eco.pteco.pt - 12 ago 11:12

Acionistas do Fortis têm um ano para reclamar indemnizações

Acionistas do Fortis têm um ano para reclamar indemnizações

São elegíveis “todas as pessoas singulares que possuem ou adquiriram ações Fortis em qualquer altura entre o encerramento de contas de 28 de fevereiro de 2007 e 14 de outubro de 2008”.

Os acionistas do antigo banco franco-belga Fortis, que é acusado de ocultar informação aos investidores e acabou por entrar em liquidação, dando depois origem à seguradora belga Ageas, podem pedir indemnizações até julho de 2019, foi anunciado este domingo.

Segundo um comunicado publicado na imprensa em Portugal, em causa está um acordo de liquidação celebrado entre a Ageas e cinco empresas que reclamam danos dos acionistas na Europa (VEB, Deminor, SICAF, Stichting e FortisEffect), que já foi aprovado pelo Tribunal de Amesterdão visando “conceder uma compensação aos acionistas elegíveis relativamente aos acontecimentos ocorridos entre 2007 e 2008 na ex-Fortis”.

“Trata-se de acontecimentos que podem ter afetado o preço das ações, em particular a comunicação Fortis (ou a ausência da mesma) e a sua política no que diz respeito à sua posição financeira”, indica a nota, numa alusão à alegada ocultação de informação relevante aos acionistas sobre a situação do grupo, que originou uma intervenção do Governo holandês.

O acordo cria, assim, “o direito de requerer uma indemnização” para os acionistas elegíveis.

São elegíveis “todas as pessoas singulares que possuem ou adquiriram ações Fortis em qualquer altura entre o encerramento de contas de 28 de fevereiro de 2007 e 14 de outubro de 2008”, refere o comunicado.

Assim, “todos os que pretendem a elegibilidade para a indemnização ao abrigo do acordo devem enviar um formulário de pedido”, que terá de ser remetido ao administrador de reclamações, “no máximo, até 28 de julho de 2019”.

Num comunicado divulgado em 2016, a Ageas já admitia as indemnizações aos acionistas afetados pela situação na Fortis, falando num total de 1,2 mil milhões de euros.

Após a queda da Fortis em 2008, aquilo que restou do grupo transitasse para uma nova seguradora, a Ageas, dois anos depois. A Ageas herdou, assim, os ativos e a atividade nos seguros e banca da Fortis, enfrentando ainda processos legais contra o antigo banco, nomeadamente na Bélgica e na Holanda.

Em Portugal, a Fortis chegou a ter participação no BCP, mas saiu em setembro de 2008.

No ano passado, a Ageas Seguros registou um resultado líquido de 960 milhões de euros em 2017, mais 239 milhões do que no ano anterior.

Este resultado representa um aumento de 33,1% face aos 721 milhões de euros de lucros registados em 2016.

O grupo Ageas está presente em 16 países (sobretudo Europa Central e sudeste Asiático), contando com 12 mil trabalhadores e com um volume de negócios de cerca de 27 mil milhões de euros, segundo informação da empresa.

Em Portugal, a Ageas ocupa a segunda posição no mercado de seguros, a seguir à Fidelidade.

1
1