tribunaexpresso.pttribunaexpresso.pt - 13 jul 19:21

O que faz com que Li Jin Cheng, Hari e Ben Feinstein cruzem oceanos rumo a Gaia? A magia do futebol português

O que faz com que Li Jin Cheng, Hari e Ben Feinstein cruzem oceanos rumo a Gaia? A magia do futebol português

Quase duas centenas de miúdos, dos 8 aos 18 anos, aterraram, esta semana, no Estádio Rei Ramiro, no Complexo Desportivo do Candal, em busca do livre perfeito à Ronaldo ou da trivela à Quaresma. Vêm da China, Singapura ou EUA para aprenderem uns toques de técnica individual no país do jogador com mais seguidores do mundo, dizem à Tribuna Expresso

Li Ji Cheng, Oscar para os seus mais recentes amigos, não está contente. Desde pequenino, tem por herói-maior Cristiano Ronaldo e sempre sonhou jogar no Real Madrid. Por estes dias, viu ruir o sonho de um dia se cruzar com CR7 no Santiago Barnabéu, mas não ao ponto de desistir da ideia de vestir a camisola merengue. Aos 11 anos, o franzino Li chegou a Vila Nova de Gaia para participar no Curso Intensivo de Técnica Individual de Verão da Individual Football Training (IFT), acompanhado por Sue Ming Yiang, treinador e tradutor no Shaanxi Wave FL.

É a primeira vez que um e outro estão em Portugal, experiência que querem repetir, se possível, para o ano. “É um sonho”, diz o técnico natural de Xian, “o berço da China, igual a Guimarães”... se não entrar na equação a diferença de cerca 12 milhões de residentes.

Chegou para participar Mundialito de Cesar, em Oliveira de Azeméis, e na Aveiro Cup, em finais de junho, deu um salto à Bélgica para espreitar uns clubes, antes de aterrar uma semana no Candal. No regresso leva no coração “um país lindo, as pessoas amigas e alguns segredos do futebol português, a pátria de grandes jogadores” e dos treinadores Vítor Pereira (Shanghai SIPS) e Paulo Bento (Chongquing Lifan FC), nomes “muito conhecidos na China”, que cita de cor sem hesitar.

No país onde se multiplicam mais praticantes a cada ano que passa - 265 milhões, segundo o último relatório da FIFA -, mas “faltam treinadores”, Sue Ming descobriu a IFT no Youtube, através de uns miúdos japoneses que fizeram treinos de técnica individual no Candal, treino específico.

Rui Duarte Silva

Mais alto, já com pinta e penteado de craque, Hari é um dos repetentes nos cursos de verão da IFT, academia especializada no desenvolvimento de capacidades técnicas individuais e posicionais de jovens jogadores, complementares aos treinos efetuados nos clubes. Aos 15 anos, o jogador da formação do Tampines Rovers FC, da I Liga de Singapura, diz que o faz voltar “é o estilo do futebol português, de maior intensidade e de mais técnica do que o que pratica”, no seu país. Fã de Hazard e Brahimi, o lateral direito torceu pela Bélgica no Mundial, não tem dúvidas que quer ser profissional de futebol, de preferência na Europa, “quem sabe no FC Porto”.

Segunda-feira, Hari conheceu Ben Feinstein, 13 anos, também lateral direito e pretendente a jogador de futebol, formado no Pittsburgh Riverhounds SC, Pensilvânia, nos EUA. Cinco dias depois, os dois admiradores de Hazard são já inseparáveis. Viajaram com os pais para o Porto, estão alojados num hotel na Boavista, mas passam os dias juntos, das 9h às 17h30, nos treinos específicos e de equipa, na piscina de um ginásio local e na cantina.

Ao fim da tarde, os 185 candidatos a futebolistas da IFT, a maioria do Grande Porto, outros vindos de equipas de todo o país - como Miguel, 12 anos, guarda-redes da escolas do Benfica, ou Vasco Mota, médio-centro dos sub-13 do Sporting - partem à descoberta da Baixa do Porto ou da marginal da Foz, terminando o período de estágio com uma visita ao Estádio do Dragão.

Rui Duarte Silva

“No fim, o melhor é contar com uma hora na loja, que não resistem a comprar camisolas ou outras recordações”, conta Ruben Lobato, da organização do IFT, a academia fundada pelos treinadores Francisco Matos, Álvaro Madureira e Pedro Reuss, em 2013, e que funciona como "um centro de explicações”.

Explicações à medida

A ideia de complementar a aprendizagem feita nos clubes surgiu após Francisco e Álvaro, licenciados em Educação Física e Desporto, com formação em treino de futebol, a importarem de Barcelona, onde os dois estagiaram e lecionaram em academias de desenvolvimento de técnicas individuais.

Rui Duarte Silva

Na IFT, além dos programas de férias de verão, natal e páscoa - €140 de segunda a sexta, € 160 se não for atleta do IFT - que duram uma semana em regime de semi-internato, a academia mantém treinos específicos de setembro a julho, ao domingo de manhã, destinados também a formação técnica individual, com programas para guarda-redes, pontas de lança, defesas...

“Além de poderem melhorar capacidades em que sentem mais dificuldade, treinam o drible, remates, defesas ou desmarcações”, refere Francisco Matos, sublinhando que o que se pretende é dar ferramentas aos jogadores capazes de estimular a criatividade e a qualidade técnica de execução para que tenham soluções para pensar e resolver rápido diferentes situações de jogo.

Rui Duarte Silva

Embora o maior contingente de candidatos a craques seja ainda de longe rapazes, Francisco refere que chegam cada vez mais atletas femininas aos cursos da IFT, em linha com o que se passa a nível mundial - mais de 26 milhões de praticantes femininas, o equivalente a um crescimento superior a 19% em relação ao ano 2000.

A estrelinha da companhia é Maria Negrão, de 15 anos, que joga a extremo na seleção nacional e a média no Sport Club do Porto. Começou a jogar aos 7 anos, por influência dos irmãos mais velhos, e acabou a revelar-se “a que tinha mais jeito”.

Anda no 9º ano de escolaridade do Garcia da Orta, a melhor secundária pública do país, talvez tire um curso de engenharia, sem abdicar de ser profissional de futebol, razão que a levou a sacrificar o início das férias para “melhorar o rendimento na IFT”, antes da partida para os EUA, a 29 de julho, para disputar o Torneio de sub-15 da CONCACAF, de 6 a 13 de Agosto, na Florida.

Rui Duarte Silva

Outra referência que passou pela IFT é Alfa Semedo, recém-contratado pelo Benfica ao Moreirense, três anos depois de ter aperfeiçoado a técnica individual nos relvados sintéticos do Candal. Rubén Novato refere que o melhor cartão de visita da IFT é mesmo o prestígio dos jogadores portugueses - e também dos treinadores, nos quatro cantos do mundo, que se acentuou após Portugal ter sido campeão europeu. E o maior veículo de divulgação é o Facebook, a rede social que tem por campeão mundial o português Cristiano Ronaldo, com mais de 120 milhões de seguidores.

1
1