www.publico.ptpublico@publico.pt - 16 set 07:30

O PCP prefere o fascismo à Europa?

O PCP prefere o fascismo à Europa?

A nova geração dos dirigentes do PCP parece ser ainda mais integrista e menos flexível do que a dos seus antecessores.

Prevejo que a pergunta do título possa provocar indignação entre os comunistas portugueses. E, no entanto, não faço mais do que interrogar-me, tão seriamente quanto possível, sobre o sentido de voto dos eurodeputados do PCP contra as sanções aprovadas no Parlamento Europeu (PE) ao actual Governo húngaro liderado por Victor Orbán, mas também sobre o posterior comunicado dos comunistas visando explicar esse voto – e que revela uma total esquizofrenia.

Aí, o PCP “denuncia e condena firmemente os ataques à democracia, aos direitos sociais, às liberdades e garantias fundamentais dos cidadãos na Hungria”. Só que isso não o impediu de votar – juntando-se às forças mais reaccionárias, xenófobas e fascizantes – contra as sanções do PE ao Governo de Orbán. Porquê? Porque o PCP rejeita que a pretexto desta situação a UE “tente abrir caminho ao incremento das suas ameaças, chantagens, imposições e sanções contra os Estados e os seus povos”. Mais: o “avanço da extrema-direita e de forças fascizantes na Europa” deve-se ao “aprofundamento do carácter supranacional da UE e das suas políticas” e ao “seu crescente desrespeito da soberania nacional e dos direitos sociais”.

É raro encontrar um exemplo tão consumado de hipocrisia e de prestidigitação política que ultrapassa mesmo exemplos anteriores da duplicidade do PCP. Condena-se o Governo húngaro mas rejeitam-se as sanções contra ele em nome da falta de “autoridade da UE para se arvorar em juiz ou sequer referência no que à democracia e aos direitos humanos diz respeito”. Se não fosse a UE, depreende-se, não teria acontecido o avanço das forças fascizantes na Europa. Qual a saída? A escolha mais óbvia seria não votar a favor ou contra as sanções (uma vez que se condena simultaneamente o Governo húngaro e a UE), mas preferir a abstenção. Seria pedir demais, porém, a um partido cuja eurofobia militante ultrapassa, sem qualquer pudor, a sua hipócrita e incongruente condenação do regime húngaro. O PCP não hesitou em deixar cair a máscara e pôr a nu as suas insanáveis contradições, quando invoca uma sacrossanta soberania nacional a que historicamente sempre foi avesso no tempo da URSS (e das invasões da Hungria e da Checoslováquia pelos tanques soviéticos, aprovadas pelos comunistas portugueses). Votou, pois, contra as sanções ao aprendiz de fascista Orbán, que lhe parece preferível à odiosa UE.

Significativamente, a nova geração dos dirigentes do PCP parece ser ainda mais integrista e menos flexível do que a dos seus antecessores. E podemos vislumbrar o rosto desse integrismo através do olhar glacial do eurodeputado João Ferreira, que acumula essas funções com as de vereador da Câmara de Lisboa, uma duplicação chocante segundo os critérios éticos do PCP mas bem reveladora do poder deste jovem quadro político de 39 anos. É essa geração que encarna um radicalismo simétrico da extrema-direita populista e eurocéptica para quem a prioridade número um é a destruição do que resta da União Europeia e o fechamento num mítico e arrogante soberanismo nacionalista.

Há decerto muitas razões para criticar o caminho que a Europa tem trilhado desde os primeiros tempos da CEE, com os imponderados alargamentos a novos países que não cumpriam os critérios de integração, e a perversão burocrática e tecnocrática das instâncias dirigentes europeias. O cruzamento dessas derivas, exacerbadas pela questão migratória, trouxe-nos à crise que a Europa hoje atravessa e às ameaças que as eleições de 2019 colocam à sobrevivência do projecto europeu. Mas trocar as voltas à realidade não chega para disfarçar a verdadeira face dos que sempre rejeitaram esse projecto e se identificam, no fundo, com uma nostalgia do autoritarismo – seja de direita, seja de esquerda, ou convergindo ambos numa nocturna terra de ninguém onde todos os gatos são pardos.

1
1