Miro Cerar anunciou a sua demissão, depois de o Supremo Tribunal ter anulado o referendo realizado no ano passado sobre um importante projeto ferroviário e ter mandado repetir a votação.