www.publico.ptpublico.pt - 16 set 18:17

Câmara do Funchal aguarda "esclarecimentos" sobre peritagem à queda de árvore

Câmara do Funchal aguarda "esclarecimentos" sobre peritagem à queda de árvore

Jornal regional diz que a peritagem terá ocultado a existência de um fungo na árvore, o que poderá ter contribuído para o colapso, em 2017. A denúncia foi feita ao Ministério Público por um técnico nomeado pela Diocese do Funchal que participou nas

A Câmara Municipal do Funchal disse neste domingo que aguarda "esclarecimentos" do técnico responsável pela peritagem à árvore que caiu no Monte, em 2017, matando 13 pessoas, depois de o jornal JM ter noticiado que foi ocultada a existência de um fungo.

"Fomos surpreendidos com essa notícia", afirmou o presidente da autarquia, Paulo Cafôfo, sublinhando que solicitou imediatamente esclarecimentos ao técnico, um professor universitário de Trás-os-Montes a quem a autarquia adjudicou a peritagem à queda do carvalho, ocorrida no Largo da Fonte, a 15 de Agosto do ano passado, dia de Nossa Senhora do Monte, padroeira da Madeira.

O jornal JM noticiou na edição de sábado, 15 de Setembro, que a peritagem terá ocultado a existência de um fungo na árvore, o que poderá ter contribuído para o colapso.

A denúncia foi feita ao Ministério Público por Rocha da Silva, um técnico nomeado pela Diocese do Funchal que participou nas primeiras peritagens.

"Nós pedimos esclarecimentos ao técnico contratado [pela autarquia] e aguardamos esses esclarecimentos, esperando que haja uma explicação para a notícia que veio a público", disse Paulo Cafôfo, à margem da abertura da Semana da Mobilidade do Funchal, vincando que os responsáveis municipais estão "sempre dispostos a colaborar com a Justiça".

O autarca, eleito pela coligação Confiança (PS/BE/JPP/PDR/Nós, Cidadãos!), reafirmou que objectivo da câmara é que "a verdade venha ao cimo de tudo".

"Esta é uma situação difícil para todos nós, é difícil acima de tudo para as famílias das pessoas que ali perderam a vida", salientou, sublinhando, no entanto, que a autarquia tem mantido uma "total tranquilidade e serenidade", colaborando sempre com a Justiça.

Paulo Cafôfo reforçou que, neste caso, os esclarecimentos solicitados ao técnico têm "obrigatoriamente" de ser prestados.

Na sequência da queda do carvalho no Largo da Fonte, o presidente da autarquia, a vereadora do Ambiente e um funcionário camarário foram constituídos arguidos.

1
1