www.jn.ptjn.pt - 15 set 18:37

Alfa Pendular circulou a alta velocidade com avaria grave

Alfa Pendular circulou a alta velocidade com avaria grave

Um comboio Alfa Pendular que, na tarde da última terça-feira, fazia a ligação entre Lisboa e Braga sofreu uma avaria considerada grave, que obrigou ao transbordo dos passageiros na estação de Campanhã, no Porto. Numa viagem em que chegam a ser atingidos os 220 quilómetros por hora, os rolamentos de um dos rodados griparam, fazendo com que o veio que liga as rodas de uma carruagem derretesse devido às altas temperaturas.

Apesar de testemunhas terem visto fumo à passagem do comboio por Aveiro, a avaria só foi descoberta quando, com este já parado na estação de Campanhã, passageiros e técnicos da EMEF perceberam que o veio estava incandescente.

A Comboios de Portugal refere que só fala após a conclusão do inquérito entretanto instaurado. Mas fontes contactadas pelo JN garantem que o caso, que teve lugar precisamente no dia em que decorreram 33 anos do acidente de Alcafache, o maior desastre ferroviário em Portugal, que causou mais de 200 mortos, poderia ter tido consequência dramáticas. E, em última instância, poderia ter provocado o descarrilamento do Alfa Pendular.

O Sindicato Nacional Democrático da Ferrovia (SINDEFER) defende até que "um dia não há milagre...". "O incidente poderia ter tido consequências gravosas", acrescenta Francisco Fortunato. Segundo este dirigente sindical, a falta de material circulante, aliada à falta de trabalhadores da EMEF, empresa responsável pela manutenção dos comboios, e à continuação da "oferta comercial" nos moldes de sempre, faz com que "estejam reunidos os ingredientes que tornam a situação explosiva". "Um acidente pode sempre acontecer, mas é mais provável que ocorra na atual conjuntura. Os ciclos de manutenção do material circulante são cada vez mais largos", justifica.

O presidente do SINDEFER alerta ainda que "a degradação da infraestrutura [linhas férreas] potencia a ocorrência de acidentes". "Tenho a informação que o sistema de deteção de pontos quentes [usado para identificar eventuais avarias] da Linha do Norte foi desativado", revela. Em resposta a esta questão, a Infraestruturas de Portugal, que tem a seu cargo a manutenção da linha férrea, alega que "o referido sistema é complementar/auxiliar de segurança e só é de instalação obrigatória em canais interoperáveis, nos quais o material circulante não disponha de instrumentação própria a bordo".

1
1