eco.pteco.pt - 14 jun 21:19

Governo quer mais mil quilómetros de ciclovias

Governo quer mais mil quilómetros de ciclovias

O objetivo é construir mil quilómetros de ciclovias no país, em 10 anos. Serão investidos 300 milhões de euros, sendo que parte será financiado através de fundos comunitários.

O Governo está a ultimar um plano nacional que envolve a construção de mil quilómetros de ciclovias em 10 anos, num investimento de 300 milhões de euros, com apoios comunitários.

“A nossa ambição é construir mil quilómetros de ciclovias” no país, “em 10 anos, investindo 300 milhões de euros financiados através de fundos comunitários”, assumiu o ministro João Pedro Matos Fernandes, em Évora.

Segundo o governante, esta aposta, que pretende fomentar a utilização da bicicleta e a mobilidade suave, faz parte do plano nacional para ciclovias, que o Governo pretende apresentar em julho e integrar no Plano Nacional de Investimentos.

“Estamos muito perto de concluir, queremos mesmo apresentá-lo ainda na 3.ª semana de julho”, este “plano nacional para bicicletas” ou “para ciclovias”, que pretende “colmatar as ligações por ciclovia à escala do país”, afirmou.

João Pedro Matos Fernandes falava aos jornalistas na Universidade de Évora, à margem do lançamento na academia alentejana do projeto nacional U-Bike Portugal, que disponibiliza, de forma gratuita, bicicletas, convencionais e elétricas, à comunidade académica.

O ministro disse ser “difícil de perceber”, num país como Portugal, que “até tem tradição de produção” e de “uso de bicicletas”, que “só 1% das deslocações” seja feito com recurso a este meio de transporte, quando “a média europeia está entre os 7 e os 10%”.

"É um plano dirigido a todo o país, mas não faz sentido a construção de uma ciclovia de Melgaço a Vila Real de Santo António. Não podemos olhar para ele como olhamos para uma estrada onde circulam automóveis.”

João Pedro Matos Fernandes

Ministro do Ambiente

Com plano nacional para ciclovias que está em preparação, o Governo quer aumentar estas infraestruturas, que já existem em muitas cidades, e promover a sua interligação.

“É um plano dirigido a todo o país, mas não faz sentido a construção de uma ciclovia de Melgaço a Vila Real de Santo António. Não podemos olhar para ele como olhamos para uma estrada onde circulam automóveis”, frisou.

O que interessa, realçou, é, “em primeiro lugar, amarrar ciclovias urbanas entre si” e, “em segundo lugar, nos espaços de maior densidade, construir ciclovias como infraestruturas dedicadas, com critérios claros e rigorosos, para que possam existir redes alternativas de circulação”, neste caso “para bicicletas”.

Neste ponto, pensado para “territórios de difuso urbano”, onde se pode “puxar muito mais pelas deslocações de bicicleta”, de acordo com o governante, “o Norte do país tem uma vantagem grande”.

“Se pensarmos em territórios como o Vale do Ave, o Vale do Sousa, o Oeste, a Bairrada” ou em “algumas partes do Algarve, temos aqui espaços onde, com ligações de 10, 12, 15 quilómetros exclusivas para as bicicletas”, existe “um potencial muito grande para aumentar a circulação em segurança” neste meio de transporte sustentável, indicou.

Como terceiro critério, acrescentou o ministro, o plano está pensado ainda para “territórios como o Alentejo”, em que, a partir do centro das cidades, possam ser construídas infraestruturas cicláveis radiais, na envolvente desses centros urbanos, para servir “quem entra e sai da cidade”.

1
1