www.publico.ptpublico.pt - 15 jun 01:07

EUA. Washington usa a Bíblia para justificar retirada de crianças às famílias nas fronteiras

EUA. Washington usa a Bíblia para justificar retirada de crianças às famílias nas fronteiras

Jeff Sessions disse que se deve obedecer às leis do Governo porque " Deus as ordenou com o propósito da ordem”. Sarah Sanders, porta-voz da Casa Branca, segue a mesma linha: as leis da Administração são “reforçadas pela Bíblia”.

A Administração Trump defende a política de tolerância zero à entrada de famílias de migrantes sem documentos e respalda-se na Bíblia. Fê-lo Jeff Sessions, procurador-geral dos Estados Unidos, na quarta-feira, e voltou a fazê-lo Sarah Sanders, porta-voz da Casa Branca, nesta quinta-feira. Ambos crêem que “obedecer às leis do Governo” é “muito bíblico” – mesmo que isso obrigue a separar crianças das famílias na fronteira.

Jeff Sessions falava nesta quarta-feira em Fort Wayne, no estado do Indiana, sobre imigração. Respondendo ao cardinal católico Daniel DiNardo, que afirmou que separar as mães dos bebés era “imoral”, Sessions citou uma passagem da Bíblia para justificar a política. “Citaria o Apóstolo Paulo e a sua ordem clara e sábia, em Romanos:13, que diz que obedeçam às leis do Governo porque Deus as ordenou com o propósito da ordem”. E acrescentou: “Os processos legais e ordeiros são bons por si próprios e protegem os fracos.”

De acordo com a política de tolerância zero aplicada pela Administração Trump, que trata da mesma forma traficantes e pais sem documentos, e que já teve como consequência a separação de mais de 700 famílias na fronteira desde Outubro, é instaurado um processo criminal a qualquer adulto que entre nos EUA de forma ilegal. Como consequência, as crianças acabam por ser separadas dos pais porque não podem ser enviadas para uma cadeia.

Sarah Sanders falou aos jornalistas nesta quinta-feira, na Casa Branca. Questionada sobre o comentário de Sessions (“Onde é que diz na Bíblia que é moral retirar as crianças das suas mães?”), Sanders admitiu que não leu sobre o assunto mas que as leis da Administração eram “reforçadas pela Bíblia”.

“Não tenho presentes os comentários do procurador-geral ou a sua referência, [mas] posso dizer que é muito bíblico fazer cumprir a lei. É referido diversas vezes na Biblía”, disse a porta-voz da Casa Branca.

“A separação de famílias ilegais estrangeiras é produto das mesmas lacunas que os democratas se recusam a fechar, e essas leis são as mesmas e têm estado nos livros há mais de uma década, e o Presidente está simplesmente a reforçá-las”, disse Sanders.

Fez assim eco de um tweet de Trump, do início do mês, que também culpava os democratas pelas separações: "A separação de famílias na fronteira é culpa das más leis aprovadas pelos democratas. As leis de segurança na fronteira devem ser alteradas, mas os democratas não ganham juízo! Começámos a construir o Muro!"

A lei de tolerância zero foi pensada de forma a desencorajar a imigração ilegal. Não é a primeira vez que a administração Trump tenta defendê-la. No início de Junho, confrontado com a necessidade de separar as crianças dos pais, Jeff Sessions respondeu: "Quem atravessar a fronteira de forma ilegal será alvo de um processo criminal. Quem atravessar a fronteira de forma ilegal com uma criança será processado e, provavelmente, essa criança será separada de quem a trouxe. Quem não quiser ser separado dos filhos, que não os traga de forma ilegal. Quando alguém faz isso, a culpa não é nossa".

Em conformidade com as regras actuais, centenas de famílias são separadas assim que chegam à fronteira. Os pais ficam detidos e as crianças são entregues a centros de acolhimento estatais. Mas o número de crianças nessas condições aumentou tanto que os centros de acolhimento estão a chegar ao limite. Por isso já foi anunciada a abertura de um novo centro de acolhimento, perto da zona de entrada de Tornillo, no Texas, que acomodará cerca de 360 crianças.

1
1