www.publico.ptpublico.pt - 18 mai 06:41

Psicologia. Depois de domingo, como será a vida dos jogadores do Sporting?

Psicologia. Depois de domingo, como será a vida dos jogadores do Sporting?

Atletas agredidos estão preparados para jogar a Taça de Portugal, mas a sua saúde mental preocupa os psicólogos do desporto.

Foi na terça-feira que meia centena de indivíduos, de cara tapada, invadiram a Academia do Sporting, em Alcochete, e agrediram vários jogadores e técnicos do clube. É no domingo que a final da Taça de Portugal se joga no Jamor. Estes atletas estão preparados para jogar? Já disseram que sim, que marcarão presença na final com o Desportivo das Aves, mas em que condições? E depois do jogo?

Depois de ter sofrido agressões físicas, o avançado holandês Bas Dost confessou sentir-se "vazio". A forma como cada um dos agredidos lidou e vai lidar com a situação vai depender muito da sua personalidade. "As reacções são muito individuais. Haverá quem reaja de forma mais agressiva, outros de forma mais comedida. Além de ser uma situação inesperada, é injusta e há um sentimento de impotência, de insegurança, num local que é a sua casa. O que se passou foi uma situação traumatizante que, no momento, nenhum deles sabia como ia acabar", descreve Sidónio Serpa, professor catedrático da Faculdade de Motricidade Humana (FMH) da Universidade de Lisboa e psicólogo do desporto, salvaguardando que a sua leitura é feita a partir "dos princípios gerais do comportamento".

No comunicado da última quarta-feira, os atletas do Sporting confirmaram que jogarão a final, mas dizem não ter “condições anímicas e psicológicas” para retomarem a sua actividade de imediato, recusando regressar aos treinos em Alcochete. Como se vão preparar para o jogo? "Tudo vai depender da capacidade do treinador de criar uma missão, de unir os atletas. Se for verdade que os atletas apoiam o treinador, então metade do trabalho já está feito", responde Ana Bispo Ramires, psicóloga clínica e do desporto do Comité Olímpico de Portugal. 

"Tudo depende da relação que os jogadores tiverem com o treinador, mas acredito que seja de cumplicidade porque todos estiveram sujeitos à mesma situação", aponta Sidónio Serpa, lembrando que Jorge Jesus também foi agredido. 

Estas agressões "não têm de ter consequências negativas" no jogo, avalia Duarte Araújo, presidente da Sociedade Portuguesa de Psicologia do Desporto (SPPD). "As características do treinador são muito importantes. Sabendo que sabe tirar o maior partido dos seus jogadores, ele vai conseguir pô-los a jogar e este acontecimento [as agressões] pode ser uma alavanca para um maior desempenho, para o culminar de uma época e ganhar a taça", acrescenta, precavendo que as suas declarações "são indicadores, pois não há certezas" de como será o jogo.

Sidónio Serpa alerta que alguns dos jogadores poderão estar desconcentrados, por isso, cabe ao treinador "atribuir tarefas específicas, objectivas e situadas no tempo", ou seja, "orientar em campo, com um maior cuidado" comparativamente a outros jogos, de maneira a que cada um saiba o que tem de fazer e em que altura.

Ana Bispo Ramires reforça a importância do papel do treinador: "A questão é gerir a componente emocional da equipa e cabe ao treinador criar uma missão, unir os atletas, resgatar a identidade do grupo, dar uma chapada de luva branca, querer culminar o final da época com uma vitória. É importante para os atletas e para a equipa técnica."

Também os adeptos poderão ter uma palavra a dizer, acrescenta a psicóloga clínica. "Os jogadores vão sentir muito apoio da parte dos adeptos, solidariedade, e assim é difícil que a performance corra mal", refere.

Saúde mental dos jogadores

O que preocupa os psicólogos clínicos ouvidos pelo PÚBLICO é a saúde mental dos jogadores. Mais uma vez, diz Sidónio Serpa, depende de cada um: "Uns serão mais rápidos na sua capacidade de readaptação, noutros o diapasão ficará a vibrar durante mais tempo."

Ana Bispo Ramires lembra que estas agressões foram "um episódio disruptivo onde houve ameaça à integridade física, um episódio tão inesperado e tão abrupto num contexto [que deveria ser] de segurança". Este foi um episódio "nunca antes visto, claramente traumático e nenhum dos intervenientes deve passar indiferente", reforça Duarte Araújo.

Por isso, a psicóloga clínica recomenda que, nos próximos meses, a família, os amigos, o agente, o treinador, a equipa técnica estejam atentos ao comportamento dos jogadores porque podem instalar-se "quadros de stress pós-traumático". Duarte Araújo lembra alguns dos comportamentos que devem servir de alerta: maior irritabilidade, mudança abrupta de humor, maior isolamento, insónia ou ansiedade. 

Como se ultrapassa uma situação destas? Falando. "Falando muito, o mais possível com pessoas em quem possam confiar e, se possível, com um psicólogo que trabalhe com eles", recomenda Sidónio Serpa.

Também Ana Bispo Ramires e Duarte Araújo são apologistas de que será preciso um acompanhamento profissional por parte de um psicólogo, de preferência especializado em desporto. Duarte Araújo recorda que a SPPD fez recentemente um protocolo com o Sindicato dos Jogadores Profissionais de Futebol e vai ser criada uma linha de apoio para os atletas, estes ou outros que sintam que precisam de ajuda.

Sidónio Serpa lembra que se trata de "jogadores jovens, habituados a um stress intenso, a superar dificuldades". "Estão associados ao desempenho da sua função sob o olhar de milhares de pessoas, por isso, têm condições de resiliência" melhores do que o comum dos mortais. No entanto, reconhece que a situação por que passaram "exige uma atenção redobrada". O professor catedrático lembra a importância do grupo. "Todos estiveram sujeitos àquela situação. Nesta fase, o grupo é protector, por isso é bom falar entre si", conclui.

1
1