blitz.sapo.ptblitz.sapo.pt - 12 ago 09:15

A enorme playlist de Francisco Geraldes, o futebolista melómano a quem os colegas dizem “pareces um velho”. Dos Tame Impala aos Led Zeppelin

A enorme playlist de Francisco Geraldes, o futebolista melómano a quem os colegas dizem “pareces um velho”. Dos Tame Impala aos Led Zeppelin

O jogador que o Sporting emprestou ao clube alemão Eintracht Frankfurt não consegue viver sem música. Com a BLITZ partilhou a banda-sonora dos seus dias, comentou alguma das escolhas, falou dos festivais da sua predileção e de como os colegas encaram os seus gostos musicais

Aos 23 anos mudou de ares, tendo sido emprestado por uma temporada pelo Sporting - clube onde se formou - aos alemães do Eintracht Frankfurt, depois de épocas promissoras no Moreirense e no Rio Ave. Francisco Geraldes é jogador de futebol, já foi internacional nas camadas jovens por Portugal e quer mostrar 'serviço' pelo clube centenário que este domingo disputa a Supertaça da Alemanha com o Bayern Munique.

Na sua vida cabem, porém, outros prazeres. Além de um já conhecido gosto pela leitura, Geraldes é também um melómano convicto. No seu Facebook partilhou, inclusive, uma playlist da BLITZ que reúne as canções que Xabi Alonso, aquele que apelidámos como "o mais alternativo dos futebolistas", partilhou ao longo da sua carreira nas redes sociais.

A BLITZ pediu-lhe uma playlist e rapidamente o futebolista nos "entregou" 14 horas de música, quase 200 canções. Cabe quase tudo: do rock à ópera, do indie à soul, do heavy metal ao hip-hop. Tão depressa nos dá a ouvir Tame Impala, Led Zeppelin, Sam Cooke, Johnny Cash, Alter Bridge, Pink Floyd, Benjamin Clementine ou Sam the Kid.

"Sempre me fui habituando involuntariamente a ouvir muitos estilos de música. O meu avô é um amante da música clássica e ópera, muitas foram as vezes que me ofereceu sinfonias ou concertos de Pavarotti. Por oposição, a banda predileta do meu pai é Queen, por isso também tenho essa veia do rock. Com o tempo e com amigos que adoram música fui-me habituando a querer conhecer e ouvir coisas novas", começa por dizer-nos.

Quando lhe perguntamos qual foi o último concerto que viu, Geraldes atira: "Benjamin Clementine no Super Bock Super Rock". Não esconde a predileção pelo músico inglês, considerando que "é absurda a qualidade musical deste homem". Gostava, porém, de ter mais tempo para outros festivais. "Sigo-me mais por cartazes e não pelo festival em si. Já fui ao Primavera com o propósito de ver Damien Rice e Jungle; ao Paredes de Coura para ver Foxygen, Tallest Man on Earth e Benjamin Clementine... O Alive também tem sempre um ótimo cartaz, principalmente no palco secundário. Lembro-me de aí ver Portugal the Man, Of Monsters and Men ou Daughter.

Se na Alemanha ainda não teve tempo para assentar, Geraldes promete apanhar os Shinedown aquando da passagem da banda norte-americana de hard rock por Frankfurt. "O Brent Smith tem uma voz inacreditavelmente boa". No passado, já tentou convencer alguns colegas de equipa a apontar as 'antenas' para outras músicas - "consegui que o Yuri Ribeiro [com quem jogou no Rio Ave] ouvisse um pouco mais de rock" - mas o 'sucesso' é variável. "Sempre me chamaram de 'velho' no que toca ao gosto musical. Lembro-me de o Podence brincar comigo: 'quando tiveres 50 anos vais ouvir o quê?'" (risos)

Ouça a playlist de Francisco Geraldes (este 'preview' mostra apenas as 100 primeiras; para ouvir a totalidade clique em cima do nome da playlist ou escolha a opção de 'play on Spotify')

1
1