www.publico.ptnribeiro@publico.pt - 17 mai 17:04

Crónica. À bola o que é da bola

Crónica. À bola o que é da bola

Crónica política de um assalto. As declarações de Bruno de Carvalho são uma afirmação de populismo.

Nesta quinta-feira, as agressões de encapuzados a jogadores e técnicos do Sporting na Academia de Alcochete, conheceu mais um episódio. Bruno de Carvalho, presidente da entidade, anunciou processar o titular do segundo órgão de soberania e criticou supostas intenções do Presidente da República. Convenhamos. A bola, hoje, não é uma questão de cores e afectos, é feita de sociedades anónimas, de negócios cotados em bolsa, o que requer escrutínio. Que não se compadece com a promiscuidade entre política e futebol, animada em desajustados clubismos. Esta realidade obriga, por fim, a cuidados quando um populismo de emblema desafia o Estado.

Na quarta-feira, numa inusitada declaração política nos Passos Perdidos do Parlamento, portanto solene, Ferro Rodrigues criticou o ambiente do futebol português dos últimos meses. Fê-lo com veemência e com a exigência de nada ficar impune: “As autoridades judiciais, e bem, sempre prontas para investigar os políticos, que também investiguem, e bem, os dirigentes desportivos, e sobretudo do meu clube, os que fazem do Sporting Clube de Portugal esta desgraça que estamos a viver hoje.”

Em que condição falou o Presidente da Assembleia da República? Como titular do segundo órgão de soberania, embora com uma cedência letal à sua condição clubista. Foi errada a opção. Como se viu esta quinta-feira. Bruno de Carvalho respondeu em nota à Lusa: “Não posso aceitar que a segunda figura do Estado tenha sido mais taxativo e belicista, fazendo-me uma crítica violentíssima, não tendo a mínima noção do cargo que ocupa e da sua condição de sócio do Sporting Clube de Portugal. Será por isso um dos primeiros visados nas acções cíveis que vou mover, até pela posição relevante que ocupa na sociedade.”

O presidente do Sporting encetou uma escalada, ditada pela sua falta de bom senso e pela janela de oportunidade concedida. Daí o reparo ao cargo que, no entanto, é equiparado às obrigações de sócio. Um direito paralelo. Mas a ousadia clubista não acaba aqui.

O Presidente da República considerou-se nesta quarta-feira “vexado” e preocupado pelo ataque de Alcochete: “Esta acção colectiva não é um facto isolado, tem um contexto e conhecemo-lo bem, é o aumento da violência no desporto português, sobretudo no futebol profissional.”

Indiferente a esta exposição didáctica, Bruno de Carvalho respondeu esta quinta-feira. Acusou Marcelo Rebelo de Sousa de “não ter sido taxativo” a confirmar a sua presidência à final da taça de domingo no Jamor. Mais: deambulou pela interpretação. Em primeiro lugar, que o chefe de Estado “lhe está a imputar responsabilidades (…) deixando instalar a dúvida”. Em segundo, que a mais alta figura do Estado “está disponível para aceitar que um grupo de marginais ponha em causa a realização de um evento relevante e que se ache no direito de que influencia as suas decisões.”

O espanto é maiúsculo. Acusações, atribuição de supostas intenções, reivindicação de indiferença face às atitudes presidenciais e tentativa de um inusitado diálogo azedo com o Presidente da República. Sem limites. Não é só ousadia, é uma afirmação de populismo.

A política e a governação têm sido laxas com os clubes de futebol, que continuam encarados como segundas escolhas de outras militâncias. Quando, pelos milhões movidos e paixões desencadeadas, são um mixt de contrapoder e começam a desafiar as normas do Estado de Direito.

Esta terça-feira, a quente da invasão da academia de Alcochete e das agressões, Santana Lopes, antigo presidente do Sporting, e Carlos César, membro da comissão de honra da candidatura de Bruno de Carvalho, dedicaram o espaço do seu comentário na SIC Notícias a Alcochete. Criticaram e mostraram preocupação, mas com uma cedência à futilidade. Ambos envergavam gravatas não verdes, bordeaux no caso do dirigente do PSD, de fundo vermelha a do líder da bancada do PS. “Quero fazer uma nota, qualquer um de nós vem um pouco encarniçado, mas não sabíamos [o que se ia passar], somos verdes por fora e verdes por dentro, somos sportinguistas”, justificou Santana.

A frivolidade gera uma perversa confusão de conceitos. Não é de agora. Os deputados, repartidos pelos três grandes da bola, acharam por bem reunirem-se à mesa, como corpo de adeptos, com os presidentes dos seus clubes. Bruno de Carvalho foi recebido a 8 de Maio de 2014 no restaurante do edifício novo no Parlamento. Pinto da Costa teve o convívio, no mesmo local, com os portistas em 26 de Janeiro deste ano. Luís Filipe Vieira preferiu receber os deputados do Benfica no restaurante do seu estádio.

Dir-se-á que não tem importância, que cada um pagou o seu repasto, era o que faltava que assim não fosse. Neste futebol português, esta união interparlamentar é arriscada... porque geradora de suspeitas. À bola o que é da bola. Só isso. 

1
1