observador.ptRui Ramos - 18 mai 03:28

O futebol já não é deste mundo

O futebol já não é deste mundo

O futebol tornou-se um mundo aparte, onde as leis e as regras não se aplicam. É por isso que, por vezes, parece que Alvalade fica na Venezuela e Alcochete na Síria.

Deve ter sido por volta de 1949, numa palestra radiofónica, que o capitão Jorge Botelho Moniz avançou esta tese (cito de memória): se em 1910 já houvesse um campeonato de futebol, como havia nos anos 40, nunca teria acontecido a revolução republicana em Lisboa. O seu raciocínio era este: em 1910, o republicanismo na capital arrastava para comícios, discussões e zaragatas o tipo de pessoas – caixeiros do comércio, trabalhadores das oficinas e serviços urbanos, empregados de escritório, etc. – que, trinta anos depois, iam aos estádios e discutiam e brigavam, não por causa da monarquia e da república, mas por causa do Benfica e do Sporting.

Esta teoria seria perfilhada muito seriamente pela oposição anti-salazarista, que sempre viu no futebol, ao lado do fado e de Fátima (os três F), um dos instrumentos da ditadura para distrair as massas dos seus deveres revolucionários. A multidão lisboeta que a 1 de Maio de 1974 saiu à rua a vitoriar o MFA, ainda umas semanas antes, a 31 de Março, festejara entusiasticamente Marcello Caetano no estádio de Alvalade, durante um Sporting-Benfica. Tinha sido preciso um golpe militar para quebrar o encanto.

Esta semana, não sei o que diria o capitão Botelho Moniz. A sua teoria está confirmada, no sentido em que é à volta dos clubes que as pessoas se permitem hoje em dia experimentar emoções fortes, como o tribalismo e o facciosismo outrora associado à política, à religião ou à aldeia no tempo das lutas de varapau. Mas precisamente por disso, aconteceu algo não previsto na teoria: o futebol tornou-se também uma das vias pela qual, contra a educação e a propaganda dos regimes em que vivemos, esses instintos fatais arranjaram modo de persistir e de regressar. De modo que é agora por causa do futebol que estamos à beira, não digo de uma revolução, mas de alguma comoção de Estado.

Ainda não tivemos uma guerra com pretexto num jogo de futebol, como as Honduras e El Salvador em Julho de 1969, mas já temos “terrorismo”, como se viu no assalto militarizado às instalações do Sporting em Alcochete. É nas claques do futebol que aqueles que gostariam de ser guerreiros de uma tribo do Amazonas hoje encontram a sua floresta. É também no futebol, que políticos de segunda linha, empresários suburbanos, ou advogados anónimos têm a sua oportunidade de fazerem de Césares com os seus circos.

A mania de ver no futebol uma espécie de nova religião não ajuda, porque manifestamente inibe as autoridades. Todos receiam mexer no novo ópio do povo. Assume-se, por isso, que nada pode acontecer a um clube de futebol, aos seus dirigentes e adeptos. É essa impunidade que explica como, de repente, temos demagogos a presidir a clubes, mafias a organizar jogos, e adeptos que são terroristas. Há obviamente, em qualquer sociedade, por mais bem formada, gente cuja vocação é ser demagogo, mafioso, ou terrorista. Se não fosse no futebol, seria em outra coisa qualquer. A questão está na possibilidade que o futebol lhes dá para serem tudo isso impunemente. Por isso, parece por vezes que Alvalade fica na Venezuela e Alcochete na Síria.

O futebol tornou-se um mundo aparte, onde as leis e as regras não se aplicam. Há quem, por essa razão, queira agora mudar Portugal, o mundo e a natureza humana. Não digo que não desse jeito. Mas antes disso, experimentem este remédio mais simples: sujeitem o futebol à lei, com todo o rigor. A primeira vez que um clube fosse dissolvido por dívidas, despromovido por batota, ou banido por causa da violência dos seus adeptos, fosse esse clube grande ou pequeno, voltaríamos talvez a ter apenas um desporto.

1
1