expresso.sapo.ptexpresso.sapo.pt - 15 set 18:51

Líder das mulheres de Cutiá, na Guiné-Bissau, garante fim da excisão genital. Médico local diz que não há certezas

Líder das mulheres de Cutiá, na Guiné-Bissau, garante fim da excisão genital. Médico local diz que não há certezas

Binta Manjam afiançou às secretárias de Estado portuguesas Rosa Monteiro (Cidadania e Igualdade) e Rosa Matos (Saúde) que a mutilação genital feminina deixou de ser praticada no norte da Guiné-Bissau. Ativistas e médico local advertem, contudo, que só se saberá se a excisão foi erradicada ou não nos partos em ambiente hospitalar

Binta Mandjam, líder das mulheres de Cutiá, no norte da Guiné-Bissau, afirmou perante duas secretárias de Estado portuguesas que "há muito que não se pratica o fanado”, como é conhecida a prática da mutilação genital naquela comunidade. Cutiá é uma das várias localidades guineenses onde atuam organizações da sociedade civil da Guiné-Bissau e de Portugal no combate às práticas nefastas à saúde da mulher e da criança, nomeadamente o casamentos precoce e forçado e, sobretudo, a mutilação genital feminina.

Durante a visita de cinco dias a Guiné-Bissau, que terminou este sábado, as secretárias de Estado portuguesas para Cidadania e Igualdade, Rosa Monteiro, e da Saúde, Rosa Matos, visitaram várias comunidades na capital e no interior da Guiné-Bissau para constatarem o que tem sido feito. O Governo português é um dos principais financiadores das ações das organizações que visam a defesa da mulher, tendo-se deslocado, sexta-feira, as duas governantes portuguesas a Cutiá e Mansoa, onde conversaram com líderes comunitários e chefes religiosos locais, os imãs.

No alpendre da casa do imã Bacar Seidi, em Cutiá, e perante cerca de duas dezenas de pessoas, na sua maioria mulheres, a líder comunitária Binta Mandjam garantiu que na aldeia já não se pratica a excisão e que se souber quem a faça vai denunciar a situação à presidente do comité para o abandono das práticas nefastas à saúde da mulher e criança, Fatumata Djau Baldé.

O único problema, disse Mandjam, é que não tem um telemóvel para fazer as denúncias. O problema foi de pronto resolvido, com Djau Baldé, antiga chefe da diplomacia guineense, a entregar dinheiro à líder comunitária para que compre um aparelho. “De agora em diante quem ousar fazer o fanado, se eu souber, ligo-lhe diretamente e informo", declarou a líder das mulheres de Cutiá, dirigindo-se a Djau Baldé.

As duas secretárias de Estado portuguesas assistiram à conversa, tendo ambas apelado ao abandono da mutilação genital feminina e pedido aos pais para levaram as meninas à escola. O compromisso de Binta Mandjam e a atitude de Djau Baldé mereceram rasgados aplausos dos presentes, que foram à casa do chefe religioso Bacar Seidi para acolherem as hóspedes portuguesas.

As governantes portuguesas ainda ouviram o diretor da única escola pública de Cutiá, Yaya Sow, lamentar-se de falta de água potável, cursos de alfabetização para adultos e ainda da falta de salas de aulas para acolher os 800 alunos da vila. O diretor da escola queixou-se também que só conta com 22 professores (dos quais quatro do sexo feminino) para responder à cada vez maior demanda do ensino formal, sobretudo das raparigas. Segundo o diretor e professor da escola do Ensino Básico – até ao sexto ano –, a escola de Cutiá tem cerca de 400 alunos do sexo feminino, o que, disse, demonstra que as raparigas vão à escola.

Em Mansoa, ativistas locais que trabalham na sensibilização à população sobre os riscos da prática da mutilação genital feminina também explicaram que o fenómeno "está a acabar", mas o médico Duarte Castillo disse ser "difícil perceber se de facto há ou não a erradicação" da excisão, já que, regra geral, as mulheres só vão ao médico no trabalho do parto. “Se a mulher é excisada só o vais saber lá mais para frente, se um dia for ao hospital em trabalho do parto”, observou o médico.

O ativista Alfa Umaro de Mansoa contou à Lusa que cada vez mais a excisão é feita às crianças de tenra idade, o que, disse, se torna difícil saber, já que não há festas "como no passado" para anunciar o acontecimento nas comunidades.

1
1