observador.ptobservador.pt - 17 abr 15:35

Guerra comercial dificulta acesso de países africanos ao mercado financeiro

Guerra comercial dificulta acesso de países africanos ao mercado financeiro

Fundo Monetário Internacional avisou que a guerra comercial entre os Estados Unidos e a China podem dificultar o acesso dos países africanos aos mercados financeiros.

O diretor adjunto de estudos económicos do Fundo Monetário Internacional (FMI) avisou esta terça-feira que as ramificações de uma guerra comercial entre os Estados Unidos e a China podem dificultar o acesso dos países africanos aos mercados financeiros.

“Ainda é demasiado cedo para aferir as implicações em África de uma eventual guerra comercial entre os Estados Unidos e a China, mas apesar de o efeito direto ser muito limitado, há a questão de como os mercados financeiros lidam com este tema, e isso pode afetar o acesso aos mercados financeiros e ser um desafio para os países que pretendem recorrer aos mercados”, disse Malhar Nabar.

Na conferência de imprensa que decorre esta tarde em Washington, Malhar Nabar comentou as previsões de crescimento para a África subsaariana, que se mantêm em 3,4% para este ano e 3,7% para 2019, considerando que “as condições financeiras acomodatícias beneficiam o acesso a mercados financeiros para países como a Costa do Marfim ou o Senegal”.

No entanto, acrescentou, subsistem grandes desafios, “principalmente para os países exportadores de matérias-primas, que precisam de diversificar as suas economias para outros setores e implementar políticas que encorajem o crescimento e diminuam as restrições que existem”.

O FMI estimou neste dia que a economia mundial cresça 3,9% este ano, melhorando uma décima face aos 3,8% de crescimento de 2017, ano que registou o maior crescimento desde 2011.

“O crescimento mundial fortaleceu-se em 2017 para 3,8%, com uma recuperação notável do comércio mundial, e foi liderado pela recuperação do investimento nas economias avançadas, pela manutenção do crescimento forte na Ásia, um notável aceleração na Europa emergente, e sinais de recuperação em vários exportadores de matérias-primas”, lê-se nas Previsões Económicas Mundiais (World Economic Outlook, no original em inglês).

No documento, que é divulgado neste dia em Washington, no arranque dos Encontros da Primavera, organizados anualmente em conjunto com o Banco Mundial, lê-se que “o crescimento mundial deve aumentar 3,9% este ano e no próximo, apoiado por um fôlego forte, pelo sentimento favorável nos mercados, pelas condições financeiras acomodatícias e pelas repercussões internas e externas da política orçamental expansionista dos Estados Unidos”.

1
1