www.sabado.ptFlash - 13 set 11:33

Despertar do pesadelo

Despertar do pesadelo

Frederico Varandas é o homem que tem a oportunidade de devolver estabilidade e serenidade ao universo leonino. - Opinião , Sábado.

Os sócios do Sporting elegeram o seu 43.º presidente no acto eleitoral mais concorrido da história do clube. Frederico Varandas é o homem que tem a oportunidade de devolver estabilidade e serenidade ao universo leonino. O médico de 38 anos recebe uma pesada herança. Os tempos de alucinação e hostilidade não aconteceram apenas a partir de Maio, com os ataques à Academia. Foram uma constante nos cinco anos de Bruno de Carvalho, o grande autor e protagonista de um reality show reles, perigoso, nocivo e doentio.

Viveram-se tempos de guerra, medo e paranóia, através de uma liderança agressiva que não só fraccionou o universo leonino como serviu para degradar, ainda mais, o já mau ambiente que existia (e existe há muitos anos) no futebol português. Num clube habituado a viver várias crises – e a ultrapassá-las –, nenhuma terá sido tão grave como a que foi criada pelo anterior líder directivo. Não contente com tudo o que fez e desfez, promete não deixar o Sporting em paz e continuar a reclamar pelo lugar que o próprio hipotecou e desrespeitou.

Costuma dizer-se que amar também é deixar partir, mas há muito tempo que BdC perdeu a faculdade de perceber que o maior mal do Sporting nos últimos tempos foi ele mesmo. Um mal que deixou de estar no poder e que tenderá a dissipar-se até que não mais não seja do que do que uma má recordação. Porque o clube – como acontece sempre com os clubes grandes – sobrevive aos bons e aos maus dirigentes. E com maior ou menor dificuldade, mais ou menos tempo, acaba por reencontrar a sua grandeza.

Essa é a missão a cargo de Frederico Varandas. Há desafios urgentes em todas as frentes. Para começar, os problemas financeiros (com os empréstimos obrigacionistas), as rescisões de jogadores (seja por via de acordo com os actuais clubes ou deixando que a justiça decida), a fome de títulos no futebol profissional (tentando ganhar um campeonato que foge há 15 anos) e, acima de tudo, a necessidade de unir o Sporting através de um rumo saudável e equilibrado. Nesse aspecto, Varandas parece muito diferente (para melhor) de Bruno de Carvalho. O trabalho da Comissão de Gestão também serviu para apanhar os cacos e entregar o clube numa situação menos débil.

Em Alvalade vivem-se os primeiros minutos da manhã depois de uma noite agitada e recheada de pesadelos que teimavam em não acabar. É tempo de abrir os olhos e não voltar a cair na hipnose degradante do passado recente.

1
1