observador.ptobservador.pt - 14 jun 22:38

Ninguém quis abrir muito o jogo mas uma foto apanhou o onze da Espanha. E com uma surpresa

Ninguém quis abrir muito o jogo mas uma foto apanhou o onze da Espanha. E com uma surpresa

Fernando Santos recusou avançar com esquemas, modelos e nomes do onze. Hierro fez o mesmo. Mas houve uma fotografia no treino da Espanha que mudou tudo. No lado nacional, há duas dúvidas.

Enviado especial do Observador à Rússia (em Sochi)

Já aqui falámos várias vezes das preocupações com a segurança que a Rússia concentra neste Campeonato do Mundo, tantas que chega ao ponto de pensar se valerá a pena um aparato deste género. Mas deve valer, também não seria normal ser assim se não houvesse a preocupação de que alguma coisa poderia correr mal. Esta quinta-feira, dia em que o Fisht Stadium de Sochi recebeu o seu primeiro grande dia na competição com os treinos e as conferências de Portugal e Espanha, vimos mais pormenores dessa grandiosa operação montada em toda a cidade: por um lado, um detetor de substâncias quando se leva uma garrafa de água para o interior do recinto; por outro, e num cenário que vimos agora à noite, cães para despistar explosivos e polícias com o devido equipamento a levantarem todas as tampas de esgoto e a colocar uma espécie de espuma para selar as mesmas.

Todo o cuidado é pouco, na segurança e na antecâmara do duelo ibérico desta sexta-feira. Aliás, e como referiu Fernando Santos com graça na sua conferência, até pode ser amigo de Hierro mas não lhe quis dar armas antes do jogo… a não ser que ele fizesse o mesmo. E, de forma inadvertida, o novo técnico espanhol pode mesmo ter mostrado a ponta do véu.

Hierro sublinhou que não se pode fazer grandes mudanças mas pode apresentar uma novidade no onze (ADRIAN DENNIS/AFP/Getty Images)

Habituado ao trabalho como diretor desportivo que tinha na Seleção, o antigo central e médio do Real Madrid teve um lapso e colocou de forma demasiado visível um onze numa folha de papel, que acabou por ser apanhada por uma imagem apresentada em exclusivo pelo jornal As. Na mesma, confirmam-se dez dos nomes mais do que prováveis (apesar de haver algumas dúvidas sobre a possibilidade de Aspas ou Rodrigo poderem começar na frente de ataque) mas existe uma novidade, com a entrada de Koke como opção inicial no lugar de Thiago Alcântara. De resto, o mesmo papel tinha num esquema de 4x3x3 De Gea; Carvajal, Sergio Ramos, Piqué, Jordi Alba; Koke, Busquets, Iniesta; David Silva, Isco e Diego Costa.

Fernando Santos já não terá dúvidas, mas há uma vaga entre meio-campo e ataque por decifrar (ODD ANDERSEN/AFP/Getty Images)

E em relação a Portugal, como será? Olhando para aquilo que foram os últimos três jogos de preparação, para as opções mais habituais de Fernando Santos e para as características da Espanha, existe uma grande dúvida que poderá mexer com as movimentações da equipa: quem ocupa o lugar no meio-campo com os garantidos William Carvalho e João Moutinho? Bruno Fernandes, que fez um grande jogo no último ensaio com a Argélia, é uma possibilidade mas, olhando para o todo, é provável que João Mário, neste arranque de Mundial e pelo tipo de futebol que tem, possa cumprir essa vaga, entre a esquerda e o corredor central. Haverá ainda uma outra hipótese, que passaria pelo reforço do meio-campo com Adrien e a passagem de Gonçalo Guedes e/ou Ronaldo a partirem mais da ala do que do meio. A saída de Bernardo Silva do onze é improvável.

Além desta posição, existe ainda uma outra questão que advém dos encontros de preparação: José Fonte partia com um teórico favoritismo a fazer dupla com Pepe, mas a titularidade de Bruno Alves contra Mahrez, Brahimi, Slimani e companhia poderá também funcionado como um teste ao eixo central recuado que defrontará a Espanha. Nas restantes posições, Rui Patrício continuará a ser o dono da baliza e a dupla Cédric Soares-Raphael Guerreiro estará nas laterais.

1
1