www.jornaleconomico.sapo.ptPedro Lino - 10 ago 00:16

Terreno desconhecido

Terreno desconhecido

A zona euro não está preparada para guerras comerciais, muito menos financeiras. Trump tem consciência desta debilidade e sabe que o tempo joga a seu favor.

Por muito estranho que possa parecer, no dia 22 de Agosto de 2018 será batido um novo recorde mundial. Teremos 3.543 dias em que o SP500 esteve em alta sem correcções de 20 entre 2009 e 2018, ultrapassando o anterior recorde registado nos anos 90. Para muitos esta subida é estranha, uma vez que vivemos um dos piores períodos da história da Europa, com resgates, falências de instituições, taxas de desemprego incomportavelmente elevadas e, no entanto, quem tivesse investido no mercado financeiro ano após ano, teria acumulado ganhos fabulosos, superiores a 320%.

Não nos podemos esquecer que a década de 90, o maior período de expansão nos mercados, trouxe consigo a democratização da internet, com o aparecimento de empresas como a Google ou a Amazon, hoje colossos próximos do bilião de dólares.

Com a actual subida dos mercados financeiros, estamos a assistir à consolidação desses negócios, com uma consequente concentração dos índices em empresas tecnológicas. Estes recordes trouxeram para o dia-a-dia a palavra trilião, ou bilião na linguagem europeia, e não me refiro apenas às dívidas públicas e privadas, nessa ordem de grandeza. Trump poderá ficar conhecido com o “senhor bilião”, já que desde que foi eleito presidente o mercado americano valorizou mais de 7 biliões de dólares. Outro recorde que será batido este ano diz respeito ao total de recompras em acções que também ultrapassará o bilião. A reforma fiscal teve um efeito muito positivo no mercado, já que as empresas investiram parte dos lucros repatriados na recompra de acções próprias.

Aqui entra a diferença de conceitos do capitalismo. Nos EUA, o conceito de capitalismo tem por base a valorização de activos. Na Europa, capitalismo significa retirar o máximo de valor da empresa em dividendos para os seus accionistas. Esta diferença de mentalidade, suportada pela debilidade financeira dos governos e accionistas, origina uma pressão sobre a gestão das empresas focada no curto prazo. O efeito de capitalização proporcionado pela recompra de acções é muito poderoso quando comparado com a distribuição de dividendos, que retira dinheiro às empresas.

A consequência de longo prazo é o fortalecimento das empresas americanas que se autofinanciam, quer por capitais próprios, quer por dívida para a recompra de acções. O capital ruma a quem cuida dele, ou seja ao mercado mais líquido. Não é por isso de estranhar que com tanto proteccionismo, guerras psicológicas, guerras comerciais e cambiais, tensões geopolíticas, Trump consiga o que muitos duvidavam: a valorização do dólar, a subida de taxas de juro, o crescimento económico e um mercado financeiro que atrai todo o tipo de investidores.

A zona euro não está preparada para guerras comerciais, muito menos financeiras, principalmente quando tem necessidade de esvaziar os cofres das suas empresas e contribuintes. Trump tem consciência desta debilidade e sabe que o tempo joga a seu favor.

O autor escreve de acordo com a antiga ortografia.

1
1