www.publico.ptpublico@publico.pt - 13 out 07:10

Azeredo Lopes, o homem sem responsabilidades

Azeredo Lopes, o homem sem responsabilidades

Basicamente, o ministro Azeredo Lopes não tem responsabilidade sobre coisa alguma, excepto, talvez, pelo comportamento do agrafador e da lapiseira que tem em cima da sua secretária.

É caso para dizer que o ministro manteve a indignidade até ao fim. Até na hora da despedida Azeredo Lopes conseguiu armar-se em desgraçadinho, declarando ser a pobre vítima de um terrível “ataque político”, apresentando-se como um grande mártir da Defesa nacional, atribuindo o seu afastamento do ministério à necessidade de evitar que as “Forças Armadas fossem desgastadas”. De resto, Azeredo Lopes nunca teve culpa de nada, nem responsabilidade sobre coisa alguma.

Não teve responsabilidade sobre o roubo de Tancos porque não era a ele que lhe competia vigiar os paióis. Não teve responsabilidade sobre as ilegalidades cometidas pela Polícia Judiciária Militar porque o Exército tem a sua própria autonomia. Não teve sequer responsabilidade pelas acções do seu chefe de gabinete, que nada lhe contou (diz ele) sobre o memorando que explicava o lamentável teatrinho da recuperação das armas. Basicamente, o ministro Azeredo Lopes só tinha responsabilidade pelo comportamento do agrafador e da lapiseira que repousavam em cima da sua secretária.

Dizer que estava a mais no governo é uma afirmação escassa, no sentido em que nunca deveria ter chegado a entrar nele. Já estou cansado de relembrar isto, mas como muita gente parece não ligar nenhuma, eu continuo a repetir: a actuação de Azeredo Lopes à frente da Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC), onde desempenhou o papel de voz do dono entre 2006 e 2011, branqueando todas as tentativas de controlo da comunicação social por parte de José Sócrates, teria acabado, em qualquer país decente, com a sua carreira política, e impedido o seu recrutamento para um ministério tão importante quanto o da Defesa.

Infelizmente, António Costa partilha a mesma cultura tribal de Sócrates, e rodeou-se de yes men com um certo pedigree. Azeredo Lopes, que no intervalo entre a ERC e o ministério da Defesa chegou a ser chefe de gabinete de Rui Moreira, é claramente aquele género de funcionário que tem algumas leituras, expressa-se num português correcto, sabe argumentar e dar entrevistas, consegue desfilar direitinho em paradas, e nem precisa de obedecer religiosamente às ordens de quem manda, porque sabe por antecipação aquilo que o chefe quer que ele faça. Em tempos pacíficos, é o subordinado perfeito. Infelizmente, mal surge uma contrariedade séria, a sua personalidade esquiva, a falta de autonomia e a ausência de princípios sólidos dão nisto – um político incapaz de outra coisa que não a produção de uma nuvem gigantesca de dúvidas e suspeitas.

PUB

Há aqui um padrão. Tudo o que Azeredo não viu na ERC continuou a não ver no ministério da Defesa. A procura da verdade foi substituída por formulações ínvias, que soavam desgraçadamente a confissões. O seu antigo chefe de gabinete, general Martins Pereira, admitiu que recebeu o memorando mas que não lhe “foi possível descortinar qualquer facto que indiciasse qualquer irregularidade”. O ministro, na hora da saída, continuou a garantir que nada soube mas, ainda assim, disse que Martins Pereira “agiu de acordo com o que considerou ser o seu dever”. O memorando não está no ministério da Defesa, mas depois apareceu nas mãos do ex-chefe de gabinete, que agora é braço direito do chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas. Isto só pode ser normal na Sildávia, o país inventado por Hergé nas aventuras de Tintim. Por cá, a única dúvida é mesmo saber quem está a fazer a figura mais ridícula, se o Exército, se o Governo.

14
1