desporto.sapo.ptdesporto.sapo.pt - 15 set 22:43

Roubo de bandeira e "ataque xenófobo sem precedentes" levam Aves a cortar relações com o Paços

Roubo de bandeira e "ataque xenófobo sem precedentes" levam Aves a cortar relações com o Paços

O Aves anunciou o corte de relações institucionais com o Paços de Ferreira.

Clube da Vila das Aves fala de insultos xenófobos a Wei Zhao, líder da SAD e a roubo de bandeira durante a partida desta tarde com os 'castores'.

Recorde-se que o Aves já tinha ameaçado com o corte de relações depois do P. Ferreira ter confirmado que ia cumprir jogo de castigo frente ao Aves.

Leia o comunicado na íntegra:

"O Clube Desportivo das Aves vem por este meio informar todos os sócios, adeptos e demais interessados que as relações institucionais com o FC Paços de Ferreira estão irremediavelmente cortadas.

Além dos motivos expostos no comunicado do passado dia 13, hoje fomos surpreendidos por duas situações inaceitáveis.

Em primeiro lugar: no decorrer do jogo de hoje que, como é do conhecimento público, se realizou à porta fechada, o símbolo maior do CD Aves, a sua bandeira, foi furtada!

Como já é normal, a bandeira foi entregue antes início da partida para que fosse hasteada. Acontece que, no fim do encontro, não havia sinal dela… Isto, por si só, demonstra um total desrespeito pela nossa instituição.

Não sabemos quem cometeu tal crime mas sabemos que a bandeira foi entregue à responsabilidade do FC Paços de Ferreira.

Contudo, desengane-se quem acha que acabou de ler o cúmulo do desrespeito.

Após o final do encontro e até ao momento em que a comitiva Avense deixou o Estádio da Capital do Móvel, um grupo de adeptos pacenses permaneceu junto do parque de estacionamento e – de forma indesculpável – insultou toda a comitiva do nosso clube, com especial preferência pelo Presidente do Conselho de Administração, que viu a sua nacionalidade ser alvo de um ataque xenófobo sem precedentes.

Tudo isto se passou na presença de dirigentes do FC Paços de Ferreira, responsáveis de segurança, forças policiais e delegados da Liga Portugal sem que ninguém tomasse medidas efectivas para afastar esse grupo de adeptos.

Estamos certos de que as instâncias desportivas competentes não deixarão de tomar as devidas medidas que se esperam severas. Aguardaremos para perceber se, também desta vez, será prescindindo o prazo de recurso!

A Administração,

CD Aves – Futebol SAD"

1
1