tribunaexpresso.pttribunaexpresso.pt - 13 out 09:50

“Na Grécia, fiz uma piada no balneário sobre a mulher do tipo que me contratara. Correu-me mal: o guarda-redes andava enrolado com a filha”

“Na Grécia, fiz uma piada no balneário sobre a mulher do tipo que me contratara. Correu-me mal: o guarda-redes andava enrolado com a filha”

Edgar Marcelino tem 34 anos e foi considerado uma das maiores promessas do Sporting, a par de Cristiano Ronaldo e Quaresma, mas a imaturidade, reconhece hoje, afastou-o do clube do coração e levou-o a construir carreira mundo fora. No currículo só lhe falta carimbo do continente americano; de resto, passou por 18 clubes em nove países diferentes, o que faz dele um dos, senão mesmo o mais viajado dos jogadores portugueses. No meio de tantas aventuras, das quais partilha algumas à Tribuna Expresso, chegou a frequentar o 1.º ano do curso de Economia, tem quatro filhos, criou um torneio de futebol para os miúdos da terra que o viu crescer, Miranda do Corvo, e joga agora no Amora. E confessa que ainda não consegue pensar no dia em que tiver de pendurar as chuteiras

“”

Vamos começar pelo local onde cresceu e pela família.
Nasci em Coimbra mas vivia em Almalaguês, uma aldeia perto de Miranda do Corvo. O meu pai é empresário de construção civil e jogou futebol nas distritais; a minha mãe tem um cabeleireiro, em Coimbra; tenho um irmão 10 anos mais novo, que trabalha como segurança.

Quais são as primeiras memórias que tem da infância?
Lembro-me de jogar à bola com os meus amigos na aldeia onde vivia, praticamente descalço e sem roupa. Muitas vezes, púnhamos duas pedrinhas a fazer de baliza e quando passava um carro, parava o jogo.

Tinha alguma alcunha?
Que me lembre, não.

E da escola, gostava?
Nem por isso. Para mim escola sem bola não era escola. Na primária a minha mãe foi chamada porque eu teimava em ter a bola debaixo dos pés, por baixo da secretária. Não jogava na sala, mas tinha de ter sempre a bola debaixo dos pés e havia uma professora que dizia que eu não podia - tirou-me a bola. E eu disse-lhe: “Se a bola sai, eu também saio. Ou fico eu e a bola ou então vou lá para fora”.

Nessa altura torcia por que clube?
Sempre fui sportinguista.

Porquê?
A minha família era praticamente toda sportinguista, ainda que os meus pais, sobretudo o meu pai, nunca me tenham impingido o “tens que ser do Sporting”. Acho que foi um bocado porque vamos crescendo, vamos vendo as coisas, vamos gostando do clube, das pessoas.

Quem eram os seus ídolos?
O Figo, sempre foi o Figo. Lembro-me de ter seis ou sete anos e de ir ver o Sporting a jogar a Coimbra e de ter de ter uma fotografia com todos aqueles jogadores que, passados três ou quatro anos, vim apanhar ainda em Lisboa.

Edgar com 12 anos, idade com que chega ao Sporting

Edgar com 12 anos, idade com que chega ao Sporting

D.R.

Sempre quis ser jogador de futebol?
Nunca tive esse pensamento: “quero ser jogador de futebol”. Só que, naquela altura, todos os meus amigos jogavam à bola. Eu tanto podia jogar na escola ou na rua, para mim era aquele o momento do dia. Saía da escola, chegava a casa, ia fazer os trabalhos de casa a correr, para os meus pais não me chatearem, e depois ia jogar à bola duas ou três horas.

Estava a dizer que o seu pai também jogou...
Sim, no União de Coimbra, no Mirandense.

Quando nasceu o seu pai ainda jogava?
Sim, o meu pai é relativamente novo, tem mais 20 anos que eu. Quando ele tinha uns 30, eu tinha 10 e já ia ver os jogos, tanto que, na altura em que vim para o Sporting, acabava o meu jogo ao sábado e íamos a correr porque o meu pai ia jogar. Ou seja, ele vinha ver o meu jogo e depois eu ia com ele para ver o dele.

O Sporting é o primeiro clube onde joga?
Não. A minha história até foi um bocado engraçada. O meu pai nessa altura conhecia as pessoas todas da União de Coimbra, da Académica de Coimbra, por jogar nas distritais, e havia muita gente que me via a dar toques, nos intervalos dos jogos do meu pai. E diziam: “Como é que este miúdo tão pequeno (eu tinha seis ou sete anos), dá toques assim na bola?”. Insistiram com o meu pai para eu ir à Académica de Coimbra treinar, para ver se eles gostavam ou não. Naquela altura, as escolas jogavam umas contra as outras e por vezes as de Coimbra vinham às finais a Lisboa e aquilo para mim era tudo. Estar com os meus colegas de turma, jogar, ganhar - isso é que me fazia feliz. Mas era futebol de salão que jogávamos e, quando fui treinar à Académica de Coimbra, vi 11 miúdos a jogar contra 11 e deram-me uma bola para eu estar a dar toques fora do campo. Não gostei e quando fui ter com a minha mãe, que estava à minha espera cá fora, disse-lhe: “Mãe se vim para aqui para estar a dar toques, dou em casa. Vamos embora”.

Era uma criança irreverente?
Era. Passadas umas duas, três semanas voltaram a ligar ao meu pai perguntaram se tinha acontecido alguma coisa e voltei a ir lá treinar outra vez. Treinei um dia e dois dias depois já tinha os exames todos feitos para jogar na Académica.

Tinha 10 anos.
Sim e fui convocado logo no primeiro jogo. Íamos jogar fora, à Tocha, só que fiz confusão e disse ao meu pai que íamos jogar em Buarcos (estamos a falar de uma distância de 20 minutos de carro). Quando finalmente lá cheguei o jogo já estava na 2.ª parte [risos]. Só que a partir daí comecei logo a dar nas vistas. No ano seguinte, em que venho para o Sporting, marquei cento e tal golos nas distritais de Coimbra. Foi a primeira vez que a Académica foi às fases finais e nesse ano estivemos num torneio em Esposende, nas Marinhas, onde estava Sporting, Benfica, FC Porto e outros clubes de fora. Fui o melhor jogador e marcador do torneio. Despertei o interesse dos três grandes, mas como era sportinguista....

Os três grandes contactaram o seu pai?
Sim, no final do torneio tivemos contactos. Mesmo o treinador da Académica, nessa altura era o professor Osvaldo Silva, que está na memória de todos nós, foi ele também responsável pela minha ida para o Sporting. No ano seguinte fui logo jogar para o Sporting.

Um recorte de jornal com Edgar e Cristiano Ronaldo

Um recorte de jornal com Edgar e Cristiano Ronaldo

D.R.

Foi sozinho ou alguém da família o acompanhou?
Fui sozinho, tinha 12 anos, feitos em setembro, e deparei-me com uma realidade completamente diferente.

Ficou a viver onde?
No antigo estádio do Sporting, onde era o lar dos jogadores.

Quem mais é que estava consigo nessa altura?
Muitos...o Cristiano, o José Semedo, o Miguel Paixão que é um grande amigo do Cristiano também. Lembro-me também do Paulo Teixeira e muitos outros.

Os primeiros tempos foram difíceis?
Muito difíceis. Chorei baba e ranho. Tinha 12 anos era uma criança, hoje olho para o meu filho que tem 14 anos e quero fazer tudo por ele porque o vejo como uma criança. Quando vim para o Sporting ainda vivia em Almalaguês e passares de uma aldeia para Lisboa, uma realidade completamente diferente, foi muito difícil.

Houve alguém com quem tivesse logo mais empatia?
Nesta fase do Sporting, sempre estivemos muito perto uns dos outros porque éramos todos de longe e ninguém tinha ali os pais, nem os irmãos, ainda precisávamos muito uns dos outros. Quando entrávamos no lar do jogador, tínhamos a sala, depois a casa de banho e depois tínhamos sete quartos seguidos, era “o corredor da morte”. O primeiro quarto era dos juniores, o segundo dos juniores com alguns juvenis e assim sucessivamente até chegarmos aos mais novos, nós estávamos mesmo na ponta. No primeiro ano partilhei quarto com o Cristiano Ronaldo, com o Fábio Ferreira e com mais um jogador que agora não me recordo o nome.

Edgar junto do trofeu que conquistou ao serviço do Sporting nos juniores.

Edgar junto do trofeu que conquistou ao serviço do Sporting nos juniores.

D.R.

Como era o Cristiano Ronaldo nessa altura?
O Ronaldo sempre quis ser o melhor em tudo. Naquela altura da minha geração e estamos a falar de sete ou oito jogadores, qualquer um tinha capacidade para entrar na equipa principal. E naquelas idades, 15/16 anos há rivalidade.

Existia muita rivalidade entre vocês?
Existia. Posso dizer que desse tempo não fiz grandes amizades. Conheço pessoas com quem mantenho contacto, mas entre os 15 e os 18 anos é uma fase complicada porque todos querem ser o melhor, o mais bonito, o mais isto… . Lembro-me que naquele tempo eu ia assistir a todos os jogos porque o Sporting dava um prémio ao melhor aluno e eu sempre fui um dos melhores alunos. Ia muitas vezes para a tribuna VIP ver os jogos do Sporting. Depois havia sempre aqueles que olham para ti e “ah, ele tem aquilo e eu não tenho”, mas somos miúdos é perfeitamente normal isso acontecer.

Estava a falar do “corredor da morte”. Explique lá isso.
Os juniores e os juvenis faziam o que queriam de nós. Eu era dos que ia mais vezes a casa porque o irmão do meu pai era capitão da Marinha em Lisboa e normalmente os meus pais faziam o sacrifício de vir ver todos os meus jogos; eu ia para cima com eles e voltava na segunda-feira às seis da manhã para vir para a escola. Trazia sempre comida e comia no quarto, que era para quatro; cada um tinha o seu armário, eu fechava sempre o meu com um cadeado e com uma corrente (risos). Mas forçavam sempre. Acontecia muito isso.

Não se vingava?
Não podia, eram os mais velhos... Era comer e calar porque senão eras o “queixinhas” que vais ao mister dizer as coisas, depois ainda te davam uns “calduços” (risos)..

Edgar foi convocado pela primeira vez à seleção com 15 anos.

Edgar foi convocado pela primeira vez à seleção com 15 anos.

D.R.

Apesar de não gostar da escola era bom aluno. Estudou até que ano?
Entrei na universidade, no ISCTE, mas só andei no primeiro ano, em Economia. Tinha aquela facilidade de entrar, sem ser preciso fazer os exames de admissão por ser jogador e ter o estatuto de alta competição. Mas tive um ano complicado porque aos 15 anos parti o pé e tive mesmo que deixar o futebol nessa altura. Fui-me muito abaixo psicologicamente.

Como é que isso aconteceu?
Foi num jogo, naqueles campos perto do antigo estádio, num jogo contra o U. Leiria: partiram-me o pé dos dois lados e a primeira coisa que o médico disse aos meus pais, depois da cirurgia, foi que não estava de fora a hipótese de ter de abandonar o futebol. Foi muito complicado. Era um sonho, tinha acabado de assinar um contrato de sete anos, tinha sido considerado o melhor jogador da minha idade em Portugal e, de um momento para o outro, parece que o mundo vai desabar. Esse foi o primeiro ano em que chumbei, no 10.º ano.

Não teve ninguém em quem se apoiasse mais?
Todo o departamento clínico do Sporting foi sempre fantástico. Apesar de não ter sido operado pelo médico do Sporting, porque nessa altura eles estavam em estágio nos EUA, fui sempre acompanhado pelo doutor Fernando Ferreira e por todas as pessoas que estavam envolvidas. Tinha acabado de assinar um contrato que naquela altura tinha sido o maior de sempre na formação.

Sete anos?
Sim, e eram para ser nove. Não foi porque os meus pais, juntamente com um advogado, na altura não tinha empresário, negociaram assim. O meu pai veio umas quatro ou cinco vezes de Coimbra para negociar. Acabaram por ser quatro mais três anos: dois nos juvenis, mas dois como júnior e três de sénior.

Edgar com os pais, o irmão e o primeiro filho, Martim, ao colo da avó

Edgar com os pais, o irmão e o primeiro filho, Martim, ao colo da avó

D.R.

Foi nessa altura que começou a ganhar dinheiro?
Foi.

Tem noção de quanto é que ganhava?
Quase três mil euros.

Eram os seus pais que ficavam com esse dinheiro?
Não, sempre fiquei com o meu dinheiro, sempre geri o meu dinheiro.

Houve alguma coisa que quisesse comprar logo?
Eu era muito poupadinho... Antes de ter o meu primeiro contrato, como já estava em Lisboa tinha a semanada que me davam. No Sporting não gastava dinheiro: tínhamos o pequeno almoço, o almoço, lanche, jantar, passe. O dinheiro que recebia era para mim e eu era muito poupado, gostava de ver o dinheiro a crescer (risos). Só que nessa altura, não é que eu tenha mudado, mas quando de um momento para o outro, um rapaz com 15 anos, tem um contrato de quase de três mil euros por mês e tem tudo pago... Acho que perdes um bocado o controlo, deslumbras-te um bocadinho. Via qualquer coisa e também queria ter. Lembro-me que na altura a Sacoor tinha acabo de aparecer. O Simão Sabrosa era patrocinado por eles e como eu era um jogador da formação arranjaram-me um daqueles cartões com 50% de desconto e eu andava sempre nas compras. Tanto que era muito gozado naquela altura por ser muito “betinho”, queria as camisolas que tinham o rato, o pato, as bandeiras (risos). Nessa altura, como os outros não podiam, alguns começaram olhar-me de forma diferente.

Com uma certa inveja?
Sim, é normal. Foi na altura em que apareceram os telefones e os computadores portáteis e tu queres ter o melhor. E eu podia ter isso tudo, tinha o meu dinheiro para gastar, não ia pedir a ninguém.

Edgar com o irmão, 10 anos mais novo

Edgar com o irmão, 10 anos mais novo

D.R.

Na altura ainda vivia no lar?
Sim. Estive lá dois, três anos se não me engano. Depois, na altura da passagem do antigo estádio para a Academia em Alcochete, fomos divididos: os mais novos foram para a Avenida Duque de Loulé e os mais velhos para o Saldanha. Eram duas residenciais mas o dono era o mesmo.

Ficou em qual?
Na Duque de Loulé.

Começam as saídas à noite?
O problema não eram as saídas à noite porque ali não havia muitas discotecas, havia era prostituição e muitas vezes estávamos a dormir e na parede do quarto ao lado só se ouvia… Como é óbvio, todos se levantavam e iam meter o ouvido nas portas e nas paredes [risos]. Outras vezes víamos as pessoas que vinham almoçar e aquela hora de almoço dava para fazer muita coisa [risos]. Chegou uma altura em que se começou a falar para apressarem a nossa saída para a Academia porque havia jogadores que, com aqueles bares de alterne ali… Era complicado. Eu na altura estava com 16, 17 anos, estava a estudar, tinha estado dois anos na escola do Lumiar, depois como chumbei e fui para o externato Crisfal, na Avenida da República, para fazer os três anos que me faltavam, em dois.

Já namorava nessa altura?
Foi nessa altura que conheci a mãe dos meus filhos.

Como é que ela se chama?
Filipa.

Foi nesse externato que se conheceram?
Foi, no segundo ano do externato, mas ela não andava lá. Foi num dia que fomos sair, para ir a uma festa de anos, e foi o meu melhor amigo que nos apresentou.

Edgar Marcelino com um macaco, numa das passagens pelo continente africano

Edgar Marcelino com um macaco, numa das passagens pelo continente africano

D.R.

Quem era o seu melhor amigo nessa altura?
Era um rapaz que andava na minha turma, nem jogava futebol. E foi nessa altura que se deu a passagem para a Academia. Eu levantei alguns problemas ao Sporting porque não queria ir. Ir para a Academia de Alcochete para mim tudo bem, mas para treinar. Eu não era nenhum bandido, mas acho que um miúdo com 16, 17 anos que só está focado no futebol e em mais nada, não dá. Tenho a minha maneira de ser, de viver, tenho a minha forma de estar no futebol e na vida, acho que podes fazer tudo, tendo tu as tuas próprias regras. Em 20 anos de profissional de futebol, nunca paguei uma multa por faltar aos compromissos com o clube, por não respeitar o regulamento interno. És miúdo, tens 17 anos, sempre estiveste livre e de um momento para o outro vais viver para uma Academia onde não existe nada, onde vais conviver com as pessoas com quem treinas todos os dias, vês sempre as mesmas caras... não quis. Queriam obrigar-me a ir, disse que não e não fui. Fiquei a viver na residencial onde estava e passados uns tempos mudei-me para um apartamento... e depois foi tudo muito rápido.

Na altura em que se conheceram o que é que a Filipa fazia?
Ela é mais velha do que eu quase seis anos e trabalhava como auxiliar numa clínica.

Quando foi viver para o apartamento ela foi viver consigo?
Sim, fomos viver juntos e passados seis/sete meses ela engravidou e tivemos o Martim, o primeiro filho. Era o meu primeiro ano de sénior e é nesse ano que saio do Sporting e de Lisboa. Fui jogar um ano emprestado para o Penafiel.

Qual foi a sua reação quando o Sporting decide emprestá-lo?
Gostei, o treinador era o Manuel Fernandes, uma pessoa ligada ao Sporting, era o meu primeiro ano de sénior e nenhum outro jogador da equipa B tinha tido a oportunidade de ser inserido numa equipa da I Liga, eu era o único e gostei da ideia.

Como é que foi a mudança para Penafiel?
Foi pegar nas minhas coisas todas e ir lá para cima, com a Filipa grávida. Na minha pré-época o meu filho pregou-me uma partida engraçada. Ela deu entrada na maternidade para fazer o trabalho de parto, eu vim a correr à meia noite e meia de Penafiel para Lisboa, cheguei cá e estive até às 06h30 da manhã à espera, ele não nasceu e voltei para cima. Assim que estava a chegar a Penafiel ele estava a nascer. Eu tinha treino de manhã e não tinha experiência, não sabia que se podia pedir para não ir ao treino [risos].

Edgar com os dois rapazes mais velhos, Martim e Salvador

Edgar com os dois rapazes mais velhos, Martim e Salvador

D.R.

Foi pai muito novo.
Com 19 anos, mas foi fantástico. Sempre gostei muito de crianças. Ao princípio não vou esconder que é um choque, mas posso dizer que foi a melhor coisa que me aconteceu, ter sido pai cedo: ter aquela vida familiar, não andar em saídas, com os amigos em noitadas. Acho que quando um jogador tem estabilidade em casa, é muito importante na continuidade da carreira.

Fica uma época no Penafiel com a Filipa e o Martim. Foi sempre o Manuel Fernandes o treinador?
Quando cheguei era o Manuel Fernandes, mas depois rescindiram o contrato e veio o Luís Castro.

Desportivamente como é que correu?
Correu-me bem. Para primeiro ano como sénior, sei que joguei 25/26 jogos.

Era o que estava à espera ou foi mais difícil do que contava?
Quando és miúdo achas sempre que és bom e com a qualidade técnica e com a velocidade que eu tinha naquela altura, era muito fácil evidenciar-me em alguma equipa. Já sabia que aquela equipa do Penafiel tinha nomes sonantes no futebol português, como o Drulovic, o Folha, o Fernando Aguiar, o Wellington, Nuno Santos, o central Artur Jorge; havia muitos jogadores já com nome e sabia que ia ser difícil ao princípio ter o meu espaço. Sabia que tinha que trabalhar e que, quando tivesse uma oportunidade, tinha que demonstrar do que era capaz. E acabei por jogar mais do que aquilo que estava à espera. Não joguei foi tantas vezes a titular, pensei que ia jogar mais vezes a titular. Os dois únicos jogos que joguei a titular na Superliga foi contra o Sporting, em Alvalade, e contra o Benfica, no Estádio da Luz. Questionei-me: “Espera aí, então eu sou titular para jogar na Luz e em Alvalade e não seu titular para jogar em casa, contra a Académica, contra o Setúbal, contra o Guimarães?”, com o devido respeito por esses clubes. Mas hoje com 34 anos sei como é que as coisas acontecem.

Como é que as coisas acontecem? O que é que quer dizer com isso?
Os treinadores muitas vezes, e com todo o respeito que tenho pelo mister Luís Castro, naquela altura se calhar apostou mais nos mais velhos, naqueles que ele achava que lhe iam dar segurança, não só nos jogos mas também no balneário. Mas sempre respeitei isso, sempre esperei a minha oportunidade e neste caso, contra o Sporting, acabei por decidir o jogo, num lance em que me isolo e toco a bola para o lado, para o Roberto fazer o golo. Não vou dizer que fiquei triste por ter ganho ao Sporting que é meu clube do coração, lembro-me que nem sequer festejei o golo e fui um bocado criticado porque havia um acordo entre os clubes que não permitia que eu e o Nuno Santos jogássemos e nós jogamos. Trabalhas para uma instituição e se eles te dizem que tens de jogar, jogas. Como é óbvio ia entrar para fazer o meu melhor e para mostrar às pessoas do Sporting que tinha capacidades para estar em Alvalade.

No final da época o que é que aconteceu?
Voltámos ao Sporting, eu e o Nuno Santos. Se não em engano o treinador era o Peseiro. Achei um bocado estranho, e até tenho jornais dessa altura que diziam que eu me estava a evidenciar na pré-época, mas as pessoas do Sporting acharam que não estava ainda na minha altura e quiseram emprestar-me mais uma vez. Eu não tinha como dizer que não. Na altura da pré-época nós tínhamos o campeonato dos Sub-19, e foi a única chamada à seleção a que não fui.

Edgar à frente de um grande cartaz seu, na Hlanda, onde jogou pelo Roosendaalse

Edgar à frente de um grande cartaz seu, na Hlanda, onde jogou pelo Roosendaalse

D.R.

Quando é chamado a primeira vez a uma seleção?
Foi à dos sub-15, mas como tinha partido o pé...Nos sub-16 fui sempre chamado à seleção. Só que na altura em que estive no Penafiel conseguimos o apuramento para o campeonato da Europa, aqui em Portugal. Normalmente era sempre titular na seleção, mas houve uma altura em que não joguei, fiquei três jogos no banco e mostrei azia. Como mostrei azia, o castigo foi não ir ao Europeu.

De que forma mostrou a sua azia?
Já não me recordo, mas quando se tem 17 anos… .Não era muito de refilar. Bastava olhar para mim e notava-se que estava chateado.

Quem era o selecionador?
Era o professor Carlos Dinis, uma pessoa de quem gosto muito, ainda hoje falamos. Mas naquela altura acho que foi um castigo demasiado pesado para mim, porque um jogador com as minhas qualidades técnicas e a minha velocidade, podia ter feito um Europeu fantástico e podia ter dado o salto. Isso não aconteceu, erro meu, mas ao mesmo tempo esse erro deu-me a possibilidade de fazer a pré-época com a equipa principal do Sporting e isso era o que eu mais queria. Acho que um jogador quando tem a oportunidade de jogar pelo clube que mais ama, de vestir aquela camisola… Para mim era um orgulho enorme e pensei que estava quase a acontecer. Já podia ter sido antes de ter ido para o Penafiel com o Bölöni, porque tinha sido convocado para jogar no FCP-Sporting, nas Antas; não fui porque tive uma lesão grave no treino. E quando achei que as coisas estavam muito perto de acontecer, não aconteceram e fui para a Holanda jogar. Ou seja voltei do Penafiel fiz duas,três semanas de pré-época e fui emprestado outra vez.

Não gostou.
Fiquei danado porque as coisas estavam a correr bem. As televisões e os jornais diziam que era um jogador que se estava a evidenciar.

Porque é que acha que estavam a agir assim? Queriam metê-lo no lugar?
Não. Nessa altura acho que aconteceu porque não tinha cláusula de rescisão no meu contrato. Depois de passarem os quatro anos de formação para os três de profissional, quiseram colocar uma cláusula de 25 milhões de euros no meu contrato. Não quis assinar e acho que foi um dos maiores erros da minha vida, porque não tens uma cláusula de rescisão, não és colocado na montra. Acho que se tivesse uma cláusula de rescisão tinha ficado no plantel do Sporting.

Na altura ainda não tinha empresário?
Nessa altura já tinha - era o Carlos Gonçalves.

Ele não o aconselhou a ter essa cláusula?
Já não me recordo. Sei que falamos, tinha começado a trabalhar com ele há pouco tempo. Foi uma decisão minha porque se fosse para colocar uma cláusula de rescisão no meu contrato, tinha que receber mais porque estávamos a falar de uma coisa que não existia. Se me deviam ter falado noutras coisas, se me deviam ter explicado, também não sei se quis ouvir, já foi há muito tempo.

Reconhece que foi imaturidade?
Claramente.

Edgar em acção pelo Roosendaals, da Holanda

Edgar em acção pelo Roosendaals, da Holanda

D.R.

Foi para a Holanda sozinho ou com a mulher e filho?
Fui com eles.

Como é que foi a adaptação?
Foi difícil. Lembro-me de ir com o Carlos Gonçalves, o meu empresário, no avião a treinar palavras em inglês. Só tinha tido inglês na escola. Tive três meses de adaptação, mas o futebol é uma linguagem universal. Perceber, percebia bem, mas falar era mentira e como na Holanda toda a gente fala um inglês que se mistura com o holandês, foi um bocado difícil. Mas foi um ano que desportivamente me correu bem, apesar da equipa ter descido de divisão. Depois do treino vinha para casa e como tínhamos o miúdo pequenino levei o meu carro para podermos passear e não estarmos sempre em casa.

Qual foi o seu primeiro carro?
O meu primeiro carro foi o meu pai que me ofereceu, foi um Citroën C3. Na altura eu queria comprar um BMW mas não me deixaram.

Quem?
Uma das pessoas que sempre me acompanhou no Sporting, uma jornalista, a Nélida. Ela dizia-me: “Não compres, já sabes que se vais comprar um carro desses as pessoas vão-te cair em cima. Vão dizer ‘olha ele quer é andar a passear, a desfilar, o cagão’ ”. Ela e o Pedro Cassiano Neves, com quem já me dou há muitos anos, o Carlos Gonçalves e o meu pai também me aconselharam a não comprar. E ele ofereceu-me o C3. O primeiro carro que comprei foi passado um ano e meio. Quando fui para o Penafiel troquei por uma carrinha Mercedes, que é um carro mais familiar, também tinha cães na altura. Sempre gostei de cães. Tinha um São Bernardo e dois Boxers.

Edgar com os três filhos mais velhos, Martim, Matilde e Salvador

Edgar com os três filhos mais velhos, Martim, Matilde e Salvador

D.R.

Voltando à Holanda, ao RBC, notou muitas diferenças no campeonato?
Sim, não tão competitivo como era o português na altura. Era bom para mim porque todas as equipas queriam atacar, atacar, atacar Lembro-me que marcávamos muitos golos, mas sofríamos sempre mais. Recordo que nesse ano ganhámos um jogo e empatámos 10 jogos, mas para mim acabou por ser bom porque quando estávamos a chegar ao natal, falou-se no interesse de vários clubes de lá. Só que quando se dizia que eu era um dos activos do Sporting e se me acontecesse alguma coisa tinham que pagar... Acabei por ficar no Roosendaal até ao fim.

Regressou mas foi novamente emprestado.
Sim e não... esse foi o maior erro da minha vida.

O que aconteceu?
Quis rescindir. Pensava que vinha e que finalmente ia ter a minha oportunidade no Sporting. Era o último ano do contrato. Na altura o treinador acho que ainda era o Peseiro, o diretor desportivo era o Carlos Freitas. Pensava que pelo menos fazia a pré-época com a equipa principal e, se não correspondesse às expectativas, seria emprestado a um clube. Quando falei com o meu representante disse-lhe: "Já ando nisto há muito tempo e se era uma das jóias da coroa, se isto e aquilo, se vou para um lado e jogo vinte e tal jogos, vou para outro e jogo outros vinte e tal, se sou dos únicos jogadores desta fornada que vem e que ainda não teve uma oportunidade, quero ter a minha oportunidade e se não a tiver vou para outro lado”.

Nessa altura o Cristiano Ronaldo já tinha “explodido”.
Já. Quando eu estava nos juniores da equipa B e ia às vezes treinar à equipa principal, ele foi fazer um jogo treino de apresentação com o Manchester United e foi a partir daí. Nessa época ele fez 6 meses na equipa principal do Sporting.

Ainda havia rivalidade entre vocês?
Nessa altura já não há muita rivalidade. Sabíamos quem eram os jogadores bons e sem sombra de dúvidas que naqueles últimos dois/três anos o Cristiano era o jogador que se estava a evidenciar mais mais, juntamente com o Quaresma.

Estava dizer que quando voltou ao Sporting...
Nem sequer estava em cima da mesa a hipótese de fazer a pré- época, era para ser emprestado. E cometo um erro de imaturidade. Naquela altura, se tivesse renovado por mais dois/três anos, ficava ligado ao Sporting, provavelmente era emprestado ao Estrela da Amadora, que era o que habitualmente acontecia, e foi o que aconteceu com o Silvestre Varela, que depois foi para o FCP. Mas falando com o meu empresário sobre o que ia e não ia acontecer, falou-se na possibilidade de ir para o Vitória de Guimarães, que nesse ano tinha descido de divisão, e cujo treinador era o Norton de Matos. Acabei por rescindir com o Sporting para ir para Guimarães com aquela ilusão de ir para um grande clube, onde me iria destacar. Iria fazer a minha vida por outros caminhos, estava naquela fase do amor passar a ódio

Edgar, junto da sua foto na equipa do FC Goa, da Índia

Edgar, junto da sua foto na equipa do FC Goa, da Índia

D.R.

Foi viver para Guimarães?
Sim. Ao princípio fui sozinho para fazer a pré-época, porque é uma altura em que estás muito pouco tempo em casa. Estive ali duas, três semanas sozinho e as coisas complicaram-se um bocado. Quando fui para Guimarães, depois de rescindir com o Sporting, tinha aproveitado para trocar de carro: comprei um BMW 530, um carro que era conhecido por tubarão porque tinha aquela antena em forma de barbatana. Ao início, enquanto estive sozinho, como não tinha o hábito de cozinhar ia comer fora. Em Guimarães ou é 8 ou 80, ou cais em graça ou tens problemas. Eu sempre gostei de vestir bem, de parecer bem, de andar na rua à minha maneira, sem ter que dar explicações a ninguém; se o tenho que fazer é em casa. E passou um bocado a imagem do miúdo que vem para aqui espalhar o seu charme. Não sei porquê, comecei a ser mal falado. Nunca fui apanhado em noitadas, não bebo álcool, não fumo, agora não me peçam para ficar fechado em casa 24 horas porque não fico, seja onde for. Como ia sempre jantar ou almoçar com um dos meus colegas, parece que passou um bocado a imagem de “dolce vita”.

Acha que isso aconteceu porquê, só porque ia comer fora?
O Vitória de Guimarães não começou bem, fomos eliminados para a Taça de Portugal com o Mafra e tiveram que arranjar bodes expiatórios. Andaram a ver quem é que era o problema. Que não era eu de certeza absoluta, mas aconteceram várias situações que agora também não quero estar a contar porque são coisas que podem afectar outras pessoas. Bom, mas aconteceu um problema ou outro que não teve nada a ver comigo, e quiseram passar isso para cima de mim. Foi com “A” e queriam passar para o “B”. Eu avisei: “Não metam o meu nome em lado nenhum porque tenho família e se acontecer alguma coisa à minha família por alguma coisa em que não estive envolvido, eu vou até onde que tiver de ir para as coisas ficarem ditas, ponto a ponto.” Nessa altura já estava um ambiente um bocado complicado e puseram-me, não sei porquê, a treinar à parte. A mim e a mais três jogadores. Lembro-me que foi em novembro, saiu uma lista de dispensas no jornal, só os jogadores é que não sabiam. Toda a gente sabia, menos o grupo de trabalho, que havia jogadores que iam ser mandados embora.

O Edgar fazia parte dessa lista de dispensas.
Fazia e nessa altura em que me colocaram a treinar à parte, fizeram outras coisas sem razão nenhuma. Não havia ambiente para trabalhar e falei novamente com o meu empresário. Eu estava a ganhar muito bem e se calhar também foi por essa situação que havia problemas. Na altura, a única solução que tinha em Portugal, porque tinha jogado pouco tempo, uns oito jogos, era o Portimonense que estava na 2ª Liga e eu não queria porque estava a ver a minha carreira de um momento para o outro a vir lá de cima da Torre Eiffel a cair. É aí que surge a possibilidade de ir para o Chipre.

Edgar com os três filhos mais velhos, Martim, Matilde e Salvador, todos com as camisolas do FC Goa

Edgar com os três filhos mais velhos, Martim, Matilde e Salvador, todos com as camisolas do FC Goa

D.R.

Foi o seu empresário que lhe apresentou essa solução?
Sim. Não vou esconder que na altura não queria nada ir para o Chipre. Não fazia a mínima ideia do que era o Chipre, nunca tinha ouvido falar do campeonato cipriota, mas depois lá me disseram o que era, mostraram-me uns vídeos do Omonia, que era como se fosse o Benfica… Disseram-me que as coisas podiam correr bem e abrir as portas para a Grécia. Falei em casa, expliquei o que é que estava a acontecer, que não podia ficar mais tempo sem jogar. “Mas é tão longe...”. Mas não havia mais nada em mão, fui para o Chipre.

Sozinho?
Nas primeiras semanas, sim, para ver como era. Quando lá chego tive vontade de chorar. Aterras em Larnaca e de Larnaca até Nicósia não vês nada. “Onde é que eu me vim meter?!”. Já estava com saudades do filho e da mulher, sozinho num sítio onde não conheces ninguém. Na primeira reunião com as pessoas do clube, havia pessoas muito humildes e pensei: “Se isto é o maior clube do Chipre, como é que serão os outros”. Fui para o hotel, dormi e no dia seguinte quando acordei fui conhecer o clube, que tinha um estádio novo. Fui ficando, passou uma, duas semanas e no primeiro jogo chovia torrencialmente. No Chipre quase nunca chove, o campo estava um lamaçal, a bola não rolava. Fui para ali e parece que se abriu uma garrafa com gás e o gás saltou todo cá para fora. Fiz um jogo fantástico, marquei logo na estreia, ganhámos e a partir daí semana a semana as coisas começaram a correr muito bem. Comecei a aparecer na televisão todos os dias, nos jornais, e pela primeira vez senti-me jogador. Davam-te importância, via o telejornal e falavam no clube e em mim, era um fenómeno no Chipre. Tinha 22/23 anos e finalmente as coisas estavam a correr bem.

Edgar no momento em que assina pelo Seeb de Omâ

Edgar no momento em que assina pelo Seeb de Omâ

D.R.

A sua mulher adaptou-se bem ao Chipre?
Assim assim.

O que foi mais difícil?
O calor, as pessoas um bocado frias, com um ar meio arrogante. O meu filho também era pequeno. Só que nessa altura deslumbrei-me um bocado. Comecei a receber pedidos para tirar fotografias para revistas, queria aparecer; já que não aparecia nas revistas cor de rosa em Portugal, aparecia no Chipre. E enquanto as coisas correram bem, esteve tudo muito bem, mas no ano seguinte trocámos de treinador e tudo mudou. Veio um treinador da Servia com uma mentalidade completamente diferente e nunca mais me esqueço do primeiro dia em que ele me cumprimentou no treino. Esticou-me a mão. “Tudo bem?” “Consigo também? O meu nome é Edgar”. “Eu sei, eu sei. Vens para aqui para treinar ou para ter uma boa vida?”. Nos primeiros dois meses e meio não joguei nenhum jogo e andou a brincar comigo. Convocou-me no primeiro jogo para a Liga Europa. Deu a convocatória, já não sei se foi numa segunda ou terça-feira , deu os 19 jogadores que iam à Liga Europa, eu era o melhor jogador da equipa e não estava convocado. Nessa altura estava o Ricardo Sousa, o Veiga e o Torrão. Não fui convocado e ele disse: “Tu não vais porque estiveste na noite”. Levantou-se uma grande confusão porque eu sabia que não tinha ido, chamei o vice presidente e disse-lhe o que se estava a passar, à frente de toda a gente. “Se ele não me convoca porque não gosta de mim ou porque outro é melhor, muito bem, agora dizer que eu estive na noite...”. O vice presidente foi falar com ele para saber quem é que lhe tinha dito aquilo. “Ah, contaram-me”. Levantou-se uma confusão, porque era mentira, e criámos um problema entre nós. Eu já não o podia ver, nem ele a mim e pedi para me deixarem ir embora. Não deixaram, porque pensavam que eu ia para o Apoel que era o rival. Depois ele começou a convocar-me mas deixava-me sempre como 19.º jogador, ou seja eu ia mas ficava de fora, não jogava e a minha mulher ficava em casa sozinha com o meu filho, num país que não conhecia ninguém, onde não tinha amigos. “Não estou para isto, vou-me embora”. Na 3.ª eliminatória vamos jogar em Montenegro, e levei as minhas coisas para vir para Lisboa. Já sabia que não ia jogar.

A sua mulher e o seu filho já cá estavam?
Duas semanas antes eles já tinham vindo embora. Já tinha ordenados em atraso do ano anterior e eles sempre a enrolar. Só que o presidente ligou-me a dizer que não me dava a carta, que eu tinha que voltar e esperar porque o homem, o treinador sérvio, não se ia aguentar lá muito tempo. Assim foi. Voltei para o Chipre, estive mais um mês sem jogar e no primeiro jogo em que não ganhámos o homem foi embora, e a partir daí comecei a jogar.

Correu bem?
Correu, comecei a jogar novamente e no primeiro jogo, depois de dois meses e tal sem jogar, marquei um golo e fiz uma assistência, empatamos 2-2 e a partir daí comecei a jogar outra vez.

Edgar, ao centro, com alguns colegas de equipa, em Omã

Edgar, ao centro, com alguns colegas de equipa, em Omã

D.R.

Mas entretanto foi para Espanha.
Era para renovar só que nessa altura tive uma reunião no Chipre com as pessoas do APOEL. Parecia um filme. Foram buscar-me num carro de vidros esfumados, estava sem o meu empresário numa mesa com sete ou oito pessoas. Exigiam sigilo absoluto, porque era o rival, como aqui o Sporting-Benfica. Mas assim que saí e cheguei a casa já estava toda a gente do Omonia a ligar. "Aí é, andaste a ter reuniões com o APOEL sem nós sabermos?" [risos]. Fiquei queimado. Nem para um nem para outro. Foi nessa altura que vim embora para o Racing de Ferrol.

Como foi essa experiência em Espanha?
Muito boa nos primeiros dois meses. Enquanto ganhámos. Quando fui, a minha mulher tinha acabado de ter o nosso segundo filho, a Matilde. Na pré-época e primeiras, três semanas estive só eu, depois é que fomos todos juntos para Ferrol. Gostei daquela zona, as pessoas são simpáticas. Agora, no futebol, se as coisas não estão a correr bem, já muda de figura. De início correu bem, no segundo ou terceiro jogo marquei um grande golo e dei outro a marcar, ganhámos, e o presidente veio agarrar-se a mim a dar-me beijos, todo eufórico. "És o maior". Passados dois meses estava a "rachar-me" de alto a baixo no balneário.

Porquê?
Um jogador com as minhas características, a jogar a 10 ou extremo, se as coisas não estiverem a correr bem à equipa também não vão estar a correr bem a mim. Eu tinha um contrato por objetivos, que é das piores coisas que se pode fazer, por jogos. Por cada 10 jogos eu recebia um prémio. Nesse ano fiz 19 jogos oficiais. Houve um jogo para a Taça, em casa - nunca mais esqueço - em que dois dias antes tinha ido ao McDonalds com o meu filho e devo ter comido alguma coisa que me parou a digestão. Estive praticamente um dia com a comida na barriga. Esse era o 10.º jogo e fui fazê-lo mas praticamente não conseguia correr. Saí aos 50 minutos, cheguei ao balneário e vomitei tudo o que tinha na barriga. Só para fazer os 10 jogos. Quando cheguei aos 19 jogos, fiquei por aí porque ou iniciava e saía na 2.ª parte, ou se entrasse na 2.ª parte tinha que entrar logo ao minuto um e isso nunca aconteceu.

Não lhe queriam pagar mais?
Claro. O treinador, no ano anterior, era jogador da equipa e por coincidência era o melhor amigo do que depois começou a jogar no meu lugar. Coisas do futebol.

Edgar Marcelino no dia da entrevista, no estádio do Amora

Edgar Marcelino no dia da entrevista, no estádio do Amora

Nuno Botelho

E volta ao Chipre.
Volto ao Chipre. Porquê? Quando estive aquele ano e meio no Omonia manchei um bocado a imagem por culpa minha. Fiz fotografias para as revistas, passagens de modelos, coisas que não devia ter feito e que depois também me trouxeram problemas em casa. Eu queria provar a toda a gente no Chipre que aquilo que andavam a dizer de mim não era verdade e que era o Omonia que estava em dívida para comigo; tinha quatro meses de ordenados em atraso. Como queria sair de Espanha, porque o ordenado também não era aquilo que estava habituado, comecei a ligar a todas pessoas que conheci no Chipre. Todos os clubes que me chegaram nenhum era dos melhores. Sabia que se não fosse para um dos melhores, não ia receber. Dos três clubes que me chegaram um deles era APOP. Esta equipa jogava o último jogo do campeonato contra o Omonia. Eu queria à força jogar contra o Omonia. Acabei por ir, eu e o José Semedo.

Que tal?
Quando cheguei a essa equipa, deparei-me com um ambiente de balneário de morte. Um mês antes tinham sido apanhados com doping e fora o treinador que dera o doping aos jogadores. O treinador estava fugido do Chipre, se voltasse era preso. Não pagavam os ordenados há três ou quatro meses. Meti as mãos na cabeça: "Onde me vim meter". Duas semanas depois de lá estarmos, tudo mudou. Sai o sorteio dos quartos de final da Taça e jogávamos com o Omonia outra vez. Ou seja, íamos jogar três vezes contra o Omonia. Entretanto, avisei o presidente que se não pagasse alguma coisa aos jogadores o mais certo era perdermos o jogo. Ele lá deu alguma coisa. No primeiro jogo empatámos a zero. O Omonia tinha os cinco galáticos do Chipre, jogadores que tinham vindo da Grécia, todos a ganhar acima dos 50 mil euros. Pediram-me para ir eu à conferência de imprensa. No Chipre ninguém pergunta nada, o jogador pode falar do que quiser. Disse tudo aquilo que quis, falei dos ordenados que o Omonia me devia e no final arrematei que fosse quem fosse a Pavos, que não passavam em Pavos. Aquilo incendiou toda a gente. Passado um mês tivemos o segundo jogo e ganhamos 3-0, fui o melhor jogador em campo. E as pessoas começaram a virar a meu favor. Conquistámos a Taça. Ou seja, entrei ali pela porta pequena e ao fim de cinco meses já estava outra vez lá em cima e parecia que a minha vida estava a dar outra vez uma volta.

Estava então com 25 anos.
Sim. Faço um campeonato espetacular. Praticamente sou eu que levo a equipa a ganhar a Taça. Jogámos na Liga Europa e no ano seguinte sou escolhido para ser um dos capitães de equipa. Tudo a correr bem. Deram-me tudo, pagaram-me os ordenados todos. Estava com a minha mulher e filhos, vivia como um rei, tinha um apartamento com piscina. A minha mulher engravida novamente, do Salvador. Estava tudo a correr bem. Quando começa o ano seguinte, era um ano em que as expectativas estavam altas porque íamos à Liga Europa, fiz dois grandes jogos contra o Rapid de Viena e pensei que ia fazer o contrato da minha vida e ia dar o salto.

Com que clube?
Com o Rapid de Viena, que mostrou interesse. Logo a seguir aos jogos quiseram acertar com o meu presidente. Acho que ofereceram meio milhão de euros, eles não quiseram. Andaram a pedir mais isto e aquilo. Fecharam as inscrições. Os tipos do Rapid disseram: "Não te preocupes que tu não tens contrato, vens no próximo ano livre". "Tudo bem, vamos aguentar". Passadas duas ou três semanas num jogo treino sofro outra lesão gravíssima, rotura dos cruzados, rotura dos meniscos e fiquei praticamente um ano sem jogar. Vim para Lisboa. Liguei para o Sporting e pedi para ser recuperado pelo Dr. Fernando Ferreira que já me tinha operado. Faço a recuperação no Sporting, sou tratado como um menino da casa e tenho de lhes agradecer por isso, e nesta altura enquanto estou a fazer recuperação desde outubro até fevereiro do ano seguinte, não recebi nem um ordenado. Recebi parte do dinheiro para a cirurgia e quando cheguei ao Chipre para integrar a equipa novamente, não era convocado... Tive que ir falar com o treinador. E ele diz que retiraram a minha inscrição para dar a outro jogador, o Paulo Costa.

Estava impedido de jogar.
Pois. Não joguei mais e tinha praticamente 10 meses de ordenados em atraso. Depois foi a guerra dos ordenados. Quando começou a terceira época, deram-me a braçadeira de capitão, disseram que a equipa ia ser praticamente toda nova...Passa um mês, passa dois, pagaram-me um mês ficaram a dever-me 12. Nessa altura começaram os problemas. Eu já estava sozinho, a minha mulher e os meus filhos ficaram cá, era o ano em que o Martim ia começar a escola e decidimos que ficavam cá. Semana para semana o clima de guerra que eu estava a viver lá aumentava.

Edgar, ao centro em baixo, na Índia

Edgar, ao centro em baixo, na Índia

D.R.

Chegou a ser ameaçado.
Sim. Disseram-me: "Tu estás no nosso país, estás numa ilha, olha que não sei como é que vais sair daqui", etc, etc. Mas fizeram mais. Ao pé do sítio onde vivia havia uma discoteca e eles andavam sempre em cima de mim, a ver às horas que entrava em casa, às que saía, onde é que ia, onde é que aparecia. A melhor forma no Chipre de rescindir um contrato é seres apanhado com álcool, não tens hipótese. Eu não bebo nem fumo. Eles queriam apanhar-me com álcool. Era impossível.

Não bebe porquê?
Porque não gosto. Nunca gostei muito. Bebo uma sidra de vez em quando, mas só. Nessa altura eles começaram a andar atrás de mim mesmo. Nós tínhamos rapazes de cor na equipa e todos eles recebiam o ordenado em dia, os outros não. Eu era o capitão de equipa e, quando descobri, tive que falar com a equipa porque havia jogadores que não queriam treinar e tu não podes deixar cinco jogadores a treinar e os outros de fora. Decidimos que mais ninguém treinava. Ficámos dentro do balneário e ninguém queria ir lá para fora. Só que aqueles cinco se não fossem treinar iriam ter problemas. E houve um desses rapazes cujo nome não interessa e até já jogou em Portugal, que veio confrontar-me e queria bater-me. Os outros viraram-se contra ele. Isto é para ter uma ideia do ambiente. Entretanto, ali na minha rua, eu era parado todos os dias quando estava a voltar para casa. Fiz umas 14 operações stop. Tanto que houve uma, em que ia com um colega meu e disse-lhe vou levar isto na palhaçada.

Fingiu que estava bêbado?
Sim (risos). Já sabia que o carro da polícia estava lá à minha espera e entrei na rua com o carro um pouco aos zigue zague. Claro, mandaram-me parar. Soprei mais uma vez no balão. E fiz de conta que estava mesmo alegre. Chamaram outro carro da polícia porque diziam que a máquina não podia estar boa, não acusava nada. Veio o outro carro, fiz novo teste e nada, claro (risos). Mas houve mais.

Conte.
Eles queriam que eu metesse mesmo o pé na argola porque já me deviam mais de 100 mil euros, e há um dia em que chego para treinar e eles dizem que eu estava fora da equipa e não queriam que eu estivesse dentro de campo. Assim podiam rescindir com justa causa. Mas eu fui. Não me quiseram deixar entrar, foram chamar a polícia para não me deixar entrar dentro de campo. Disse-lhes: se me querem mandar embora só têm de fazer uma coisa, assinam uma carta a dizer que a partir de hoje não venho mais e não posso estar nas instalações do clube. Liguei a um advogado, eles fizeram essa carta e eu vim-me embora. Assim que cheguei a Portugal fui direto ao advogado para apresentar uma ação contra eles, na FIFA.

Ganhou?
Ganhei.

Já recebeu o dinheiro?
Não, o clube fechou (risos).

Ficou a "arder" com quanto no meio disso tudo?
Mais de 300 mil euros. Infelizmente isto não aconteceu só comigo. Acho que todos os clubes, ou melhor, se as pessoas que estão à frente dos clubes não cumprem… Devia haver uma maior proteção dos jogadores. Digam o que disserem o jogador vai ser sempre aquele que sai mais prejudicado porque os clubes depois podem falar mal do jogador e dizer que fez isto, fez aquilo. A Federação cipriota sabia, estavam fartos de receber queixas. Dos mais de 100 mil euros que me deviam só queriam pagar à volta de 30 mil euros; disse que não, quis chegar a um acordo de 65 mil euros e eles não quiseram. Como achei que a equipa ia ter continuidade, decidi ir até ao fim. E ir até ao fim foi eles fecharem.

D.R.

Depois disso foi para o Estoril Praia. Como?
Rescindi, vim embora. Nessa altura tinha feito uma ruptura no adutor, no Chipre, e não me quiseram tratar. Mais uma vez pedi às pessoas do Sporting para me tratarem até que tivesse clube. Na altura, alguém falou com o Mário Jorge, que era o diretor desportivo do Estoril, e proporcionou-se a minha ida para lá. Nos primeiros seis meses joguei muito pouco, não estava bem fisicamente. No ano a seguir as coisas mudaram um bocadinho, o Mário Jorge saiu, o diretor desportivo passou a ser o Marco Silva e disseram que não contavam comigo. Chegámos a um acordo e a minha passagem pelo Estoril foi muito rápida. Mas foi bom porque estava em casa, dava para levar os filhos à escola e aos treinos de futebol.

Mas não ficou por cá: foi para Marrocos, para o Kawkab de Marraquexe.
Sim [risos]. Aí já estava por tudo. Acabei por ir porque o Tahar, que jogou no Benfica, era quem estava à frente do clube. Como estava a uma hora de avião de cá… . Na altura fui com o Nelson Veiga, que também esteve comigo no Omonia. Não ia sozinho, a minha mulher e filhos ficavam, não só devido às diferenças religiosas e culturais, mas também para não ter que tirar os filhos da escola. Eu também não sabia o que ia dar, decidimos que ia sozinho. O Nelson e a família fizeram o mesmo. Fomos os dois.

E foi uma aventura pelo que já se sabe.
Como é óbvio deparámo-nos com uma falta de profissionalismo enorme, um país desorganizado, tudo muito à balda. Mas depois acabou por ser engraçado.

Ficou com muitas histórias para contar...
Algumas [risos]. Eu vim buscar o meu carro e à terceira ou quarta semana lá ia matando um marroquino de mota. Aquilo eram motos por todo o lado, como nunca tinha visto, e só vi na Índia depois disso. Em Marrocos as motos vêm dos sentidos proibidos também. Não estás à espera e de repente aparece-te uma mota e como és estrangeiro, pode acontecer-te alguma coisa, porque vão favorecer as pessoas de lá.

O que aconteceu?
Ele apareceu de mota do nada, eu dei-lhe uma cacetada. Ele levantou-se, eu dei-lhe 200 dirhams e ele foi-se embora (risos). O Nelson Veiga é que falou com ele. Em Marrocos ou falas francês ou árabe. Desportivamente as coisas foram boas porque tínhamos muitos adeptos, parecia um clube da Super Liga. Só que foi um ano de experiências diferentes, novas culturas.

Como é que lidaram com a fase do Ramadão, por exemplo?
Nós gozávamos com eles. Eles não podiam comer, nós comíamos à frente deles e dizíamos: "Queres um bocadinho?”, “Dá aí uma dentadinha" (risos). Era um grupo de miúdos novos, havia bom ambiente, dava para brincar. Só que o Ramadão com os marroquinos é um bocado mentira, porque eles não podem fazer as coisas mas fazem. Não podem beber, mas se for preciso vão de surra e bebem água. Não podem fumar, fumam tudo e mais alguma coisa. Não podem beber álcool...acabam por fazer tudo. No Ramadão, onde víamos as diferenças era nos jogos. Os estrangeiros estavam sempre melhores, porque alimentavam-se, dormiam.

Edgar com o filho mais novo, Bernardo.

Edgar com o filho mais novo, Bernardo.

D.R.

Voltou ao Chipre. Tornou-se uma obsessão ou paixão o Chipre?
Nesse ano não era bem ao Chipre que eu ia voltar. Quando saí de Marrocos, por ser um campeonato fraco, com pouca visibilidade, vi-me aflito para arranjar equipa. Saí com ordenados em atraso também, mais uma equipa que coloquei na FIFA. E perderam, tiveram de me pagar com juros, mas esses por acaso pagaram. Saí e não conseguia arranjar equipa em lado nenhum. Normalmente quando não tinha equipa fazia sempre o estágio do Sindicato dos Jogadores, para estar com níveis físicos aceitáveis. Nessa altura falei com um jogador que foi meu rival no Benfica, o Filipe Rui, ele estava a jogar no Panserraikos, da Grécia. Viram os meus vídeos, queriam, fizeram uma proposta e quando lá cheguei aquilo baixou 50%.

Porquê?
Eles provavelmente viram que eu não estava pronto fisicamente para começar logo a jogar. Cheguei em janeiro e liguei logo para o Chipre, para os meus contactos. Já sabia que não ia receber, mas queria jogar. Houve umas pessoas que me falaram do AEP, do Paphos. Explicaram-me que não pagavam a ninguém. Nessa altura até esteve lá o Silas, mas estavam todos a sair porque o clube teve problemas financeiros, não pagava e estava a jogar com juniores. Pensei: "Não tenho mais nada". Perguntei-lhes: "Quanto é que me pagam na mão?". Já sabia que não ia receber mais nada por isso queria garantir algum na mão. Assim foi. Cheguei ao Chipre, deram-me um valor e nunca mais recebi. Mas foi um ano bom para mim porque estava sem jogar há seis meses e foi a minha oportunidade de mostrar-me novamente, de dizer estou vivo, estou aqui, estou a jogar numa primeira liga, apesar de ser uma liga cipriota. Fiz os jogos todos. Joguei contra o Jorge Costa, que estava a treinar o AEL. As coisas foram correndo bem, apesar de termos perdido todos os jogos. Evidenciei-me na equipa, fiz os vídeos desses jogos, assim que chegou ao fim do ano fui-me embora para Portugal e enviei uma queixa para a FIFA. Foi o terceiro clube a entrar nas minhas queixas.

E recebeu o dinheiro?
Não, também fechou. Sou perito em fechar clubes (risos). Mas fechou porque o presidente foi um ladrão, roubou e enganou toda a gente. Nesta altura com esses vídeos daqueles 10 jogos houve um treinador que me conhecia de Marrocos e que me viu no Facebook. Perguntou-me como estava, disse-lhe que estava à procura de qualquer coisa, mas longe, fora de Portugal, da Europa, longe, mais longe, outra coisa qualquer diferente. Ele perguntou: "Ias para Omã?". "Ia para onde?". "Omã". "Onde é que é isso?". Fui logo pesquisar no Google. Vi Omã, Dubai colado. Vou. Ele disse que eu tinha de ir treinar à experiência e recusei. Disse que sem assinar podia jogar dois ou três jogos, mas treinar à experiência não. Cheguei e fui para um clube que era o Al Shabab. No dia em que aterrei, de manhã, quando saio do avião estava a ver que morria. Estavam já 47/48 graus, queria respirar, não conseguia. Cada vez que olhava para alguém, elas de burka, eles com aquele ar...Só me perguntava: "O que é que eu vim para aqui fazer". A pessoa do clube que me foi buscar diz-me. "Vai dormir, à noite temos jogo". "O quê? Não posso jogar". Como a viagem tinha sido muito longa o meu joelho inchou e eu pensava: se eles me virem assim pensam que eu vim lesionado. Mas aquilo foi da viagem, tinha as pernas todas inchadas.

Jogou?
Chego à casa onde ia ficar, parecia uma casa abandonada. Tinha uma cama com um colchão e o ar condicionado estava na parede, só que à volta do ar condicionado via-se a rua. Ou seja, era um contraste do ar condicionado com o ar quente da rua (risos). Só fui ver o jogo, não joguei. Disse-lhes que tinha o joelho inchado por causa da viagem. Eles começaram logo a olhar para mim de lado. Quando estava a ver o jogo só pensava: "Isto não é futebol". Aquilo não era nada. Nem sei como é que eles conseguiam correr. Eram umas nove da noite e estavam para aí uns 45 graus.

Mas ficou.
Joguei passados dois dias. Ganhámos 2-1 e fiz um bom jogo. Passou dois dias e fizemos logo outro jogo. Voltei a jogar bem, quando chega a altura de assinar, o presidente foi-se embora. Já estava a ver aquilo a engonhar. Disse que no fim do 3.º jogo ou assinavam ou ia embora. O 3.º jogo era contra o Seeb Club, que foi a equipa para onde fui jogar depois.

Edgar também jogou na Austrália

Edgar também jogou na Austrália

D.R.

Como é que foi para lá?
Fiz um bom jogo. A meio do jogo o treinador adjunto da outra equipa ouve-me a falar francês e pergunta-me :"Já assinaste?". "Não". " Então não assines. Onde é que vives?". Dei-lhe a morada e ele: "Amanhã, se não estivermos lá às oito e meia da manhã para te apanhar tu podes assinar. Mas nós estamos lá a essa hora e vamos dar-te exatamente o que eles te dão. Só tens que nos dizer o que é que eles te dão". Eu depois menti. Disse que me davam mais, que me davam casa, carro, só não disse alimentação para não parecer muito mal (risos). Às oito e meia estavam lá. Neste clube pelo qual assinei o presidente era primo do Sultão Qaboos que é o rei lá do sítio. “Bem, aqui não me vai faltar nada” (risos). Comecei a jogar por essa equipa e foi o melhor que me aconteceu.

Culturalmente é uma realidade muito diferente da nossa...
...Eh pá. Em Omã comiam todos com as mãos, mas acabava o jogo e ninguém lavava as mãos. Eles davam sempre frango com arroz ao almoço e eles enrolavam o arroz e metiam na boca. Aquilo metia-me uma confusão, tanto que eu tinha de ser sempre o primeiro a tirar e depois ia-me embora e já não tirava mais nada (risos).

Estava sozinho ou havia mais portugueses?
Sozinho.

O que fazia nos tempos livres?
Aquilo tinha praia. Ia para a praia, passava muitas horas a fazer chamadas de vídeo para ver e falar com os filhos. Nessa altura o nosso treinador era da Roménia e tinha trazido um jogador que nunca jogava. Tentou arranjar problemas comigo para meter o outro. É que lá há limite de estrangeiros. Mas arranjou problemas para ele porque o presidente mandou-o embora. Nessa altura veio um treinador brasileiro, que era uma pessoa fantástica, um senhor. O campeonato parou, eles deram três semanas de férias. Nós sabemos que não podemos parar três semanas. Vim para Portugal, mas continuei a correr, a fazer o meu treino. Os meus colegas, tudo menos isso. Claro, chegamos lá perdemos o 1.º jogo. Estávamos a um ponto do 1.º, ficámos a quatro, a oito ou nove jornadas do fim. Um dos jogadores estrangeiros foi logo mandado embora. Jogos a seguir, empatámos e perdemos. Outro estrangeiro, fora. Achava aquilo estranho. Na semana em que me mandaram embora, no final de fevereiro, o diretor desportivo ligou-me e eu: "É para me dizer que vou embora? Qual é o dia em que viajo?". E ele: "Não somos nós é a estrutura do clube". “Vou embora porquê? Porque sou o jogador que ganhou mais jogos, porque tenho cinco ou seis golos, porque tenho não sei quantas assistências?". Disse-lhe que ia embora mas que tinham de pagar-me. Ele diz que há uma cláusula no contrato que diz que quando eles quisessem mandar embora, mandavam. Isso para a FIFA conta zero. Quando me deu a rescisão do contrato, recebi uma folha em que só faltava dizer que eu tinha sido o herói deles. Mandei a carta para a FIFA. Mais um. E pagaram.

Edgar está a jogar esta época no Amora FC

Edgar está a jogar esta época no Amora FC

D.R.

E foi parar à India.
Vou. Eu estava em Portugal, em contacto com a Pró-Eleven e surgiu a possibilidade de irem oito/nove jogadores portugueses dessa agência para a Índia, onde ia arrancar a primeira edição da Indian Super League. Foram aparecendo notícias. Assinou o Robert Pires, o Del Piero, David James, o Zico... .

Nunca tinha jogado com estrelas tão sonantes.
Não. Quando vi aquilo: "Mas espera aí, então estes vão e eu não posso ir?" [risos]. Disse-lhes que ia e depois tive sorte porque fiquei numa equipa, em Goa, onde muita gente fala português e tive companheiros de equipa como o Robert Pires, o André Santos e ambos falam português. Tive o Zico como treinador.

Como foi lidar com essas vedetas?
Foi fantástico. São pessoas que tu até pode pensar que são arrogantes que não devem falar com ninguém e afinal foi muito ao contrário. Todas as verdadeiras estrelas eram os mais ligados aos outros; os outros estrangeiros, que foram para lá e que se achavam uns craques, andavam de nariz empinado [risos]. Nunca tinha visto tanta riqueza à minha volta. Os hotéis onde ficámos, os clubes onde jogávamos, era tudo bom.

E o Zico?
Era muito simpático, estava sempre connosco, saíamos muitas vezes juntos.

Estava sem a família?
Sim, mas aí estávamos todos, só as grandes estrelas é que, se quisessem, podiam levar mulher e filhos. Foi bom porque vivemos em hotéis de cinco e seis estrelas, era quase mais férias do que outra coisa. Vi jogadores a comer sushi antes dos jogos, a ir para a piscina depois de almoço. Mas é engraçado que as verdadeiras vedetas, que já não tinham de provar nada, portavam-se melhor do que os outros [risos]. O Robert Pires era profissional a 100%, tanto que com 40 anos estava mais bem tratado do que muitos outros, bem mais novos.

Desportivamente correu bem?
Sim. Os primeiros jogos correram bem mas depois lesionei-me outra vez, numa bola dividida, fiz estiramento de ligamento, o que demora quatro semanas a recuperar. Na Índia, em quatro semanas, jogavam-se oito jogos, jogávamos à quarta e domingo. Quando estava bom para jogar o mister, o Zico, optou por colocar o André Santos a 10, não era a posição dele, mas... .

É por isso que muda de clube?
Eu deixei uma boa imagem na Índia porque os indianos, apesar do futebol não ser o desporto-rei, vivem muito aquilo, e aqueles passes de letra, as minhas jogadas individuais, eles ficavam malucos com aquilo. Entretanto tive oportunidade de conhecer vários empresários e outras pessoas ligadas a clubes na Índia. O Pune não fazia parte da Indian Super League, mas da I divisão indiana, ligou-me. Decidi que aceitava, apesar de não ter as mesmas condições, porque já não ia viver num hotel de cinco estrelas. Mas a Índia tinha-se revelado um país muito diferente daquilo que eu tinha em mente. Nós aqui temos a imagem de um país pobre, sujo, a cheirar mal, e não é bem assim. Vi riqueza na Índia que nunca vi em Portugal. E decidi que queria continuar.

D.R.

Faz um ano no Pune e regressa ao seu bem-amado Chipre. Porquê?
Sempre tive o cuidado de ter todos os meus jogos gravados. Em casa, como tinha algum tempo livre, editava os vídeos dos meus jogos, juntava as minhas melhores jogadas. Editei o vídeo do Pune e coloquei na página do FB. Passados dois ou três dias recebo uma chamada do presidente deste clube (Karmiotissa Polemidion) cipriota da II divisão. Outra figura que conheci. Ao princípio disse que não, porque se já a I liga era o que era, eu não queria imaginar a II. Depois ele explicou-me o que ia ser o projeto da equipa, já tinham um complexo para treinos e queriam muito subir à I Liga, etc, etc. Só que ao mesmo tempo ia questionando se eu tinha algum problema físico, porque tínhamos de falar de ordenados. Acabei por aceitar ir para lá. Levou-me para um condomínio de luxo em Limassol. Era de alguém que ele conhecia. Queria dar-me a entender que eu ia ter tudo o que quisesse. Fui para uma casa com piscina, onde estavam os jogadores do Apollon. Começámos a ganhar, estivemos sempre em 1.º. Quando chegou à altura do 1.º pagamento... . (risos). Ele tinha uma empresa de construção, fui lá e recebi quatro ou cinco notas de 500 euros que é como eles normalmente pagam. Faltava o resto. No segundo mês já nem quatro ou cinco notas, só foi uma. No 3.º mês, ordenados em atraso. Lesiono-me no joelho em que já me tinha lesionado antes. Fui fazer uma ressonância magnética e acusou um problema na cartilagem. Ele vem dizer-me que eu já tinha ido para lá lesionado. Era mentira, eu tive de fazer os exames médicos. Percebi logo que não queria pagar. Fui embora. Liguei para Portugal para um médico que conheço, o problema na cartilagem não era nada de grave mas tinha de estar cinco meses sem fazer nada. Fiz isso. Fui para FIFA contra eles e pagaram-me.

É nessa altura que vem para o Amora?
Não, antes disso ainda estive em dois clubes, na Grécia e um na Austrália. De outubro de 2017 a janeiro deste ano estive na Grécia, no Zakynthos. E de fevereiro até julho estive na Austrália. Mas no ano anterior também estive de janeiro a março no Acharnaikos da II liga grega.

Edgar organiza o Torneio Miranda CUP que ja vai na III Edição

Edgar organiza o Torneio Miranda CUP que ja vai na III Edição

D.R.

Ou seja, depois do Chipre...
...Quando eu ligava às pessoas sentia as pessoas a “saírem” um bocado, a pôr-se de fora. Não quis forçar. E nesse ano começo o Miranda Cup, um torneio que organizo em Miranda do Corvo, para crianças. Através do meu torneio conheci uma pessoa da Grécia. Na altura, a minha intenção era que ele trouxesse equipas gregas para vir participar no torneio. As coisas não aconteceram e há uma altura em que ele vê os meus vídeos do Pune. "Tu és este? Já não jogas? Isto foi o ano passado?". É nessa altura que ele me diz que está à frente do Archanaikos, de Atenas. Pediu-me para ir ajudá-lo com os mais novos. Assim foi. Cheguei lá, joguei, fiz uns dois ou três golos, assistências, a equipa estava bem e de um momento para o outro fechou-se a torneira. Só vives em Atenas se tiveres um ordenado minimamente aceitável. Entretanto, no balneário também houve um episódio chato.

Pode contar?
Nós temos aquelas conversas parvas entre jogadores, sobre os treinadores, os presidentes. Aquelas piadas que se mandam. E eu tive uma piada que não caiu bem, mas porque eu não sabia que o meu guarda-redes andava enrolado com a filha do tipo que me contratou.

Que piada?
A mulher dele é toda espalhafatosa, tem silicone, os lábios grossos....E nós estávamos na brincadeira e no meio daquilo eu disse: "Tás maluco? Nem dada". Disse uma coisa assim do género. O atrasado mental em vez de estar calado porque é uma conversa de balneário foi-lhe contar. Ele ficou chateado comigo. Eu disse-lhe que eram brincadeiras, mas que se ele não confiasse em mim que fizesse as minhas contas que eu regressava a Portugal. Só que houve um problema. O presidente e o vice-presidente queriam que eu ficasse lá, porque eu ajudava a equipa. Mas quem punha o dinheiro estava com problemas comigo. Vim embora para Portugal. Estou em Portugal e começo a tratar mais a sério do meu torneio, já a pensar que o futebol tinha acabado para mim.

Mas estava a contar que volta à Grecia.
Já tinha começado o campeonato, recebo algumas chamadas, uma delas era do braço direito do tipo que me levou a primeira vez para a Grécia. Ele gostou muito de mim. Disse que tinha um treinador da confiança que precisava de um jogador com as minhas características. Eu avisei que não estava a treinar, mas disse-me para não me preocupar. Fui então para o Zakynthos e estive lá durante três meses. Quando as coisas estavam a correr bem, ligam-me da Austrália, também por causa do torneio, para algumas equipas australianas virem participar. Acabei por conhecer um investidor que tinha acabado de investir numa equipa australiana, o Richmond SC, que me fez uma proposta tentadora. Pelo projeto em si e o país que era, que sempre quis conhecer... .

Edgar com os quatro filhos, Matilde, Martim, Bernardo e Salvador (da esquerda para a direita)

Edgar com os quatro filhos, Matilde, Martim, Bernardo e Salvador (da esquerda para a direita)

D.R.

O que é que a Austrália tinha de especial para si?
Tudo o que via e lia dava a entender que é um país fantástico, com animais exóticos, belas praias e montanha. Sempre gostei de conhecer novos países, por isso.

Correspondeu às expetativas?
Superou.

Porquê?
Melbourne, que foi onde estive, é uma cidade fantástica.

Não se importava de ter continuado lá?
Voltava para lá, mas nunca nas mesmas condições.

O que aconteceu desta vez?
(risos) As coisas estavam a correr muito bem, era o melhor jogador da equipa, fazia muitos golos, muitas assistências, mas em Fevereiro quando acordei o contrato com este presidente deixei-lhe claro que como o campeonato lá ia começar no final do mês de fevereiro e terminava em setembro, no mês de junho eu tinha de estar em Portugal para o meu torneio. Era ponto assente. Colocámos uma cláusula no contrato em como eu tinha de vir a Portugal a seguir ao último jogo e no final do torneio tinha dois dias para estar presente em Melbourne, caso contrário tinha que pagar o contrato na totalidade. Vim para o meu torneio e fiz o que concordámos. Chegava a Austrália numa sexta-feira e no sábado tinha jogo. Antes de ir, vi que a equipa tinha perdido um jogo e empatado o outro, ficámos a sete pontos do 1.º e, como só subia um, estávamos em maus lençóis. Quando lá cheguei quase me acusou da equipa não ter a vitória nesses dois jogos e foi um bocado mau, porque queria reduzir-me o ordenado em 60% e eu disse-lhe que não; se fosse para isso que fizesse as minhas contas que no dia a seguir vinha embora. Chegámos a um acordo, cheguei na sexta e no sábado ao fim do dia estava de volta a Lisboa, mas enganado mais uma vez.

Porquê?
Porque nessa rescisão que assinámos tinha uma transferência feita para a minha conta e essa transferência enquanto viajei foi cancelada, 24horas antes do prazo. Mas não fui para a FIFA.

Teve pena de vir embora?
Tive e não tive. Estar na Austrália não é propriamente estar na Grécia ou no Chipre e quando se tem quatro filhos como eu... .

Não falamos ainda do 4.º filho.
O Bernardo nasceu no primeiro ano em que estava na Grécia. Mesmo pelos meus filhos chega a uma altura em que eles sentem a falta do pai.

Começaram a reclamar muito a ausência.
Sim. Uma mãe não é mãe e pai. Pai é pai, mãe é mãe. Como é óbvio sei que estando presente os meus filhos são uma coisa, quando não estou presente, são outra. Sei disso até pelo que as professoras e os treinadores dos meus filhos dizem. Chega uma altura da tua vida em que não podes ser egoísta ao ponto de...Como é óbvio para mim é bom estar na Austrália, financeiramente é diferente, só que não há dinheiro neste mundo que pague veres os filhos crescer.

O que é que gostou mais na Austrália?
A forma das pessoas viverem. Cada um vive a sua vida, trabalham, fazem aquilo que lhes dá na alma e não estão nem aí para se o outro do lado está a ver ou ouvir.

Edgar confessa que não quer pensar ainda em pendurar as chuteiras

Edgar confessa que não quer pensar ainda em pendurar as chuteiras

Nuno Botelho

Como é que surge o Amora?
Curiosamente acho que o meu torneio, nos últimos três anos tem trazido mais a mim do que ao torneio (risos). Já me tinham falado do que estava a acontecer no Amora. Há um dia em que estou com o Manuel, da BluePrivate, a tomar café em Telheiras, estamos a falar da possibilidade dele trazer algumas equipas ao torneio e não sei porquê começamos a falar do Amora. E às tantas ele pergunta-me "Mas jogavas no Amora?". E eu respondi: "Já joguei em tanto lado, não tenho problemas". Estivemos a falar do projeto, falou-me das pessoas que estavam envolvidas e... É assim, num primeiro impacto foi um choque estar jogar no CNS Portugal, mas chegas a uma altura na idade e na carreira que tens de saber quais são os prós e contras e quais são os limites. Já estive em muitos clubes diferentes, uns mais profissionais do que outros. Depois de chegar ao Amora e de perceber o que era o projeto, achei tentador.

O que é que o aliciou?
Tudo. O complexo, o novo estádio, o que o Amora tem vindo a fazer nos últimos meses. O cuidado que as pessoas têm com os jogadores. Chegamos e temos o pequeno almoço para os jogadores, temos suplementos, carinho. Tens a verdade no dia a dia, sem enganos. Também não escondo que a minha ideia era ficar por perto de Lisboa, dos meus filhos e dar continuidade a este meu outro projeto que é o torneio, que de um momento para o outro ganha uma dimensão grande.

Mas o que o fez querer continuar a jogar, o dinheiro?
Dinheiro nunca é demais, mas quem anda nisto...Eu tenho quase mais tempo de futebol do que infância. Jogo futebol desde os 10 anos e sou profissional desde os 15. Quando entras neste mundo o mais difícil é saíres.

Mas não passa também por não saber muito bem o que vai fazer quando tiver que pendurar as chuteiras?
Eu sei que esse dia, mais dia menos dia, vai ter que chegar.

Mas não quer enfrentá-lo.
Não, não quero. Não quero porque quem tem o prazer como eu tenho de estar aqui no Amora... Nós temos um grupo fantástico e parecendo que não, ainda passamos muitas horas juntos, as brincadeiras que temos entre nós, essa camaradagem, dá-me muito prazer estar aqui. E depois tu esqueces um bocado que estás no CNS.

Mas já pensou no dia em que vai ter de pendurar as botas ou não?
Depois das lesões graves por que passei, esse momento já podia ter chegado mais do que uma vez. Não chegou, levantei-me sempre. E ainda me sinto com capacidade e condições para jogar durante mais algum tempo.

E o pós-futebol?
Não quero pensar e quero pensar nisso (risos).

O que se vê a fazer?
Qualquer coisa.

Gostava de ser treinador?
Não. Só de crianças. Vejo-me a ser treinador de crianças, a estar à frente de uma escola de crianças, vejo-me a organizar eventos. Se calhar foi por isso que fui para Economia (risos).

Nunca pensou em retomar os estudos?
Não. Vejo-me ligado ao futebol, mas não como treinador. Ser treinador hoje não é só ir para o banco dar instruções, há todo um trabalho à volta. E não me sinto neste momento um treinador com grandes capacidades para estar à frente de uma equipa.

Onde é que ganhou mais dinheiro?
Na Índia.

Meteu-se alguma vez em algum negócio?
Meti. Num bar-restaurante em Coimbra com quatro sócios. Não correu bem, fui enganado.

Qual foi o treinador que mais o marcou pela positiva?
O Fernando Santos, que apanhei ainda no Sporting. Como eu jogava na equipa B, muitas vezes ia à equipa principal e joguei alguns jogos pela equipa dele.

O que gosta nele?
A sinceridade, aquela forma um bocado dura de falar com os miúdos. Acho que tu aí percebes, abres os olhos e respeitas. Mas houve um treinador da formação do Sporting de que gostei muito, o Luís Martins. E o João Couto também. E houve um treinador que me marcou quando tinha 14 anos, o ano em que assinei o meu contrato com o Sporting, o Carlos Pereira, irmão do Aurélio Pereira.

8
1