visao.sapo.ptvisao.sapo.pt - 14 jun 17:08

Na Casa Ti’Augusta, em Proença-a-Nova, a Beira chega-nos ao prato

Na Casa Ti’Augusta, em Proença-a-Nova, a Beira chega-nos ao prato

Uma cozinha centrada nas iguarias regionais com carnes de animais criados na serra e legumes colhidos na horta. A opinião do crítico gastronómico da VISÃO Se7e, Manuel Gonçalves da Silva
A ementa, que é fixa, baseia-se em iguarias locais e regionais, confecionadas à maneira tradicional – algumas no forno comunitário, como o cabrito e a tigelada, além do pão

A ementa, que é fixa, baseia-se em iguarias locais e regionais, confecionadas à maneira tradicional – algumas no forno comunitário, como o cabrito e a tigelada, além do pão

DAVIDCOSTA(C)

Proponho uma visita à região Centro, indo pelo IC 8 até à saída 39, perto de Figueira, que é a única povoação do concelho de Proença-a-Nova integrada na rede das Aldeias do Xisto, para ali saborear as iguarias tradicionais beirãs da Casa Ti’Augusta. Fica numa das habitações bem recuperadas do núcleo central da aldeia, junto do forno e de outros elementos evocativos da sua antiga vida comunitária, como a eira e as portas nas ruas para vedarem a entrada de lobos.

No piso térreo tem uma loja e um bar com produtos locais (no bar, bebidas e petiscos, como chouriços, queijos, tostas e algum bolo caseiro), que estão sempre abertos. Subindo uma escada de madeira, vê-se a sala com alguns quadros a preto e branco sobre a pedra nua, toalhas de pano a cobrirem mesas de madeira, bons copos e talheres, ambiente quase austero mas acolhedor.

A ementa, que é fixa, baseia-se em iguarias locais e regionais, confecionadas à maneira tradicional – algumas no forno comunitário, como o cabrito e a tigelada, além do pão –, e em dois pratos, “repensados” por Dona Lúcia e sua equipa: a nora, Joana Pereira, e os filhos Fernando e João Matias. Em alternativa, há meia dúzia de pratos usuais, como bacalhau com broa e grelhados de atum, salmão, bife e secretos de porco preto.

Uma boa maneira de começar a refeição é com a “prata da casa”: pão, pasta de azeitonas, toucinho em tiras finas, paio e queijos de cabra, de ovelha e de mistura; ou com o maranho à Ti’ Augusta, folhado com maranho, queijo fresco e abóbora que lhe dão cremosidade; os cogumelos selvagens salteados com bacon, populares na região; os crepes recheados com queijo de cabra e carne, farinheira, queijo ou legumes. A seguir, as especialidades regionais: plangaio, que é um exclusivo daquela zona, com massa de farinheira e ossos do espinhaço, de sabor intenso, mas equilibrado; maranho, simples bucho recheado com carne de cabra desfiada, presunto, arroz e hortelã; afogado da boda, um guisado de carne que lembra a chanfana, sendo mais suave e rico; e cabrito assado no forno com batatas assadas, arroz de miúdos e legumes salteados, tudo excelente. Os inovadores, nacos de cabra em massa folhada, com carne da perna em pedacinhos e doce de frutos vermelhos que lhe dá um toque ácido estimulante, e a trouxa de plangaio, com carne desossada, massa de farinheira, queijo e legumes em camadas, confecionada no forno e bem acompanhada com ananás fresco e puré de couve-flor, são agradáveis surpresas. Doçaria tão simples quanto boa. Garrafeira adequada. Serviço simpático. É preciso voltar.

Na Casa Ti’Augusta > Figueira, Proença-a-Nova > T. 274 822 134 / 96 509 9711 > sex-dom 12h30-15h, 19h30-22h, seg-qui por marcação > €18

1
1