. Nos cerca de 120 mil metros quadrados da área fabril trabalham 108 trabalhadores, número que se mantém desde antes de 15 de Outubro. Passada a primeira semana de rescaldo, a produção não parou. A empresa arrendou instalações nas imediações e ali continuou até ao final de 2017. Entretanto, os pavilhões da zona de produção foram quase todos demolidos para dar início ao processo de reconstrução.

PUB

De acordo com as informações dadas ao PÚBLICO pelo Ministério do Planeamento e Infra-estruturas, das 470 empresas atingidas pelos incêndios de Outubro (42 empresas na região norte, com 300 trabalhadores, e 388 empresas na região centro, com 4700 trabalhadores), já foram apresentadas 398 candidaturas e aprovadas 278. Há casos de empresas que ficaram pelo caminho, e há outros casos de empresas que aproveitaram para expandir as linhas de produção e até aumentar o número dos postos de trabalho. Usando como referência os 329 projectos aprovados entre as candidaturas ao Repor apresentadas por causa dos incêndios de Junho e Outubro conclui-se que as empresas em causa tinham 3058 postos de trabalho; com a concretização dos projectos aprovados ficarão com 3335 trabalhadores.

De acordo com o MPI, ainda estão em análise 120 candidaturas que, a serem aprovadas, permitirão a salvaguarda de 4657 postos de trabalho. Contas feitas, entre os 5000 afectados em Outubro e os cerca de 200 em Junho, significa que os apoios públicos vão permitir salvaguardar 89,5% do total de postos de trabalho afectados pelos incêndios de 2017. Ou que se perderam 650 postos de trabalho com a tragédia.

“A salvaguarda dos postos de trabalho era para o Governo a componente mais crítica. E por isso fico satisfeito por regressar a empresas que vi completamente queimadas há um ano e estarem agora prontas a retomar a actividade”, comentou ao PÚBLICO Pedro Marques, à margem da inauguração de duas fábricas em Mortágua esta semana. O ministro do Planeamento diz que gostaria de ter ido mais longe, mas não deixa de fazer um balanço positivo naquilo que foi conseguido ao longo do último ano.

Luís Lagos, presidente da Associação das Vítimas do Maior Incêndio de Sempre em Portugal (AVMISP) sublinha os aspectos positivos da intervenção na recuperação das empresas, mas não deixa de relembrar a discriminação que existiu inicialmente entre as empresas afectadas em Junho e em Outubro, com as primeiras a receberem mais apoios do que as segundas. Se essa discriminação desapareceu no caso das empresas, manteve-se, refere Luís Lagos, na questão dos apoios à agricultura, por ter tido “um apoio residual, num programa que não se enquadrava de todo com naquilo que tinha acontecido aqui”. “O Ministério da Agricultura não apoiou 20 mil agricultores. Apoiou 20 mil proprietários. Quem tem um pinhal é diferente de se ocupar da agricultura a nível profissional”, sublinha Luís Lagos.

O presidente da AVMISP refere ainda “a grande capacidade de resiliência dos empresários locais para continuarem a trabalhar numa situação muito débil”. “Não conheço nenhum caso de alguém que tenha parado. Conheço casos de empresas sem actividade, mas que não mandaram as pessoas para casa. Procuraram retomar actividade o mais rápido possível e alugar espaços novos. Mas também não conheço nenhuma empresa que esteja 100% recuperada daquilo que aconteceu”, declarou.

1
1