www.sabado.ptFlash - 13 jun 06:06

Um mercado em euforia

Um mercado em euforia

Os protagonistas deste mercado imobiliário em alta cujos retratos revelamos ilustram perfeitamente, com as suas histórias diferentes, o entusiasmo que também já faz soar vários alertas

Durante as duas semanas que a jornalista Raquel Lito dedicou ao trabalho de capa desta semana, apercebeu-se de que houve preços de imóveis que mudaram, ajustando-se à evolução de um mercado em alteração permanente – e sempre em alta. Foi um exemplo entre muitos desta bolha imobiliária que desperta euforias. No trabalho que publicamos a partir da página 36, meia dezena de perfis de protagonistas deste mercado em alta ilustram perfeitamente, através das suas histórias diferentes, o entusiasmo que também já faz soar vários alertas. São histórias de sucesso, em áreas muito diferentes de um mercado curiosamente dominado agora pelos franceses em termos de compradores internacionais. Da recuperação de oficinas em ruínas às comissões de dezenas (e centenas) de milhares de euros na venda de casas, veja como é, por dentro, a bolha imobiliária que muda Lisboa, Porto e Algarve.

O ministro eléctrico
Num dos dias da reportagem da SÁBADO, o ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, andou de Leaf. A editora Maria Henrique Espada percebeu que não é inédito: já fizera Lisboa -Porto de carro eléctrico, demorando mais de quatro horas. O facto é que, apesar de algumas peripécias, o ministro não desiste dos eléctricos e já convenceu colegas do Governo a adoptarem novos veículos "verdes" nas deslocações em Lisboa. Por vezes, a coisa corre menos bem. Na longa subida da A8 em direcção a Torres Vedras o cenário estava difícil. O ministro ainda sugeriu, "bem, se for preciso alijar carga, o mais fácil mesmo é ali a máquina fotográfica da SÁBADO". Felizmente não foi preciso. O ministro estava naturalmente a brincar (nem por um momento imaginámos outra coisa), até porque nos reencontros subsequentes com a equipa da SÁBADO chegou a dizer: "Que saudades! Como conseguiram aguentar um dia sem mim?"

Roberta, a profissional
Uma provocação para Roberta Medina: "Quantas entrevistas já deu?" Uma resposta a sorrir: "Ah, pára! Não vem." São muitas, tantas que nem faz ideia. Nunca diz que não quando se trata de promover o festival Rock in Rio. Quando, às 10h da manhã se encontrou com os jornalistas da SÁBADO Vanda Marques e Alexandre Azevedo já tinha feito um directo na televisão, depois de 30 minutos na passadeira em casa e os filhos despachados. O desafio era revelar "a Lisboa de Roberta", mas ela foi avisando. "Não sou lisboeta de gema, como não era carioca de gema. Eu era da Barra da Tijuca, como aqui vivo em Cascais." Profissional em tudo, acabou por escolher locais relacionados com o seu trabalho à frente do Rock in Rio. Uma reportagem para ler a partir da página 72.

1
1