desporto.sapo.ptdesporto.sapo.pt - 12 ago 22:21

Europeus/Glasgow: Mau tempo e ‘azar’ na estrada afetaram ciclismo português

Europeus/Glasgow: Mau tempo e ‘azar’ na estrada afetaram ciclismo português

Apenas um dos quatro ciclistas lusos cortou a meta.

As condições climatéricas e vários ‘azares’ afetaram hoje a seleção portuguesa de ciclismo de estrada na prova de fundo dos Europeus, em Glasgow, Escócia, sendo que só um dos quatro ciclistas cortou a meta.

Só José Gonçalves terminou os 230,4 quilómetros do circuito escocês, a 3.47 minutos do vencedor, o italiano Matteo Trentin, e mesmo o homem da Katusha-Alpecin admitiu, no final da tirada, que “as sensações não foram as melhores”.

“A falta de ritmo impediu-me de fazer melhor, ainda por cima tive algumas dificuldades de digestão. Não consegui dar mais”, disse o corredor luso.

O mau tempo, incluindo períodos de chuva, afetou a maior parte do pelotão, com as desistências a somarem-se ao longo de toda a prova, por incapacidade física, quedas, ou por vários problemas na bicicleta que as más condições trouxeram ao pelotão, de furos a problemas mecânicos.

Ricardo Vilela sofreu um furo e abandonou a meio da prova, mais ou menos na mesma altura em que Tiago Machado também se viu forçado a parar, neste caso por uma avaria nas mudanças.

A 80 quilómetros do fim, Rui Costa, campeão do mundo em 2013, circulava perto do atual tricampeão mundial, Peter Sagan, mas teve também de dar por terminada a corrida, a par do eslovaco, neste caso por estarem já atrasados em relação ao grupo da frente.

“A corrida foi muito bem disputada, acabando por tornar-se dura pela forma como os corredores se entregaram e nas condições adversas em que foi disputada”, explicou o selecionador português, José Poeira.

Depois de a Bélgica impor um ritmo forte, uma fuga de uma dezena de corredores acabou por aproveitar uma abertura nas últimas dezenas de quilómetros para fugir e distanciar-se do pelotão, numa altura em que Portugal tinha já reduzida capacidade de resposta.

“Tivemos alguns azares, mas não foi isso a determinar o nosso resultado. Temos de admitir a superioridade dos adversários”, apontou o técnico luso.

No final, Matteo Trentin terminou a prova ao final de 5:50.02 horas, batendo o holandês Mathieu van der Poel, segundo, e o belga Wout van Aert, terceiro, com apenas 51 ciclistas, dos 136 inscritos, a terminarem a prova.

1
1